Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Lesão irrelevante

STJ manda trancar ação por tentativa de furto

A 5ª Turma do Superior Tribunal de Justiça determinou o trancamento de ação penal contra uma mulher acusada de tentar furtar duas blusas avaliadas em R$ 68. O pedido de Habeas Corpus foi ajuizado pela Defensoria Pública.

A tentativa de furto ocorreu em dezembro de 2007, em Teresina (PI). Na ocasião, a acusada foi presa em flagrante e as duas blusas devolvidas ao estabelecimento. Libertada após pagar fiança, ela foi denunciada pelo crime, que prevê até quatro anos de prisão, pena que pode ser reduzida em até dois terços por se tratar de tentativa e não de delito consumado.

Após a instauração do processo contra a ré, a Defensoria Pública entrou com Habeas Corpus no Tribunal de Justiça do Piauí. Pediu o trancamento da ação sob o fundamento de atipicidade da conduta pela aplicação do princípio da insignificância.

O pedido foi negado pelo TJ-PI. Para os desembargadores, houve justa causa para a ação contra a acusada porque, segundo eles, estavam presentes no caso os indícios de autoria e materialidade do crime.

Por esse motivo, a Defensoria entrou com novo Habeas Corpus no STJ, com pedido de trancamento da ação. Amparado na doutrina atual sobre o assunto e em vários precedentes do Supremo Tribunal Federal e do próprio STJ, a 5ª Turma acolheu o recurso e reformou a decisão do TJ-PI.

Na decisão, os ministros do STJ acompanharam o entendimento do relator da ação, ministro Jorge Mussi. Segundo ele, a aplicação do princípio da insignificância reflete o entendimento de que o Direito Penal deve intervir somente nos casos em que a conduta do acusado ocasionar lesão jurídica de certa gravidade ao bem protegido pela lei (no caso, o patrimônio).

Esse mesmo princípio orienta o reconhecimento da atipicidade material de perturbações jurídicas mínimas ou leves, consideradas “não só no seu sentido econômico, mas também em função do grau de afetação da ordem social que ocasionem”.

O relator ponderou que a insignificância não pode ser vista como elemento gerador de impunidade, mas citou a orientação do STF no sentido de que, ao verificar se a conduta configura lesividade mínima, deve-se levar em consideração aspectos como: a) mínima ofensividade da conduta do agente, b) nenhuma periculosidade social da ação, c) reduzido grau de reprovabilidade do comportamento e d) inexpressividade da lesão jurídica.

Para o ministro Mussi, apesar de a conduta da acusada se amoldar à tipicidade formal (perfeito enquadramento da ação aos artigos da lei penal que dispõem sobre a tentativa de furto) e à tipicidade subjetiva (comprovação da intenção de praticar o crime), não há como reconhecer no caso a tipicidade material. Essa última consiste na relevância penal da conduta e do resultado em razão da significância da lesão produzida ao patrimônio.

“As duas blusas foram avaliadas em R$ 68 quantia que se apresenta realmente ínfima, e foram integralmente restituídas à vítima, um estabelecimento comercial que não logrou prejuízo algum, seja com a conduta da acusada, seja com a conseqüência dela, mostrando-se carente de justa causa a deflagração de ação penal no caso, pois o resultado jurídico, ou seja, a lesão produzida, mostra-se absolutamente irrelevante”, finalizou o ministro. Com informações da Assessoria de Imprensa do Superior Tribunal de Justiça.

HC 110.161

Revista Consultor Jurídico, 16 de novembro de 2009, 11h28

Comentários de leitores

3 comentários

PRINCÍPIO DA SIGNIFICÂNCIA!

WLStorer (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Pela aplicação individual do princípio da insignificância é que se chegou ao atual contexto coletivo do princípio da significância. Será que a vítima concorda com o entendimento do STJ?

Ninguém lembra...

Espartano (Procurador do Município)

Ninguém parece lembrar que nesses casos de furto que agora constantemente são trancados em instâncias superiores, existe um outro lado que espera a justiça que, por benevolência judicial, não vem.
O comerciante investe em equipamentos de vigilância, tem gastos com a contratação de seguranças e, quando consegue evitar algum dos furtos que invariavelmente lhe dão prejuízos ao fim do mês, chega um desembargador qualquer e passa uma borracha no passado do criminoso, lhe dando aval para repetir a ação e incentivar que outros que enveredam pelo crime também o façam.
Aposto que daqui algum tempo, depois que essa onda de benvolência se tornar majoritária, vai ter um monte de empresário que ao pegar o ladrão, vai é mandar dar uma surra no meliante e botar ele para correr pelado na rua já que, se esperar a justiça, o perdão virá sem que qualquer merecida punição seja aplicada. Aí o ladrão processa o comerciante que sentirá a ira do judiciário contra si...

STJ manda trancar ação por tentativa de furto

xxxxxxxxxxxxxxx (Outros)

Quando se sabe nos dias que correm, grandes fraudadores dos cofres públicos gozam de liberdade, difícil entender que corra até o STJ uma ação por tentativa de furto de 2 blusas no valor de R$ 68. Dessa forma e o excesso de apego ao formalismo, a tão decantada morosidade processual não será superada. Mario Pallazini - São Paulo - Capital.

Comentários encerrados em 24/11/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.