Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Dívidas trabalhistas

Ex-empregados da Vasp conseguem fazendas de Canhedo

Por 

Uma fazenda de R$ 100 milhões foi o que conseguiram os ex-trabalhadores da Viação Aérea de São Paulo (Vasp) vinculados ao Sindicato dos Aeroviários no Estado de São Paulo. A 14ª Vara do Trabalho da capital paulista decretou, nesta segunda-feira (9/11), a adjudicação do imóvel na cidade de Aruanã (GO), por causa de dívidas trabalhistas do Grupo Canhedo, proprietário da Vasp.

A fazenda estava no nome da Agropecuária Vale do Araguaia, que faz parte do grupo controlado pelo empresário Wagner Canhedo Azevedo. O empresário era o principal acionista da Vasp, antes da falência da companhia, ocorrida em setembro do ano passado. O saldo da dívida trabalhista era de R$ 486 milhões, depois que a adjudicação de outra fazenda, autorizada pela 14ª Vara em agosto, quitou R$ 421 milhões em débitos. A adjudicação é o caminho pelo qual um credor pode se apossar de bens do devedor sem que eles tenham que ir a leilão, o que apressa a quitação da dívida.

O processo que cobra o pagamento é uma Ação Civil Pública movida pelo Ministério Público do Trabalho. O Sindicato dos Aeroviários, parte interessada na ação, no entanto, foi quem chamou a atenção da Justiça para o fim do prazo legal para que a agropecuária apresentasse um plano de recuperação, depois de pedir à Justiça sua recuperação judicial. “A Agropecuária Vale do Araguaia requereu a sua recuperação judicial em 13 de agosto de 2008, sem que tenha havido, até a presente data, assembleia geral de credores e plano de recuperação judicial aprovado”, alertou o advogado Francisco Gonçalves Martins, da Advocacia Martins, que patrocina o sindicato.

Segundo o advogado, o período ultrapassa o prazo de 180 dias considerado razoável pela jurisrudência do Superior Tribunal de Justiça para que o plano de recuperação seja aprovado em assembleia de credores. Depois disso, as execuções dos credores podem correr sem impedimento onde quer que tenham sido ajuizadas. A juíza Elisa Maria Secco Andreoni acatou o pedido e ordenou a adjudicação.

Processo 00507.2005.014.02.00.8

Clique aqui para ler a decisão que autorizou adjudicação de fazenda em novembro, aqui para ler a decisão que autorizou adjudicação de fazenda em agosto e aqui para ler a petição de adjudicação.

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 10 de novembro de 2009, 20h54

Comentários de leitores

3 comentários

VASP/CANHEDO

ACosta Filho (Outros)

Não concordo que este é um empresário de sucesso porque:
o empresario que não deposita o FGTS de trabalhadores.
que não paga os direitos dos seus empregados.
recolhe o INSS na folha e não repassa ao instituto.
Segundo levantamento de auditores na epoca da VASP apresentou documentos falsos de que estava em dia com o INSS para ganhar licitação para operar a REDE POSTAL NOTURNA (CORREIOS) e perdeu, justamente por isto.
Pessoas(intimas) ligadas a ele disseram que preferiam deixar todos os trabalhadores desempregados do que vender a VASP, e aconteçeu e não pagaram ninguem,se isto é ser um empresário de sucesso, peço que DEUS volte logo, pois estamos perdidos.
e olha, trabalhei lá 16 anos, e estou esperando deitado para não cansar, o dinheiro que é meu de direito e que me foi surrupiado por ele.
Justiça,justiça,justiça, um dia terá.

VASP

ACosta Filho (Outros)

Trabalhei 16 anos na VASP e ela parou,pior, fiquei sem nada, quando terei a alegria de receber os meus direitos? Até quando este, que se denomina empresário vai ficar enrolando o trabalhador e a justiça, sempre com liminares a perder de vista para não pagar? Pior de tudo é que a justiça aceita.
Senhores acho que môrro e não vejo tudo!!!!!

Passo maior que as pernas . . .

Ricardo, aposentado (Outros)

É... O empresário Wagner Canhedo deve amargar de arrependimento em se imiscuir com a VASP.
Empresário de sucesso no ramo agropecuário, de transporte coletivo urbano e de transporte de combustível, está indo à ruina em razão de ter se aventurado na compra da VASP.
Apesar de não ter desembosado "um tostão" na compra da VASP está pagando um preço muito alto pela má administração: os outros bens qua já tinha antes da aventura estão respondendo pelas dívidas da VASP.

Comentários encerrados em 18/11/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.