Consultor Jurídico

Fica no cárcere

Beira-Mar não consegue responder em liberdade

O pedido de Luiz Fernando da Costa, conhecido como Fernandinho Beira-Mar, para que ele aguardasse em liberdade o julgamento de sua ação até o esgotamento de todos os recursos permissíveis e cabíveis foi negado pelo Superior Tribunal de Justiça. Beira-Mar é acusado de crimes de tráfico e uso de entorpecentes.

O ministro Nilson Naves afirmou que a manutenção de Beira-Mar no cárcere não decorre de prisão imposta na ação penal relativa ao caso que levou a defesa a entrar com o pedido. O ministro entendeu que, à primeira vista, não há coação ilegal ou abuso de poder.

A 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio negou HC a Beira-Mar. A defesa recorreu ao STJ, alegando que Beira-Mar sofre coação, devido à manutenção de sua prisão no período do julgamento do recurso. Assim, pediu “a concessão de medida liminar, determinando-se a sustação dos efeitos da prisão cautelar imposta no primeiro grau de jurisdição e mantida pelo acórdão proferido pela autoridade coatora”. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ

HC 130.370




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 27 de março de 2009, 13h40

Comentários de leitores

2 comentários

Nossa leis têm que mudar

Petró (Bancário)

É verdade Zerlottini. Se de dentro da prisão de "segurança máxima" ele comanda seu cartel, sem nenhuma dificuldade, imagine fora.

Beira Mar para presidente...

Zerlottini (Outros)

Mas, além do mais, é um tremendo cara de pau! Se deixarem esse cara em liberdade, ninguém mais o vê nem bo mar territorial do Brasil. Esse sujeito já deveria ter sido colocado num "microondas", há muito tempo. Ele tá é comendo à nossa custa e comandando o crime de dentro da prisão. Em segurança. Lá dentro, ninguém põe a mão mele. Mas, cá fora, os outros fazem TUDO o que ele manda. Esses defensores dele também são bastante caras-de-pau!
Francisco Alexandre Zerlottini. BH/MG

Comentários encerrados em 04/04/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.