Consultor Jurídico

Poder da toga

TJ determina aposentadoria a juiz por abuso no PA

O Tribunal de Justiça do Pará decidiu, por maioria, aposentar compulsoriamente o juiz de Melgaço (PA), Edílson Furtado Vieira. Os desembargadores entenderam que o juiz cometeu abuso de poder junto à administração do município. Ele pegou um trator e derrubou parte de um muro que dá acesso à plataforma de embarque e desembarque no porto da cidade.

Os desembargadores entenderam que o juiz cometeu irregularidades consideradas graves e incompatíveis com a profissão. Para a desembargadora Maria de Nazaré Gouveia, o episódio mais grave foi o fato de o juiz ter se indignado com uma tábua solta no cais da cidade, onde teria se acidentado. O juiz foi questionar o prefeito e, inconformado com a resposta, pegou um trator para derrubar parte do muro que dá acesso ao cais.

Em sua defesa, o juiz disse que apenas abriu caminho para que as pessoas tivessem acesso ao local. Outras investigações do TJ paraense constataram mais irregularidades, como buscas e apreensões feitas sem mandados judiciais e abuso de poder junto à administração do município. Maria de Nazaré sugeriu punição de remoção compulsória do juiz. Já a desembargadora Maria Helena Ferreira votou pela aposentadoria compulsória. A maioria dos desembargadores acompanhou Helena Ferreira.

O Procedimento Administrativo Disciplinar foi instaurado em agosto de 2007. A instauração do processo deu início com o pedido de providências apresentado junto à Corregedoria de Justiça das Comarcas do Interior por Ranieri Sales Monteiro. Ranieri contou que o juiz estava andando bêbado no cais, quando tropeçou e foi à casa do prefeito. Também diz que o juiz foi armado ao cais derrubado com o objetivo de proibir que alguém registrasse o fato. Ranieri afirmou, ainda, que foi procurado por três policiais que queriam levá-lo preso por ordem do juiz.

O prefeito e vereadores de Melgaço compareceram à Corregedoria de Justiça das Comarcas do Interior e protocolizaram reclamação a respeito do comportamento funcional e particular do juiz.

Em defesa prestada à época à Corregedoria, o juiz refutou as acusações. Ele afirmou que a Representação tinha o único propósito de desviar a atenção do Poder Judiciário do real problema existente em Melgaço. Segundo o juiz, havia omissão e o desrespeito no trato da coisa pública por parte do prefeito municipal e dos vereadores. O juiz afirmou que sua atitude foi motivada diante da omissão e irresponsabilidade com vidas alheias pela prefeitura, nada mais tendo feito do que assumido o dever de salvar vidas. O juiz afirmou que avisou previamente o prefeito municipal de que iria quebrar uma pequena parte do muro de arrimo para fazer a passagem reclamada pela população, o que evitaria colocar em risco a vida de outras pessoas. Com informações da Assessoria de Imprensa do Tribunal de Justiça do Pará.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 26 de março de 2009, 12h32

Comentários de leitores

6 comentários

salário

Rodrigo Baêta (Advogado Autônomo - Administrativa)

E ele vai cintinuar a receber salário!!! que punição é esta?

Enlouqueceu

Robespierre (Outros)

O excesso de poder enlouquece algumas pessoas.

Descrença generalizada.

rogério lima (Estudante de Direito - Consumidor)

Talvez exercício arbitrário das próprias razões. Ou quem sabe descrença total no poder judiciário. Imaginem se tal idignação ocorresse nos hospitais que não possuem atendimento justo e especcializado. Na escola pública em que os professores faltam ou fingem que ensinam alunos sem poder aquisitivo. O eleitor que passa fome e sofre pela falta de emprego, enquanto o gestor público se locopleta do erário.
Blá, blá, blá!!!
Apesar da maneira inusitada, este juiz merece uma medalha e todo nosso respeito. Por traduzir, fielmente, a indignação das pessoas que sentem impotentes diante da afronta e desrespeito do mais forte para com o menos favorecido.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 03/04/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.