Consultor Jurídico

Atividade pública

Suspensa cobrança de ISS da Infraero em Vitória

A exploração dos serviços de infraestrutura aeroportuária constitui atividade pública de natureza essencial. O entendimento é do ministro Joaquim Barbosa, do Supremo Tribunal Federal, ao conceder, parcialmente, o pedido de liminar apresentado pela Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero). A empresa contesta a cobrança de tributos pelo município de Vitória.

O ministro decidiu pelo não recolhimento de Imposto sobre Serviços (ISS) e outros tributos relativos ao patrimônio, a renda e os serviços da estatal. Joaquim Barbosa também determinou a suspensão da cobrança e da execução de todos os débitos da estatal federal inscritos na dívida ativa do município, assegurando-lhe a obtenção de certidões negativas ou positivas com efeito de negativas, até o julgamento do mérito da ação.

A Infraero pede que o município seja impedido de autuar a empresa pelo não recolhimento de ISS ou quaisquer outros tributos ligados aos serviços públicos prestados. Segundo a Infraero, na condição de empresa pública prestadora de serviço público, tem direito à imunidade tributária, prevista no artigo 150, inciso VI, alínea a, da Constituição Federal.

A empresa pediu, ainda, a declaração da inexigência do “cumprimento das obrigações acessórias ou deveres instrumentais que lhe vem sendo exigidos, imputando-lhe apenas as obrigações acessórias que por força de lei, são exigidos no interesse da arrecadação ou da fiscalização dos tributos”.

O ministro negou o pedido em relação às obrigações acessórias e às autuações. Para Joaquim Barbosa, as obrigações acessórias não possuem ligação direta com os tributos cobrados pelo município. “As atividades de fiscalização e de constituição do crédito tributário e de penalidades (autuação), tão-somente por si, não implicam lesão relevante aos interesses tutelados do contribuinte”, disse.

A Infraero foi criada na década de 70, pela Lei 5.862/72, com o objetivo de “implantar, administrar, operar e explorar industrial e comercialmente a infraestrutura aeroportuária que lhe for atribuída”. Vinculada ao Ministério da Defesa, é administradora de 67 aeroportos em todo o País, além de 80 unidades de apoio à navegação aérea e 33 terminais de logística de carga. Com informações da Assessoria de Imprensa do Supremo Tribunal Federal.

ACO 1.352




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 24 de março de 2009, 18h55

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 01/04/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.