Consultor Jurídico

Notícias

Espião espionado

Agentes da Abin monitoraram espião israelense no Brasil

Acusado de ter sido contratado pela empresa Kroll para fazer interceptações ilegais no Brasil, o israelense Avner Shemesh também teve conversas telefônicas monitoradas por agentes da Agência Brasileira de Inteligência. É o que afirma o relator da CPI das Escutas Telefônicas Clandestinas da Câmara, deputado Nelson Pellegrino (PT-BA). As informações são da Agência Brasil.

Segundo Pellegrino, o agente da Abin, Lúcio Fábio Godoy de Sá, disse em depoimento à comissão que, durante sua participação na Operação Satiagraha, da Polícia Federal, manuseou materiais de escuta envolvendo o israelense. A Kroll nega que Shemesh tenha sido contratado pela empresa.

Pellegrino afirmou que Godoy e o outro agente da Abin, Jerônimo Jorge da Silva Araújo, confirmaram que participaram da Satiagraha atendendo a ordens do setor de inteligência da própria Abin. Os dois voltaram a afirmar ter ouvido do delegado Protógenes Queiroz que se tratava de uma operação de interesse internacional.

Segundo o deputado, os agentes negaram que tenham manuseado qualquer material que envolvesse o filho do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ou algo que comprometesse a Presidência da República.

Pellegrino lamentou a decisão do juiz Fausto De Sanctis de não compartilhar com a CPI os dados da Operação Satiagraha. O deputado afirmou que tentará novo contato com o juiz Luiz Renato Pacheco, responsável pelo processo da Operação Chacal, para tentar obter novos dados sobre a operação.

“Vamos atrás, agora, desse material [da Operação Satiagraha], que consideramos fundamental. Duas pontas do relatório ficaram em aberto: uma, é a participação da Abin na Operação Satiagraha, e a outra, a participação da Kroll no episódio da escuta entre Daniel Dantas e o City [Group]”, afirmou.

Ajuda informal

O presidente da CPI dos Grampos, deputado Marcelo Itagiba (PMDB-RJ), não pretende esperar a conclusão da comissão para propor o indiciamento dos delegados Paulo Lacerda e Prótogenes Queiroz, além de Milton Campana e do banqueiro Daniel Dantas.

“[Os delegados] mentiram perante a CPI, dizendo que as atividades desenvolvidas foram informal com quatro ou seis agentes, quando na verdade ela foi totalmente formal com agentes da Abin”, disse.

Em relação a Dantas, o deputado informou que o pedido de indiciamento se deve em função “da denúncia do senhor Paulo Marinho, que diz que foi contratada pessoa para fazer interceptação no seu telefone particular”. Itagiba também disse que a atuação da Abin em uma operação da Polícia Federal foi indevida e até ilegal já que a Abin atuou como Policia judiciária.

Para o deputado, alguns policiais se acham acima das normas e das leis e atuam de acordo com o lema de que os fins justificam os meios. “No Estado Democrático de Direito, nós não podemos trabalhar dessa forma”, disse.

Notícia alterada às 16h30 de quarta-feira (25/3) para acréscimo de informação.

Revista Consultor Jurídico, 24 de março de 2009, 20h41

Comentários de leitores

2 comentários

TRF rejeita pedido de Dantas para trancar ação

Rodrigo Baêta (Advogado Autônomo - Administrativa)

O Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF 3) impôs ontem importante revés a Daniel Dantas ao rejeitar habeas-corpus de sua defesa que pedia trancamento da ação penal contra o banqueiro por suposta corrupção ativa - crime que o sócio-fundador do Grupo Opportunity teria praticado para livrar-se da Operação Satiagraha. Em votação unânime, a 5ª Turma do TRF 3 rechaçou tese dos advogados de Dantas, que queriam abortar o processo por causa da parceria da Polícia Federal com a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) na investigação.
O compartilhamento de dados sigilosos entre a Polícia Federal e outros órgãos do Estado, Comissão de Valores Mobiliários, Banco Central, Receita Federal, ocorre ordinariamente e não causa nenhuma perplexidade?, concluíram os magistrados. Eles asseveraram que a Lei 9883/99 indica a possibilidade de órgãos componentes do Sistema Brasileiro de Inteligência (Sisbin) compartilharem dados sigilosos.
O julgamento do TRF 3 tem impacto sobre a Satiagraha porque neutraliza uma das teses mais contundentes da defesa de Dantas na tentativa de fulminar a investigação. É a primeira manifestação da Justiça acerca da ação conjunta entre os federais e os agentes da Abin. Para o TRF, a mobilização de agentes de inteligência em missão de competência da PF é uma possibilidade legal. O TRF decidiu que, mesmo que haja alguma nulidade no inquérito, ela não é suficiente para contaminar toda a ação penal, pois existem outras provas reunidas. Liminarmente, o TRF já havia rejeitado o habeas-corpus, impetrado em 11 de novembro - dias depois, Dantas foi condenado a 10 anos de prisão. O julgamento de mérito ocorreu ontem. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.
fonte: http://www.estadao.com.br/nacional/not_nac343908,0.htm

Quem contratou a Kroll?

Quintela (Engenheiro)

Humm...interessante!
A Justiça considera que a participação da ABIN e Policia Federal na Satiagraha é legal!
A Justiça considera TODOS os grampos da Operação Satiagraha legais!
Não houve nenhuma IRREGULARIDADE na Operação Satiagraha!
O Grampo sem Áudio do STF (Gilmar Dantas) até hoje não apareceu!
A CPI dos Grampo vai finalizou e não decidiu nada! Nada ficou provado!
Querem agora achar pelo em ovo!
Agora a KROLL entrou no noticiário... mas a noticia, como sempre... tendenciosa, manipuladora!
A ABIN grampeou espiões da KROLL.
A KROLL contratou o israelense Avner Shemesh.
E quem contratou a KROLL? A KROLL contratou o Israelense por pura diversão?
brincadeirinha de gente grande?
OK! O CONJUR não sabe? Vou ajudar... foi o Daniel Dantas quem contratou a KROLL.
Pois é, foi Daniel Dantas quem contratou a Kroll para espionar e grampear seus desafetos para chantagear, manipular.. tudo isso ILEGALMENTE!
Mas não se fala em Daniel Dantas... Só se fala nos investigadores.. Del. Protógenes e o Juiz Fausto De Sanctis.
É a tal inversão de valores?
O Sr. Marcelo Itagiba quer indiciar Protógenes por que mentiu na CPI.. disse que foram 5 ou 6.. agentes!
Onde querem chegar com tanta dissimulação?
Por essas e outras, que na primeira vez na história do Brasil um Presidente do Supremo é vaiado.. e chamado de fascista, nazista... corrupto!
Está entediante acessar esse site, como sempre com informação distorcida, pela metade, quando não factóides sem nenhum fundamento!
Os leitores do Conjur não merecem respeito?
Os leitores do Conjur não pensam?
O Conjur acha que não!

Comentários encerrados em 01/04/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.