Consultor Jurídico

Privada e familiar

Ao fotografar Nélio, Protógenes fotografou sua mulher

Por 

 A loira que aparece nas fotos feitas pelo delegado Protógenes Queiroz do famigerado jantar em 11 de junho provavelmente é a mulher de Protógenes, Heloísa Alfonso Garcia. A informação faz parte do Relatório de Análise de Mídias feito pela Polícia Federal a partir do material encontrado num notebook e num pen drive apreendidos na casa do delegado.

Protógenes foi identificado como o autor das fotos, que teriam sido feitas pelo seu celular. As imagens registram um encontro ocorrido em 11 de junho no restaurante Original Shundi, em Brasília, com a participação de Nélio Machado, que então era advogado do banqueiro Daniel Dantas.

A versão apresentada por Protógenes na época foi de que o encontro reuniu a defesa de Dantas e assessores do ministro Gilmar Mendes, que tinha em suas mãos pedido de Habeas Corpus preventivo do banqueiro.

A Procuradoria da República no Distrito Federal chegou a abrir investigação para apurar o que ocorreu no suposto jantar entre assessores do presidente do Supremo e advogados de Daniel Dantas. A Procuradoria tomou conhecimento das fotografias tiradas por Protógenes onde aparecia uma mulher loira. O MPF pediu informações sobre o gerente que trabalhou no local até agosto do ano passado e requisitou as imagens do circuito interno.

As fotos tiradas pelo delegado aparecem no relatório no arquivo do delegado nomeado Satiagraha — Dados para vigilância e foram identificadas como Restaurante – Nélio Machado. As informações sobre as fotografias e a reunião foram apresentadas no Relint Original Shundi.doc, que relata o jantar. O documento ressalta que naquela semana corria nos tribunais pedido de Habeas Corpus preventivo a favor de Daniel Dantas.

“No período de permanência no referido restaurante adentrou ao recinto os advogados Nélio Machado, [Alberto] Pavie [Ribeiro] e Rodrigo, acompanhados de pessoas não identificadas e sentaram-se a mesa a uma certa distância do DPF Queiroz e passaram a se comportar em atitudes suspeitas, o que por dever de ofício obrigou o DPF Queiroz a sacar o celular e fazer o registro fotográfico das pessoas que ali se encontravam”, diz o relatório, que registra depoimento de Protógenes.

Quando aconteceu o jantar, a defesa de Daniel Dantas já sabia pela imprensa que seu cliente era investigado pela Polícia Federal. No Grupo Opportunity, corria a informação de que a prisão temporária do banqueiro e de seus sócios poderia ser requisitada pelo delegado Protógenes ao juiz Fausto Martin De Sanctis, da 6ª Vara da Justiça Federal em São Paulo.

De sobreaviso, os advogados de Dantas entraram com o pedido de Habeas Corpus preventivo no Supremo. O relator do pedido, ministro Eros Grau, não se pronunciou sobre o pedido até 8 de julho, quando Dantas foi preso. Como o STF estava em recesso, a questão foi apreciada pelo presidente, ministro Gilmar Mendes, no dia seguinte ao da prisão.

Logo depois disso, Gilmar Mendes recebeu da desembargadora Suzana Camargo, do Tribunal Regional Federal 3ª Região (São Paulo), a informação de que havia escuta no gabinete do presidente do Supremo. O ministro recorreu ao procurador-geral da República, Antônio Fernando Souza. Questionou se estava em poder da Procuradoria alguma fita gravada pelos agentes da Abin no restaurante e se estava em curso alguma investigação de que ele ou seus assessores fossem alvo.

O procurador negou a existência da fita e também qualquer tipo de investigação. Disse que tinha controle total sob a Procuradoria e que nenhuma apuração envolvendo autoridades era feita sem passar pelo crivo legal do STF. O ministro, então, dirigiu-se ao ex-diretor da Abin Paulo Lacerda, que também negou que agentes da agência estariam a serviço de Protógenes. Dias depois, a informação foi desmentida pelo próprio Lacerda, na CPI dos Grampos.

[Texto modificado em 12/3/2009 para retificação de informação]




Topo da página

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 10 de março de 2009, 18h05

Comentários de leitores

3 comentários

A prova da verdade!

João Augusto de Lima Lustosa (Advogado Sócio de Escritório)

Era o que faltava para a prova provadíssima que confirma que o Araponga Protógenes é o grande Elliot Ness tupiniquim. Só faltava a loura suspeitíssma. Porque loura? O natural era que fosse morena como a maiorias das brasileiras. Aí está o indício irrefutável da evasao de divisas por parte do Dr. Nelio Machado e Daniel Dantas. Sao as perdas internacionais. Some-se a esse grave fato da presença da loura e um jantar suspeito (como é que alguém janta, em atitude suspeita, a nao ser em caso de gases fétidos em que se suspeita que tenha saído desta ou daquele comensal do restaurante. Evidentemente como todos os empresários que têm negócios, eles nao falavam alto, revelando segredos que todos devem saber. Agora sim a operaçao Sagatiba deu um porre nos acontecimentos que nao existiram.

Provavelmente?!

Armando do Prado (Professor)

Conjur, até tu? Provavelmente? Que a Veja descarada produza factóides e requente notícias tudo bem. Que fascistinhas de ocasião criem condições para prorrogar a CPI do Itagiba, aquele que foi Secretário de dona Rosinha Garotinho (isso já serve como folha corrida), ok, mas vocês também?

e a mulher?

Francisco Lobo da Costa Ruiz - advocacia criminal (Advogado Autônomo - Criminal)

cada coincidência !

Comentários encerrados em 18/03/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.