Consultor Jurídico

Escutas e espionagem

CPI é prorrogada para investigar Protógenes

A CPI das Escutas Telefônicas Clandestinas da Câmara foi prorrogada por mais 60 dias para investigar a informação da revista Veja sobre uma rede de espionagem comandada pelo delegado Protógenes Queiroz durante a Operação Satiagraha. A decisão foi aprovada pelo Plenário da Câmara, em votação simbólica. A comissão iria acabar no próximo domingo (15/3).

A proposta de 60 dias foi sugerida pelo relator da CPI, deputado Nelson Pellegrino (PT-BA). Para o deputado, os fatos apresentados pela revista são de extrema gravidade. Segundo a revista, Protógenes grampeou e espionou autoridades do Executivo, Legislativo e Judiciário. Também foram bisbilhotados advogados e jornalistas.

Nesta terça, o presidente da CPI dos Grampos, deputado Marcelo Itagiba (PMDB-RJ), defendeu os indiciamentos de Paulo Lacerda, ex-diretor-geral da PF e Abin, de Protógenes e de José Milton Campana, ex-diretor-adjunto da Abin. Para ele, os três cometeram o crime de falso testemunho. Já banqueiro Daniel Dantas deve ser indiciado por interceptação telefônica. A proposta de indiciamentos de Itagiba deve ser votada nesta terça pelos integrantes da comissão.

O relator afirmou que vai apresentar na quarta-feira um roteiro de trabalhos. Ele pretende ouvir o delegado que preside o inquérito, Amaro Ferreira. Vai propor também uma reunião em São Paulo com o juiz Ali Mazloum, da 7ª Vara Federal Criminal de São Paulo. Pretende ouvir ainda o delegado Protógenes. Já Itagiba informou que a CPI receberia nesta terça documentos enviados pelo juiz Ali Mazloum. Na semana passada, a comissão recebeu 11 volumes do inquérito contra Protógenes.

Nelson Pellegrino disse que a CPI poderá ouvir o senador Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE) para que ele contribua nas investigações sobre a empresa Kroll. Na semana passada, o senador disse que desconfia de que esteja sendo monitorado pela Kroll, a pedido de integrantes do PMDB. Pellegrino lembrou que a Kroll é investigada pela Operação Chacal, da Polícia Federal, por suspeitas de fazer escutas ilegais. "A Kroll é uma velha conhecida da CPI, mas como a Operação Chacal está sob sigilo, não foi possível investigar se houve ou não escutas telefônicas feitas por essa empresa", afirmou Pellegrino. Com informações da Agência Câmara.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 10 de março de 2009, 18h57

Comentários de leitores

2 comentários

Vai pro Ralo....

Quintela (Engenheiro)

Essa CPI é a mesma dos 400.000 mil grampos que depois foi reduzido para 12.000... e mesmo assim ainda com dados inflados?
O Presidente da CPI é Marcelo Itagiba, ex-Policia Federal, que foi secretário de Serra na Saúde?
O mesmo Itagiba que ocupou a vaga de Secretário de segurança no Rio de Janeiro e durante essa mesma gestão a milicias policias cresceram exponencialmente?
E foi citado na CPI da Milicias?
Interessante... é muita "competência" para um CPI só...
A CPI do mensalão deu em que?
A CPI dos Cartões deu em que?
A CPI das Milicias deu em que?
Ainda não querem que admire o Protógenes... o cara sozinho mobilizou o Brasil como nunca o fizeram antes...
Protógenes, o homem que mostrou a verdadeira face da justiça!

LA RI LA RAI

Francisco Lobo da Costa Ruiz - advocacia criminal (Advogado Autônomo - Criminal)

Êta nóis, agora vai!

Comentários encerrados em 18/03/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.