Consultor Jurídico

Notícias

Rede de espionagem

PF diz que finalizará relatório sobre Protógenes

O delegado da Polícia Federal Protógenes Queiroz, ex-coordenador da Operação Satiagraha, durante depoimento na CPI das Escutas Telefônicas Clandestinas - José Cruz/Agência BrasilA Polícia Federal deve terminar, nos próximos dias, o relatório conclusivo sobre o inquérito da Operação G, que apura as ilegalidades cometidas pelo delegado Protógenes Queiroz durante a Operação Satiagraha. A promessa foi feita pelo diretor-geral da PF, Luiz Fernando Corrêa, depois de reunião com o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), nesta segunda-feira (9/3), segundo divulgou a Agência Brasil.

A quebra do sigilo telefônico do delegado também foi solicitada pela PF. Segundo o jornal O Estado de S.Paulo, a Polícia quer identificar chamadas e mensagens feitas e recebidas por Protógenes durante cinco meses, entre julho e novembro de 2008. Ele é o alvo maior de inquérito da Corregedoria da PF. O processo tramita em segredo de Justiça na 7ª Vara Criminal Federal de São Paulo, do juiz Ali Mazloum.

A promessa de Corrêa vem depois que a revista Veja, neste final de semana, revelou que a investigação aponta para uma rede clandestina de espionagem capitaneada por Protógenes. Os grampos atingiram membros do Executivo, Legislativo e Judiciário. Também foram investigados ilegalmente advogados, jornalistas e até o filho do presidente Lula, Fábio Luis. Segundo o que foi apurado, o delegado chegou afirmar que agia sob as ordens de Lula.

Para o diretor da PF, as informações divulgadas pela revista não vão mudar o rumo das investigações. “Mesmo que sejam retratos da investigação, as informações são dados produzidos pela Polícia Federal”, afirmou em entrevista à Agência Brasil. Ele garantiu que as informações não saíram da PF e que os autos do processo também estão na Justiça. “Temos um regramento processual que nos impõe o sigilo.”

Como revelou a Consultor Jurídico em 6 de fevereiro, o Ministério Público Federal, o Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República e o comando do Tribunal Regional Federal da 3ª Região trabalhavam para abortar as investigações — clique aqui para ler o texto Medo da verdade mobiliza parceiros de Protógenes.

Formato mentecapto

Em seu blog, o delegado defendeu-se afirmando que Veja mentiu. Segundo ele, as informações lançadas pela revista não merecem credibilidade já que foram lançadas “de formato mentecapto”. “Vivemos num clima mercantilista corrupto em que a credibiliade (sic) de um órgão de imprensa que no passado teve sua importância (sic) histórica, hoje lamentávelmente (sic) constitui parte dessa engenharia política e comercial sórdida disponíveis (sic) a serviço de um poder até então não identificado, mas que possivelmente ultrapassam as nossas fronteiras”, escreveu o delegado.

Segundo ele, na semana passada, ele teve uma reunião com o arcebispo de São Paulo, dom Odilo Pedro Scherer, na qual prometeu se engajar na campanha da fraternidade deste ano. “Firmamos compromisso de colaborar ativamente da campanha da fraternidade, cujo tema é sobre Corrupção e Segurança Pública”, afirma o delegado. O tema da campanha, na verdade, é Fraternidade e Segurança Pública.

Arquivos do delegado

A partir do pen drive e do computador do delegado e de documentos apreendidos em sua casa, a Polícia Federal encontrou relatórios que levantam suspeitas graves sobre as atividades de ministros do governo, fotos comprometedoras usadas para intimidar autoridades e gravações ilegais de conversas de jornalistas.

Os dados mostram que podem ter caído nas garras de Protógenes o senador Heráclito Fortes (DEM-PI); o ministro Geddel Vieira (Integração Nacional); a ministra Dilma Rousseff (Casa Civil); o ministro Mangabeira Unger (Assuntos Estratégicos); o ex-ministro José Dirceu; o secretário particular de Lula, Gilberto Carvalho; o ministro Gilmar Mendes, presidente do Supremo Tribunal Federal; o ex-presidente da República, Fernando Henrique Cardoso; e o governador de São Paulo, José Serra (PSDB).

O inquérito que apura os desvios de Protógenes revela também que os agentes da Agência Brasileira de Inteligência participaram ativamente da Satiagraha. Pelo menos 84 agentes e oficiais de inteligência foram mobilizados na operação. As investigações mostram que o delegado mentiu quando disse que assessores do ministro Gilmar Mendes jantaram com o advogado de Daniel Dantas, Nélio Machado. Na foto do jantar, apreendida junto com o material clandestino, não há assessores do STF.

Além disso, a investigação indica que Protógenes privatizou e terceirizou os trabalhos de inteligência para prender o banqueiro Daniel Dantas. Como revelou a revista Consultor Jurídico, em seu relatório, a PF aponta quais foram os jornalistas da TV Globo que filmaram e editaram a reunião em que intermediários do banqueiro supostamente tentam subornar um delegado da PF. Além dos jornalistas da Globo, Protógenes teria mobilizado para o trabalho policial a equipe do detetive particular Eloy de Lacerda (especialista em grampos ilegais) e do empresário Luís Roberto Demarco (especialista nas tramas de Daniel Dantas).

As buscas dos computadores ocorreram na madrugada de 5 de novembro e atingiram cinco apartamentos de Protógenes e seus familiares, em São Paulo, no Rio e em Brasília. Na ocasião, a PF apreendeu celulares, lap top e dois pen drives de seu uso pessoal.

Reação política

Líderes de partidos da base governista e da oposição vão se reunir, na terça-feira (10/3), no Senado, para discutir uma reação conjunta aos abusos cometidos pelo delegado. A ideia é exigir explicações do governo e cobrar punição do delegado. O líder do DEM no Senado, José Agripino (RN), vai sugerir aos colegas que se reúnam o mais rápido possível com o presidente do STF para discutir o problema.

"Esta não é uma questão da oposição, mas algo que interessa à toda sociedade brasileira", diz o líder do PDT, senador Osmar Dias (PR). "O PDT defende, sim, que providências sejam tomadas porque o que está havendo é uma agressão aos direitos do cidadão", completa.

Já o presidente da Câmara dos Deputados, Michel Temer (PMDB-SP), convocou para esta terça-feira reunião com integrantes da CPI dos Grampos para analisar as denúncias e discutir a possibilidade de prorrogação dos trabalhos da comissão. A decisão compete ao plenário da Câmara.

O presidente da CPI, deputado Marcelo Itagiba (PMDB-RJ), já disse que tentará prorrogar o prazo da comissão - cujo relatório final, lido na semana passada, não recomenda o indiciamento de autoridades. Se não conseguir, ele promete defender a abertura de nova comissão para investigar os supostos abusos de Protógenes na Satiagraha.

A OAB defendeu no domingo (8/3) a apuração rigorosa dos fatos descritos pela revista. De acordo com o presidente nacional da Ordem, Cezar Britto, a CPI dos Grampos precisa investigar a fundo as possíveis ações ilegais praticadas pelo delegado. A OAB defende a criação de um órgão de controle externo para monitorar a atuação das polícias e evitar abusos.

 Foto: José Cruz/Agência Brasil

Notícia alterada às 20h25 de segunda-feira (9/3) para correção de informações

Revista Consultor Jurídico, 9 de março de 2009, 15h13

Comentários de leitores

20 comentários

Protógenes, a lenda...

Quintela (Engenheiro)

"Só pelo título, “Protógenes, a lenda”, nota-se que a modéstia passava ao largo da autobiografia que o delegado começava a preparar quando seu laptop foi apreendido pela Polícia Federal. Mas, diante do conteúdo do arquivo de pouco mais de uma página, fica patente que sua autoqualificação de “lendário” não surgiu após a Satiagraha.
No primeiro e único capítulo, chamado Infância, Protógenes Queiróz já promove seu caráter pseudorevolucionário. (…)"
Meu Deus do céu!!!!!
Vou abrir uma exceção para uma palavra que tenho vetado sistematicamente nos comentários: a canalhice não tem limites.
O que está ocorrendo com este país? Enlouqueceram todos, a ponto de um corregedor imbecil colocar em um inquérito um documento de caráter estritamente pessoal e um colunista imbecil divulgá-lo?
Onde vamos chegar com essa escalada de barbárie? É a mesma canalhice que cometeram com Chico Lopes, quando divulgaram dados pessoais do computador de sua filha.
Isso tudo isso é intencional? Obvio que sim! Querem desmoralizar o Sr. Protógenes e a operação Satiaghrara a todo custo!
Ah!!! E o banqueiro condenado está livre, leve e solto!!!
Viva nossa democracia... nosso estado de direito!!!

O rabo abana o cachorro.....II

Quintela (Engenheiro)

Sr. Sunda Hufufuur,
Para desespero seu, continuarei a expressar minhas idéias, meu ponto de vista!
Aqui é um espaço democrático!
Você queira ou não!
Em momento nenhum exigiu-se que fosse um profissional da área jurídica.
Portanto.. pode espernear a vontade!
Seja menos grosso e menos arrogante! Limite-se a expressar seu ponto de vista! Não queira impô-lo, divergir das idéias e saber respeitá-las é sinal de equilíbrio emocional e sabedoria.
"CALE-SE, CAMBADA DE IGNORANTES!" (Que lindo!!!!)
Isso é um exemplo de inteligencia emocional? Ou da mais pura arrogância?
Pode continuar dando seus faniquitos... chiliques.. continuarei mais do nunca expressar minha indignação!
Na sua casa... vc manda os seus calarem a boca!
Será que pessoalmente vc seria tão velentão?
Acredito que não!

O rabo abana o cachorro.....II

Quintela (Engenheiro)

Sr. Sunda Hufufuur,
Para desespero seu, continuarei a expressar minhas idéias, meu ponto de vista!
Aqui é um espaço democrático!
Você queira ou não!
Em momento nenhum exigiu-se que fosse um profissional da área jurídica.
Portanto.. pode espernear a vontade!
Seja menos grosso e menos arrogante! Limite-se a expressar seu ponto de vista! Não queira impô-lo, divergir das idéias e saber respeitá-las é sinal de equilíbrio emocional e sabedoria.
"CALE-SE, CAMBADA DE IGNORANTES!" (Que lindo!!!!)
Isso é um exemplo de inteligencia emocional? Ou da mais pura arrogância?
Pode continuar dando seus faniquitos... chiliques.. continuarei mais do nunca expressar minha indignação!
Na sua casa... vc manda os seus calarem a boca!
Será que pessoalmente vc seria tão velentão?
Acredito que não!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 17/03/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.