Consultor Jurídico

Comentários de leitores

4 comentários

ESTÁ CERTO.

Mig77 (Publicitário)

O problema não é quanto custa para o Estado e sim o ensinamento sobre o que é público e o que não é.
O juiz foi didático.Ensinou.O CNJ não deveria perguntar a Aneel o quanto custa.Se for considerar esse parecer do CNJ poderá servir para inúmeras outras atitudes "sem custo" para o Estado,como usar veículo público para fins particulares, levar papeis, clips, ferramentas para casa,horas extras no TRE fora de eleições, promotores do Ministério Publico do Trabalho que trabalham em casa.É mole??? e tantas outras coisas.Nunca devemos nos esquecer de um postulado que é a síntese do Brasil:"nada pode ser tão ruim que não possa ser piorado".A propósito:Se fosse na Justiça do Trabalho, além de proibir o uso da energia o juiz deveria mandar colocar algemas no advogado e em seu cliente.Pois também custa para o Estado, a propagação da imoralidade, a formação de gerações de cafajestes que essa J.Trabalho produz.Quando um advogado infla, superestima o pleito para seu cliente (seu comparsa) para surrupiar de quem emprega, quem paga impostos e quem é patriota no fundamento da palavra, pois produz sem dinheiro público, esse advogado está prejudicando o Estado em sua função maior.A preservação da moralidade, pilar de uma grande nação.Que não somos!!!
Mas isso evidentemente não se encaixa neste forum.
Acredito que todos os advogados trabalhistas que aqui escrevem são honestos, não fazem parte do grupo que superestima com valores mentirosos reclamações trabalhistas, como citei acima.

ESTÁ CERTO.

Mig77 (Publicitário)

O problema não é quanto custa para o Estado e sim o ensinamento sobre o que é público e o que não é.
O juiz foi didático.Ensinou.O CNJ não deveria perguntar a Aneel o quanto custa.Se for considerar esse parecer do CNJ poderá servir para inúmeras outras atitudes "sem custo" para o Estado,como usar veículo público para fins particulares, levar papeis, clips, ferramentas para casa,horas extras no TRE fora de eleições, promotores do Ministério Publico do Trabalho que trabalham em casa.É mole??? e tantas outras coisas.Nunca devemos nos esquecer de um postulado que é a síntese do Brasil:"nada pode ser tão ruim que não possa ser piorado".A propósito:Se fosse na Justiça do Trabalho, além de proibir o uso da energia o juiz deveria mandar colocar algemas no advogado e em seu cliente.Pois também custa para o Estado, a propagação da imoralidade, a formação de gerações de cafajestes que essa J.Trabalho produz.Quando um advogado infla, superestima o pleito para seu cliente (seu comparsa) para surrupiar de quem emprega, quem paga impostos e quem é patriota no fundamento da palavra, pois produz sem dinheiro público, esse advogado está prejudicando o Estado em sua função maior.A preservação da moralidade, pilar de uma grande nação.Que não somos!!!
Mas isso evidentemente não se encaixa neste forum.
Acredito que todos os advogados trabalhistas que aqui escrevem são honestos, não fazem parte do grupo que superestima com valores mentirosos reclamações trabalhistas, como citei acima.

MEU DEUS: O QUE MAIS FALTA!!!

Junior (Advogado Autônomo)

CADA UMA QUE A GENTE TEM DE AGUENTAR. O QUE MAIS VIRÁ POR AI??? ABSURDO. TEM DE DAR RISADA PARA NÃO CHORAR. SINCERAMENTE... NÃO CREIO QUE ISSO TENHA OCORRIDO...SEI LÁ...ESTOU ESTUPEFATO...CONJUR: SOCORRO!!! ISSO FOI VERDADEIRO??? ACHO QUE OS TRIBUNAIS DEVERIAM REPENSAR SERIAMENTE O SISTEMA DE RECRUTAMENTO DE DEUSES...OPS: JUÍZES. É... PARECE QUE ESTAMOS DIANTE DE DEUSES DO OLIMPO!!! COM A PALAVRA O EXCELENTÍSSIMO MAGISTRADO...

Vergonha

Dr. Adelmo José da Silva (Advogado Sócio de Escritório)

É só o que faltava! o quê mais o advogado no exercício da profissão vai ter que suportar! Visto que infelizmente advogado, juiz, promotor são pessoas que ao invés de serem aos menos colegas... São inimigos capitais! Isso é uma vergonha!

Comentar

Comentários encerrados em 11/03/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.