Consultor Jurídico

Leilão eletrônico

Fim da parceria entre INQJ e Justiça é questionado

O Instituto Nacional da Qualidade Judiciária (INQJ) resolveu contestar, no Supremo Tribunal Federal, ato do Conselho Nacional de Justiça que colocou fim a parcerias entre a entidade e órgãos judiciários para se fazer leilão eletrônico. O ministro Ricardo Lewandowski é o relator do Mandado de Segurança.

O CNJ determinou o fim da parceria por entender que havia contratação de serviços sem licitação. Para o CNJ, ao valer-se da condição de Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip), o instituto estabeleceu parcerias para hastas públicas por meio de Leilão Eletrônico Judiciário, “contornando de forma ilícita a necessidade de realização de licitação”.

O Conselho questionou também a natureza jurídica do instituto. Para os conselheiros, o instituto não é uma Oscip, mas a constituição de uma sociedade em conta de participação com a empresa S4B Digital para prestar serviços especializados de informática.

O INQJ sustentou que houve prejuízo irreparável causado pela decisão do CNJ, que determinou a rescisão de todas as parcerias pelo Judiciário. E alegou violação ao princípio constitucional da ampla defesa e do contraditório.

O instituto pediu a concessão de liminar para suspender a decisão do Conselho Nacional de Justiça no Pedido de Providências 2008.100.000.208-79 até o julgamento do mérito do Mandado de Segurança. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

MS 28.086




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 19 de junho de 2009, 21h19

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 27/06/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.