Consultor Jurídico

Punição no MP

Entidades fazem manifesto contra projeto de Maluf

Para protestar contra o projeto de lei, que prevê punição para membros do Ministério Públicos, o presidente da Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR), Antonio Carlos Bigonha, e os presidentes de sete entidades de classe do Ministério Público e do Judiciário entregaram manifesto ao presidente da Câmara, Michel Temer, a líderes partidários, a parlamentares e à imprensa. A divulgação do manifesto ocorreu, na quarta-feira (17/6), no salão verde da Câmara dos Deputados e marcou o início da campanha nacional contra o Projeto de Lei 265/07, de autoria do deputado Paulo Maluf (PP-SP).

O projeto prevê punição para membros do Ministério Público que entrarem com Ação Civil Pública, “motivados supostamente por promoção pessoal, má-fé ou perseguição política”. A proposta prevê, ainda, que a associação ou membro do Ministério Público responsável pela ação deverá pagar multa equivalente a dez vezes o valor das custas processuais mais os honorários advocatícios.
Segundo comunicado oficial da ANPR, expedido nesta quinta-feira (18/6), Temer se mostrou sensível ao manifesto dos membros do Ministério Público. “É importante estreitar as relações com o Ministério Público e ouvir os dois lados”, disse o presidente da Câmara.

Segundo a ANPR, “a campanha tem como foco a abrangência nacional, onde integrantes das entidades representativas do Ministério Público e magistratura alertarão as lideranças políticas locais e a sociedade sobre os prejuízos que a aprovação da Lei Maluf pode trazer ao país”. Na semana passada, a matéria recebeu o apoio de líderes partidários, como Cândido Vaccarezza (PT-SP), Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), José Aníbal (PSDB-SP), Jovair Arantes (PTB-GO) e Fernando Coruja (PPS-SC), para que tramite em regime de urgência.

Essa tramitação, no entanto, depende ainda da aprovação em plenário de 257 deputados. Apesar de não ser consenso na bancada do PT, o líder Cândido Vaccarezza considera o projeto de lei “plausível”. Para ele, uma vez explicada a proposta aos deputados não haverá problema na sua aprovação pela Casa.

São entidades parceiras do movimento a ANPR, a Associação Nacional dos Membros do Ministério Público (Conamp), a Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), a Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho (ANPT), a Associação Nacional do Ministério Público Militar (ANMPM), a Associação do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (AMPDFT) e a Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra). Com informações da Assessoria de Imprensa da ANPR




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 18 de junho de 2009, 15h51

Comentários de leitores

5 comentários

antes precisa explicar...

Luiz Antonio Rodrigues (Comerciante)

a anpr quer que seus membros estejam acima da lei justo agora quando aquele infeliz procurador (hoje sumido do mapa) perseguia despudoradamente o secretário executivo de Fernando Henrique Cardoso e que mesmo depois de ser punido exemplarmente com suspensão (na verdade deveria ter sido expulso!) teve acórdão retificando sua condenação onde incluiu-se o têrmos PERSEGUIÇÃO à sentença!
se essa categoria não fôr penalizada quando exceder-se, torna-se INTOCÁVEL!!!!

A força da Clava

abitante (Advogado Sócio de Escritório - Trabalhista)

Se não se pode calar a boca,
tentam empalar.
O poder econômico acha que pode tudo

Basta não se enquadrar

olhovivo (Outros)

Os MPs não precisam temer a referida lei, se aprovada. Basta não se enquadrar nela. Em outras palavras, basta não entrar com ações de má-fé. Senão...

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 26/06/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.