Consultor Jurídico

Colunas

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

IMAGENS DA HISTÓRIA

O dia em que Silvio Santos quis ser presidente

Por 

Débora Pinho - Spacca

1989. Pela primeira vez depois de quase 30 anos de ditadura militar, o Brasil se prepara para eleger, pelo voto direto, o presidente da República. Mais de vinte candidatos se apresentam para a disputa. Entre eles, Ulysses Guimarães, Mário Covas, Leonel Brizola e os favoritos Fernando Collor de Mello e Luiz Inácio Lula da Silva. Faltando 15 dias para a votação do primeiro turno a notícia explode como uma bomba: Silvio Santos vem aí. A candidatura, apresentada em cima da hora, durou pouco. O TSE rejeitou o registro ao candidato.

Para se candidatar, Silvio Santos se filiou ao PMB, legenda de aluguel que entrara na disputa com o candidato Armando Corrêa da Silva, um ilustre desconhecido da cena política. Corrêa renunciou à candidatura e abriu vaga para Silvio Santos.

Como as cédulas para a eleição já estavam impressas com o nome de Corrêa, a campanha gastava boa parte do tempo na TV para explicar que quem votasse nele estava na verdade elegendo Sílvio Santos. O apresentador tinha como companheiro de chapa o senador Marcondes Gadelha, da Paraiba.

Dezoito pedidos de impugnação chegaram ao TSE questionando a legalidade da nova filiação do apresentador, a renúncia do candidato substituído e a regularidade do registro do partido. No dia 9 de outubro, os ministros do TSE resolveram impugnar o registro do partido nanico por falta de convenções em nove estados. Para o TSE, o PMB não tinha as condições necessárias para existir legalmente.

O tribunal também negou o registro das candidaturas de Silvio Santos e Gadelha, levando em consideração o argumento da Procuradoria-Geral Eleitoral. A alegação foi a de que Silvio Santos era inelegível por ser dono de uma concessionária de serviço público e, em tese, deveria ter se afastado das funções três meses antes do pleito.


SAIBA MAIS

Clique no ícone para ler sobre:
A história de Silvio Santos
Os detalhes jurídicos do julgamento do caso no TSE
Entrevista com Silvio Santos sobre sua candidatura
A análise de Maria Tereza Sadek sobre o julgamento
Como funciona o TSE



 é editora da revista Consultor Jurídico e colunista da revista Exame PME.

Revista Consultor Jurídico, 11 de junho de 2009, 9h55

Comentários de leitores

1 comentário

SILVIO SANTOS CANDIDATO

ANTONIO MADEIRA (Advogado Autônomo - Família)

... E AÍ ELEGERAM O COLLOR, DONO DE OUTRA CONCESSIONÁRIA, PARA SER CASSADO (E CAÇADO).

Comentários encerrados em 19/06/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.