Consultor Jurídico

Falta de julgamento

Preso há mais de 4 anos deixará prisão

O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal, acolheu liminar para determinar a imediata soltura de um preso, sem julgamento, há mais de quatro anos e sete meses. De acordo com o ministro, a situação abusiva e inaceitável da superação irrazoável dos prazos processuais afasta a aplicação da Súmula 691 do STF, segundo a qual não compete a corte conhecer de Habeas Corpus ajuizado contra decisão do relator de tribunal superior que negou a liminar.

A medida cautelar foi pedida pela Defensoria Pública da União contra decisão do ministro do Superior Tribunal de Justiça, que negou medida liminar em HC.

Para o ministro, ninguém pode permanecer preso, especialmente quando sequer existe sentença penal condenatória, por lapso temporal que supere, de modo excessivo, os padrões de razoabilidade acolhidos pela jurisprudência que o STF firmou. Clique aqui para ler a decisão.

Celso de Mello mencionou matéria em que foi relator, segundo a qual o excesso de prazo, mesmo tratando-se de delito hediondo, não pode ser tolerado, impondo-se, ao Poder Judiciário, em obséquio aos princípios consagrados na Constituição da República, o imediato relaxamento da prisão cautelar. Com informações da Assessoria de Imprensa do Supremo Tribunal Federal.

HC 99.372

Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 10 de junho de 2009, 19h10

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 18/06/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.