Consultor Jurídico

Negociação salarial

Aasp está preocupada com paralisação de servidores

A Associação dos Advogados de São Paulo (Aasp) está preocupada com o anúncio de que 70% dos servidores do Judiciário de São Paulo devem fazer paralisação por melhores salários e contratação de novos colegas. Para evitar uma situação de caos, os advogados paulistas pedem que os servidores não fechem as portas para negociar com a Presidência do Tribunal de Justiça.

Em nota, a entidade “conclama” os dirigentes do TJ paulista e o governador do estado, José Serra, a empreenderem esforços para atender as reivindicações dos servidores.

“É imperioso que se evite o cenário caótico instaurado a partir do movimento grevista de 2004, cujos efeitos nefastos são sentidos até os dias presentes, especialmente pelos advogados que não têm o poder imediato de interferir nas decisões a serem tomadas, mas que representam a voz da sociedade, vítima primeira de qualquer paralisação da Justiça”, conclui a Aasp.

Leia a nota

A Associação dos Advogados de São Paulo vem a público manifestar a sua preocupação com a notícia de que as entidades representativas dos Servidores do Poder Judiciário Estadual decidiram deflagrar a paralisação de 70% dos serviços públicos, em decorrência de movimento grevista por melhores salários e ampliação de vagas, dentre outros benefícios reivindicados.

Ainda que se possa vislumbrar alguma razão no descontentamento dos Senhores Servidores que aderiram ao movimento, a AASP vem exortá-los a não fecharem as portas para o diálogo, uma vez que a solução negociada apresenta-se como a única alternativa plausível. Pelos mesmos motivos, e exercendo o seu papel institucional, a AASP conclama a Presidência do Tribunal de Justiça e o Governador do Estado a empreenderem os melhores esforços para atender às reivindicações justas, sem descurar de todas as medidas necessárias à plena manutenção dos serviços públicos indispensáveis à administração da Justiça no Estado de São Paulo.

É imperioso que se evite o cenário caótico instaurado a partir do movimento grevista de 2004, cujos efeitos nefastos são sentidos até os dias presentes, especialmente pelos advogados que não têm o poder imediato de interferir nas decisões a serem tomadas, mas que representam a voz da sociedade, vítima primeira de qualquer paralisação da Justiça.

Associação dos Advogados de São Paulo

Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 10 de junho de 2009, 2h45

Comentários de leitores

2 comentários

Auxílio despacho...

meiry (Serventuário)

Já que alguns juízes paulistas de primeira instância recebem com regularidade o tal "auxílio-voto" (o CNJ que o diga...), muitos serventuários de justiça deveriam fazer jus ao "auxílio-despacho" e ouso dizer, até ao "auxílio-sentença"... Não seria interessante colocar este tema na pauta das reinvindicações dos servidores do Judiciário Paulista?

Parece brincadeira...

observador_paulista (Outros)

Caso a AASP não saiba, os servidores estão tentando negociar com o TJ há quase seis meses, observado que a data-base venceu em março!
Oportuno lembrar que o Plano de Cargos e Carreiras se encontra "pronto para a ordem do dia" na Assembleia Legislativa desde setembro de 2006, sem que tenha havido qualquer esforço da Presidência do Tribunal para sua aprovação (ao contrário dos projetos que beneficiaram a magistratura, aprovados e sancionados em tempo recorde).

Comentários encerrados em 18/06/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.