Consultor Jurídico

Comentários de leitores

3 comentários

Convenção de Haia

Paulo Fonseca (Advogado Autônomo)

Prevaleceu, não poderia ser diferente, a Convenção de Haia, numa decisão que simplesmente desmantelou todos os argumentos do padastro e abateu a sentença jejuna de juridicidade do magistrado estadual e as perorações do STJ.
Até mesmo numa leitura perfunctória pode se observar
as manobras, por parte do padastro, aleivosas, tanto que incorreram em litigância de má-fe.
A sentença foi exemplar.
Postei,anteriormente, afirmando que prevaleceria a Convenção de Haia. Prevaleceu.

O poder do nome.

Carviso. (Advogado Autônomo)

Tudo o que aconteceu até a prolação da r. sentença Federal deveu-se unicamente ao fator "LINS E SILVA". Nada mais. Enquanto esteve aos cuidados da 2ª V. F. do RJ foi uma sucessão de atos de cumpadrio: decisões sem o menor respaldo legal, amparadas apenas no desejo de satisfazer os interesses da família Lins e Silva e sua fortíssima influência sobre a justiça estadual fluminense. A sentença aplicou o direito como deve ser. Se justo ou injusto é outro coisa. Se existe interesse por parte dos parentes brasileiros que o busquem no EUA que é o foro competente para decidir a questão. Da forma como estava é que não poderia permanecer.

Hein?

Caio T. (Serventuário)

Depois de ler toda a sentença, aparece diante de mim: "P. R. I, observando-se o segredo de justiça."
Vai entender...

Comentar

Comentários encerrados em 9/06/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.