Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Duas rodas

Lula regulamenta profissão de motoboy

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou, nesta quarta-feira (29/7), projeto de lei que regulamenta as profissões de motoboy e mototaxista no país. A informação foi confirmada pelo ministro das Cidades Márcio Fortes, que se reuniu com Lula nesta manhã. A informação é do portal UOL.

De acordo com Fortes, o projeto aprovado no Congresso teve apenas um veto. Lula não autorizou a regulamentação da profissão de motovigia. Segundo dados da Fenamoto (Federação dos mototaxistas e motofretistas do Brasil), a nova lei vai regular a atividade de dois milhões e meio de profissionais no país.

A nova lei obriga os trabalhadores sobre duas rodas a serem mais precavidos. Será obrigatório o uso de coletes com refletores. No caso dos motoboys, será necessária a instalação de equipamentos de segurança ("mata-cachorros" e antenas corta-pipas). Eles serão fiscalizados pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran).

Caberá aos Estados e municípios autorizarem e regularem as profissões. Isso poderá ser feito a partir de órgãos, como o Detran e o Contran, ou de leis municipais e estaduais. Os municípios e Estados que permitirem o trabalho dos motociclistas terão de seguir as normas da lei nacional e poderão regular outras questões. Entre elas, quantos turnos eles estarão autorizados a trabalhar ou se haverá um limite de registros de motoqueiros na cidade. Para evitar que cidades proíbam a atuação dos motoboys e mototaxistas, a Fenamoto tem estimulado os trabalhadores locais a pressionar os vereadores das suas cidades para a criação de leis municipais sobre a profissão.

A lei modifica o Código de Transito Brasileiro de 1997. O texto original do Código não prevê nenhuma das profissões de motociclistas.

Na fila da regulamentação
Há no Congresso Nacional 240 propostas de regulamentação profissional. (Clique aqui para ler a reportagem na ConJur) Algumas chamam atenção pelo caráter inusitado, como a de Sommelier — profissional responsável pela composição da carta de vinhos dos restaurantes. A deputada Luciana Costa (PR-SP) apresentou o PL 4.787/2009 para mudar o nome da classe de empregadas domésticas para “funcionário do lar”. 

Para tentar reverter essa enxurrada de projetos de lei, o deputado Fernando Coruja (PPS-SC), apresentou em 2007 o PL 2.686/07 para dificultar a insistência dos colegas deputados. “Nos projetos de regulamentação dessas atividades e profissões, em muitos casos, constam atribuições que já fazem parte de leis regulamentadoras de outras atividades”, justifica. “Existem inúmeras profissões que, apesar de não regulamentadas, são exercidas de forma eficaz. À exceção de algumas poucas atividades, a maioria pode ser exercida livremente independentemente de qualquer regulamentação, conforme autorização expressa na Constituição Federal”, prossegue o deputado.

O projeto é, na verdade, a reedição de uma súmula criada, em 2001, pela Comissão de Trabalho da Câmara. Quatro anos depois, os deputados revogaram o verbete. Os deputados reclamavam da pressão que sofriam, uma vez que eram considerados “inimigos” de uma categoria, sempre que um PL era derrubado pela comissão. A proposta de Coruja aguarda votação há um ano na Comissão de Trabalho.

No mesmo sentido, o deputado Régis de Oliveira (PSC-SP) também é contra mais leis para as profissões. “Tenho rejeitado na Câmara todo tipo de disciplina de profissões. Outro dia foi a de manicure. Ela já realiza seu trabalho por instinto. E agora querem que ela vá fazer um curso para ter um papelzinho. Agora, quem não tiver um papel, comete um crime por exercício ilegal de profissão. Veja como estamos burocratizando tudo. É loucura”, disse o deputado, em entrevista à ConJur.

Revista Consultor Jurídico, 29 de julho de 2009, 15h45

Comentários de leitores

3 comentários

demagogia em 2 rodas

hammer eduardo (Consultor)

Mais uma petralhada para garantir mais votos nas proximas eleições para a corja da estrelinha vermelha. Infelizmente é sempre assim , omite-se a discussão do problema e assina-se no afogadilho do populismo de boteco.
Fora o problema da higiene nos capacetes ja mencionado , cabe perguntar se vão exigir dos ilustres motoqueiros esfomeados algum tipo de seguro para os "passageiros" desta nova duvidosa forma de transporte , quero crer que não como sempre.
Pior do que os motoboys que são uma PRAGA que ignora solenemente cada item do codigo de transito, teremos agora tambem devidamente legalizados outra excrescencia que são os "moto-bombas" que são as motos que transportam ate 3 botijões de gas em condições inimaginaveis em vista do perigo em potencial de explosão e incendio.
Falta perguntar aos "luminares" na materia transito como o deputado hugo leal , autor desta demagogica e histerica lei que regulamenta o "lei seca" sobre como pretende se posicionar com relação a verdadeira cascata de absurdos que viraõ a reboque desta lei descaradamente elitoreira.
Quem dirige pode ter certeza que agora passaremos a mais um estagio de selvageria no transito que poderemos chamar tranquilamente de "liberou geral".
Triste morar num Pais em que se joga para a plateia , de preferencia comprando votos em troca de migalhas e variados absurdos sociais.

Temeroso

 (Advogado Autônomo - Civil)

É uma temeridade regulamentar a profissão de moboboy. Positivamente isto não é profissão. Todos sabemos que duas rodas não dá estabilidade nenhuma, implicando em perigo para as pessoas tomar como meio de locomoção uma motocicleta. Quatro rodas já é perigoso quanto mais duas. Claro que perigoso é, o simples fato de viver, porém não se deve dar chances ao azar. Depois, o capacete, usado por todos que usam o veículo (motocicleta), cá pra nós, é uma verdadeira falta de higiene e farto transmissor de doenças. Não há como conciliar!!! Deveras um descenso. Ufa!!!

Contra a Lei

dss (Advogado Autônomo)

É absurda esta Lei. Entendo que deveria ser proibido as motos andarem entre os carros, com ricos para os motoristas e os próprios motoboys. Em São Paulo, eles andam que nem doidos entre os carros e não respeitam ninguém.Os acidentes de transito em São Paulo estão aumentando e com esta lei vai piorar, agravando mais os atendimentos nos hospitais e os custos para o contribuinte. Na Avenida Radial Leste ás 18:00hs. os motoboys vêm um atras do outro em alta velocidade não permitindo nem a mudança de faixa pelo motorista para conversões a direita. Também, está tão grande o numero de motoboys que, eles já estão andando em outras faixas, aumentando os riscos de acidentes graves.
Esta na cara que esta lei tem cunho eleitoral.

Comentários encerrados em 06/08/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.