Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Onda de interceptações

Juiz e delegado são denunciados por escutas ilegais

O juiz Carlos Adel e o delegado Maurílio Pinto de Medeiros, ex-secretário-adjunto de Segurança Pública, do estado do Rio Grande do Norte, vão responder a processo por instalarem ilegalmente 1.864 grampos telefônicos entre 2003 e 2007. A denúncia do Ministério Público Estadual foi recebida, nesta quarta-feira (22/7), pelo Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte. As informações são da Folha de S.Paulo.

De acordo com a denúncia, o delegado pedia os grampos ao juiz por meio de um simples ofício, com uma indicação sumária dos números que queria interceptar. Para a Promotoria, o juiz não tinha competência para ordenar as escutas, já que era da área de execução penal (que cuida do acompanhamento da pena) e não pode interferir na investigação e instrução penal.

Além disso, o Ministério Público argumenta que não havia processos nem inquéritos para justificar as investigações e que não houve respeito às condições definidas pela legislação que trata das escutas.

Entre os grampeados pela dupla, segundo o Ministério Público, estão advogados, jornalistas, empresários e autoridades que não respondiam a processos na Justiça nem apresentavam motivos para a interceptação.

Em maio, o juiz foi punido pelo Conselho Nacional de Justiça por negligência e violação à legislação. Foi determinada sua remoção compulsória para uma vara não criminal para alertar "a gravidade de sua atuação, prevenindo novas práticas viciadas", segundo a decisão. Desde então, ele está afastado sob licença médica.

Maurílio Pinto deixou o cargo de secretário-adjunto há cerca de um ano e hoje é o responsável da Delegacia de Capturas da Polícia Civil.

O advogado que defende Medeiros e Adel, Cleto de Freitas Barreto, afirmou que faltam provas para sustentar a denúncia e que seus clientes agiram "no cumprimento do dever legal, com resultado positivo para a sociedade".

Ele acrescenta que "não houve nenhum prejuízo para cidadãos de bem, pelo contrário, vários crimes foram solucionados com as escutas".

Revista Consultor Jurídico, 23 de julho de 2009, 11h55

Comentários de leitores

4 comentários

Criticas ao Judiciario

Gervasio (Advogado Autônomo)

O Brasil vem passando por momentos dificeis, seja no Poder Executivo, no Poder Legislativo ou no Poder Judiciario.
Logo vem a questão, o Senado Federal conta com 81 Senadores.
O mesmo Senado Federal, conta com 10.000 mil servidores.
O Poder Judiciário, com suas falhas, conta com milhões de processos distribuidos todos os dias e o numero de servidores nunca aumenta.
Aliás, não aumenta o numero de servidores e também nao recebem aumento de salários, isso acontece em São Paulo.
Peço vênia a Assembleia Legislativa, para uma idéia, para evitar greve do funcionalismo público estadual no proximo ano, será que alguem poderia apresentar um projeto de lei, propondo o congelamento dos preços das tarifas púlicas ou administradas pelo poder público, como conta de água, luz, gás, telefone, condominio, cexta basica entre outros?, criticar é muito fácil, resolver o problema é mais facil ainda, só o estado, união e municipios são réus em inumeros processos, qual o nome que se dá a isso, se respondo a um processo é porque deixei de cumprir com uma obrigação, se os entes da federação também são réus é porque tambem deixaram de cumprir com suas obrigações, dai pergunto qual o intresse do estado em melhorar as condições de trabalho dos servidores do juciario? eventuais disvios de comportamento de alguns juizes, desembargadores ou ministros, deve ser punido sem com isso macular o festejado poder judiciário.

Defensoria Pública

Republicano (Professor)

Defensoria Pública, atuante e com prerrogativas, já.

viva o país das contradições

Republicano (Professor)

Escuta, aí, não há interceptação telefônica sem participação do MP. O promotor da vara criminal nada sabia? Olé, gente, viva o país das contradições.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 31/07/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.