Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Fumante passivo

Preso pede para ser transferido para ala de não-fumantes

Um pedido inusitado foi parar no Superior Tribunal de Justiça. O preso Donizete de Lima Ferreira recorreu ao tribunal para ser transferido para uma unidade prisional reservada a presos não-fumantes. O pedido foi negado pela ministra Laurita Vaz, que está no exercício da Presidência no STJ.

Condenado à pena de 23 anos e seis meses de reclusão em regime fechado, Ferreira sofre, atualmente, de insuficiência respiratória. Ele alega que a doença foi causada pela fumaça de tabaco de seus companheiros de cela.

Ao negar a liminar, a ministra Laurita Vaz afirmou não vislumbrar constrangimento ilegal ao direito de ir e vir de Ferreira. “Não há urgência que autorize o deferimento de qualquer medida urgente por esta Presidência”, decidiu a ministra. O mérito do pedido ainda está pendente de julgamento. Com informações da Assessoria de Imprensa do Superior Tribunal de Justiça.

Revista Consultor Jurídico, 14 de julho de 2009, 5h06

Comentários de leitores

10 comentários

o desrespeito de uma juiza à saude de um ser humano

Barros Freitas (Outros)

Que tal a sehora juiza (caso nao seja fumante) ser condenada por um tribunal do povo para conviver com quatro fumantes, sempre ao seu lado, durante alguns anos? Às vezes só se dá geito nesses absurdos com atitudes fortes e de impacto. Essa juiza é uma despreparada para a função que ocupa. Alberto Freitas - Recife.

É o preço

SANTA INQUISIÇÃO (Professor)

Esse é o preço da prisão: conviver com pessoas com as quais não se quer conviver. E entre elas haverá fumantes. Está correta a ministra do STJ.

DECISÃO EQUIVOCADA

rogério lima (Estudante de Direito - Consumidor)

O preso tem direito de não morrer de insuficiência respiratória. Ainda que não tivesse tal doença, cientificamente, ele poderia vir a desenvolver a doença.
A ministra Laurita Vaz, do STJ, frustra toda a pespectiva do preso em regenerar-se quando do cumprimento da pena.Evidentemente, que o preso que se arrepende ou é inocente sonha em transformar sua vida. Se existe unidade de não fumantes, ele tem o direito de ser transferido. A não ser que nos pormenores do processo, não seja esta a real intenção do réu em mudar.
Nos freios e contrapesos, a dignidade da pessoa humana é primeiro do que a liberdade de ir e vir...
Rogério Lima (Bacharelando em Direito.).

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 22/07/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.