Consultor Jurídico

Namorada assassinada

STF julgará se crime passional causa risco à sociedade

O Supremo Tribunal Federal julgará se o condenado por crime passional causa risco à sociedade a ponto de justificar prisão preventiva. Depois de dois anos preso, o atendente judiciário Mário Tasso Ribeiro Serra Júnior entrou com Habeas Corpus para pedir que seja libertado. Ele foi condenado pela 2ª Vara do Juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher da Comarca de Belém (PA) a 22 anos de prisão, por ter assassinado a namorada.

A defesa sustenta que se trata de crime passional, praticado sob “violenta emoção em reação a injusta provocação da vítima” e que Mário Tasso sofre de distúrbio e perturbação psíquica, atestados em laudo psiquiátrico. Por isso, pede, em caráter liminar, que o Supremo Tribunal Federal garanta o direito de recorrer da condenação em liberdade.

No HC 100.113, a defesa se insurge contra decisão do relator, que lhe negou liminar, de igual ação impetrada no Superior Tribunal de Justiça. Alega que o acusado vem sofrendo constrangimento ilegal, por estar preso há mais de dois anos, sem que a ordem de sua prisão esteja fundamentada em fatos.

Por isso, reivindica o abrandamento das restrições da Súmula 691 do STF, que veda a análise de Habeas Corpus que questione liminar negada em tribunal superior. Como o crime teria sido passional, a defesa sustenta que Tasso não representaria perigo à sociedade e, portanto, sua prisão não se justificaria. Além disso, alega que ele é tecnicamente primário, com bons antecedentes, possui residência, profissão e emprego definidos e é pai de um filho de 12 anos de idade, que dele depende para seu sustento. Mário Tasso, de 42 anos de idade, é divorciado.

Ao pedir o relaxamento da prisão preventiva, a defesa cita jurisprudência da própria Suprema Corte. Cita, por exemplo, o julgamento do HC 89.238, relatado pelo ministro Gilmar Mendes, em que a Segunda Turma do STF decidiu que “a prisão preventiva para a garantia da ordem pública, fundada na gravidade do delito e na necessidade de acautelar o meio social não encontra respaldo na jurisprudência deste Tribunal”. Tratava-se do caso do cirurgião plástico Farah Jorge Farah, julgado e condenado pelo assassinado e esquartejamento de sua paciente e ex-namorada Maria do Carmo Alves, que obteve no STF o direito de recorrer em liberdade da sentença condenatória.

Sobre fuga, a defesa observa que o STF “já pacificou jurisprudência no sentido de que a simples fuga ou a resistência à prisão não reforça, em absoluto, a justificativa para perseguir ainda mais o acusado”.

Diante disso, a defesa alega que Mário Tassos está sendo submetido a cumprimento antecipado da pena, o que não está previsto na jurisprudência do STF. Cita, neste contexto, a afirmação do ministro Eros Grau, relator do HC 94.408, segundo o qual “a antecipação da execução penal, ademais de incompatível com o texto da Constituição, apenas poderia ser justificada em nome da conveniência dos magistrados, não do processo penal”.

O caso
Conforme consta dos autos, o crime ocorreu em 5 de julho de 2007, por volta das 9h, “depois de inúmeras e repetidas desavenças afetivas com sua namorada e após luta corporal ocorrida dentro do seu veículo”. Na ocasião, ele teria efetuado três disparos de arma de fogo contra Nirvana Evangelista da Cruz, sua namorada, em local próximo à Universidade do Estado do Pará (UEPA).

Preso no dia seguinte, numa chácara de propriedade do seu tio-avô localizada no município de Benevides (PA), Tasso teve decretada prisão preventiva naquela data. Desde então, está preso. O juiz fundamentou o caso em fuga do réu, mas a defesa alega que ele apenas se encontrava em local onde costumava passar os fins de semana junto com seus familiares. Sustenta, também, que o crime foi cometido em legítima defesa, pois ele fora agredido fisicamente pela namorada. Com informações da Assessoria de Imprensa do Supremo Tribunal Federal

HC 100.113




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 2 de julho de 2009, 6h16

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 10/07/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.