Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Inépcia da denúncia

STJ tranca ação penal contra Reto Buzzi

Por 

O Superior Tribunal de Justiça determinou o trancamento da ação penal contra o economista suiço Reto Buzzi por inépcia da denúncia. Alvo da operação batizada como Kaspar, Buzzi estava entre os acusados de praticar lavagem de dinheiro, evasão de divisas, gestão fraudenta de instituição financeira, sonegação fiscal e formação de quadrilha.

A denúncia foi feita pelo Ministério Público Federal. Segundo o MPF, 27 investigados usufruíam dos serviços de uma doleira brasileira para remessas ilegais de recursos. No caso de Buzzi, gerente de contas na Suíça junto ao banco Clariden Leu (do grupo Credit Suisse), a denúncia foi baseada em uma ligação telefônica dele com esta suposta doleira. “Foi uma ligação cotidiana em que a pessoa estava pedindo um favor para outra, mas da conversa interpretou-se que ele era representante do banco Clariden no Brasil abrindo contas por meio de instituição financeira fraudenta”, explicou o advogado de defesa Celso Vilardi.

O pedido de Habeas Corpus foi negado pelo TRF-3. O STJ decidiu reformar a decisão. Na ação, a defesa alegou que não havia nenhum indício da participação de Buzzi nos crimes em que era acusado. “Defendemos que o contato que ele teve não tem essa conotação. Na ligação, uma pessoa pedia um favor ao Buzzi que ele não quis atender”, reforçou Vilardi. No processo consta ainda que “no tocante da formação de quadrilha ou banda, sequer foram mencionadas as pessoas que integrariam a suposta quadrilha”.

As investigações tiveram início em setembro de 2006 com o objetivo de identificar líderes e integrantes de cinco grupos de doleiros que agiriam no mercado negro de câmbio para promover a evasão de divisas do país. Escutas telefônicas autorizadas pela Justiça indicariam que a quadrilha recebia informações sobre as operações desencadeadas pela Polícia, permitindo a destruição de possíveis provas das atividades ilícitas.

Kaspar é o nome do primeiro capitão da guarda suíça responsável pela segurança do Vaticano. Assim, o nome da operação faz referência ao início da investigação que foi o envolvimento de um banco suíço na guarda de valores de origem ilícita de seus clientes no Brasil.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 1 de julho de 2009, 14h26

Comentários de leitores

2 comentários

Inocente coisa nenhuma

Gilberto Serodio Silva (Bacharel - Civil)

Ele estava captando dinheiro de caixa dois para o UBS e quando foi preso sem algemas mesmo antes de Gilmarzinho sair em defesa dos coitadinhos dos meliantes que não saíram a "mulher de Cézar" (não parecem ou são honesto) declarou de público que na Justiça do Brasil era tudo uma questão de dinheiro, ou seja de advogados com bom tráfico de influência. Fosse em um´país sério que respeita-se a lei e constituição, seria banido, expulso, mandado de volta a terrinha dele para roubar a porgenitora dele...

Mais um inocente

olhovivo (Outros)

Mais um inocente injustamente acusado, com o beneplácito da JF e TRF de São Paulo com seus notórios saberes jurídicos.

Comentários encerrados em 09/07/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.