Consultor Jurídico

Caso Battisti

País abre precedente ao conceder refúgio, diz Ives

Em um momento em que o mundo reage ao terrorismo, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que quer dar ao Brasil um lugar no Conselho de Segurança da ONU, apóia terroristas. A opinião é do advogado Ives Gandra Martins, para quem a decisão do ministro da Justiça, Tarso Genro, apoiada por Lula, em dar refúgio a Cesare Battisti, condenado por assassinato na Itália, abre um precedente perigoso. A declaração foi feita ao programa Linha de Frente, da rádio Jovem Pan, na segunda-feira (19/1).

“Parece-me que o ministro Tarso Genro e o presidente Lula cometeram um equivoco monumental. Dificultaram o nosso relacionamento internacional e trouxeram problemas para o ministro Celso Amorim, que criticou a decisão porque já estava preparado para fazer a extradição desse cidadão. E trouxeram, por outro lado, a possibilidade de qualquer terrorista que mate pessoas, alegando que era um crime político, possa pedir asilo ao Brasil e ter asilo concedido por esse perigoso precedente do ministro Tarso Genro”, resumiu Ives Gandra.

O advogado afirmou que a decisão de Genro foi repleta de incoerências. Battisti, afirmou Gandra, recebeu asilo por ser comunista. “Dois atletas cubanos, que absolutamente não eram assassinos e queriam ficar no Brasil, foram deportados para Cuba. Exatamente porque estavam em desacordo com o ditador cubano, Fidel Castro”, constata, lembrando que a decisão quanto aos boxeadores cubanos também foi do ministro Tarso Genro.

Ives Gandra afirmou que admira o ministro Tarso Genro, com quem escreveu um livro em 2008. “Mas seu viés ideológico terminou prevalecendo sobre os conhecimentos jurídicos ao conceder o asilo”, observou.

Recurso à brasileira

Cesare Battisti foi condenado, na Itália, pelo assassinato de quatro pessoas. “Dar asilo a quem foi condenado, com condenação transitado em julgado, é dar pouca atenção à Justiça Italiana”, afirma o advogado. Para Ives Gandra, a decisão brasileira equivale a dizer que o Brasil, que não conhece profundamente o processo de Battisti, sabe julgar o caso, ao contrário dos italianos, e que a decisão do país vale mais do que a deles.

Segundo o advogado, a decisão afeta a própria legislação brasileira. Ele afirma que as leis do país declaram que, em pedidos de extradição, serão examinados os aspectos formais. O Brasil também pode exigir que a pena aplicada na Itália não seja maior do que a aplicada pelas leis brasileiras.

Para Ives Gandra, a decisão afrontou, ainda, parecer do procurador-geral da República, “que entende profundamente de Direito”, e do próprio órgão do Ministério da Justiça, o Comitê Nacional para os Refugiados (Conare), favorável à extradição.

“Não se poderia falar em terrorismo na Itália, que vivia plena democracia depois da Segunda Guerra Mundial. Não se justifica portanto que se admita o terrorismo quando uma nação vive a plena democracia”, constata.

Segundo Gandra, o que mais o impressiona, é o argumento de que o Brasil já deu asilo político aos generais paraguaios Lino Oviedo e Alfredo Stroessner. Em entrevista a Folha de S. Paulo, Tarso Genro citou os generais. “O Brasil tem uma tradição jurídica liberal no que se refere a asilos”, disse.

Para Ives Gandra, a diferença entre os asilos concedidos aos paraguaios e a decisão de Tarso em relação a Battisti é visível. “Eram chefes de Estado e que, por outro lado, não tinham processos transitados em julgados, inclusive por Cortes Internacionais contra eles”, afirmou.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 24 de janeiro de 2009, 16h01

Comentários de leitores

6 comentários

comentários

ADEMIR (Advogado Assalariado - Civil)

É impressionante, como existem pessoas que ainda defendem os desmandos praticados por esse governo desastroso, incompetente e corrupto, nòs brasileiros, não temos nada a haver com a situação do terrorista Battisti, na Itália, um país democrático, porque tratar esse facínora com toda deferência ? Tem mais é que extraditar esse criminoso. Pergunto aos Srs.George e Armando do Prado, quando começarão a defender asilo político aos dissidentes do regime cubano ? E quando o governo irá criar a bolsa terrorista ?

Refúgio a Battisti

xxxxxxxxxxxxxxx (Outros)

A visão sempre lúcida e coerente do Dr. Ives Gandra expostas em suas matérias hão de ser lidas, relidas e merecedoras da mais alta reflexão e respeito. Esta sobre o refúgio a Battisti diferente não é.
MARIO PALLAZINI (aposentado)

A voz da parcialidade

George Rumiatto Santos (Procurador Federal)

O Dr. Ives Gandra realmente não disfarça sua posição política (ou político-religiosa) conservadora e anacrônica.
Concordo inteiramente com as constatações do comentarista Armando do Prado. E acrescento que, por incrível que pareça, nestes tempos de avanço do Estado Policial, o artigo do Dr. Ives Gandra soa aos ouvidos de muitos como exemplo de lucidez e avanço intelectual. Pena.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 01/02/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.