Consultor Jurídico

Risco de fuga

STJ mantém prisão preventiva de Gil Rugai

O Superior Tribunal de Justiça negou o pedido de Habeas Corpus para o estudante Gil Rugai, acusado de matar o pai e a madastra, em 2004. Ele foi preso logo após o crime e solto por ordem do STF em 2006. Gil Rugai responde ao processo em liberdade, mas teve a prisão preventiva decretada sob alegação de risco de fuga, por ter se mudado para Santa Maria, no Rio Grande do Sul.

Ao saber da mudança, o Ministério Público requereu nova prisão preventiva, salientando que, vivendo naquela cidade, estaria mais próximo da fronteira e que tudo não passava de um “ato preparatório para uma eventual fuga”. Com a divulgação do seu paradeiro, Rugai retornou a São Paulo, onde o juiz acolheu o pedido do Ministério Público e ele voltou para a prisão.

Segundo informações contidas no recurso, Rugai sustenta que se mudou para Santa Maria com o intuito de prestar vestibular para Medicina. Ele afirmou que ali, por ser uma cidade menor, teria mais chance de entrar na faculdade. De acordo com a defesa, Rugai estava trabalhando e sempre compareceu a todos os atos do processo, que corre em São Paulo, local do crime. Ao recorrer ao STJ, a defesa de Rugai alegou que não há nenhuma intenção de fuga por parte do cliente, que afirma ser inocente.

Porém, o ministro Felix Fischer  não acatou a justificativa. “Ele comunicou ao juiz do processo que iria se mudar para outra cidade? Ele não deve ter comunicado, senão o juiz não teria decretado a prisão preventiva. Para sair do distrito da culpa, tem de comunicar ao juiz, ainda mais quando responde a um crime dessa natureza. Por isso, denego a ordem de Habeas Corpus”, concluiu. Com informações da Assessoria de Imprensa do Superior Tribunal de Justiça.

HC 127.036




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 21 de agosto de 2009, 18h41

Comentários de leitores

1 comentário

STF

WLStorer (Advogado Autônomo - Previdenciária)

É o de sempre, sobrou para o STF!

Comentários encerrados em 29/08/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.