Consultor Jurídico

CNJ e procuradorias

Acordo prevê execuções fiscais amigáveis

Com boa parte da culpa pelo volume colossal de processos, as execuções fiscais foram alvo do Conselho Nacional de Justiça nesta terça-feira (18/8). Para reduzir o número de ações ajuizadas, representantes das procuradorias municipais assinaram um acordo com o Conselho Nacional de Justiça. A ideia é “buscar meios de cobrar essa dívida ativa sem a necessidade de ajuizamento de ações”, segundo o presidente do CNJ, ministro Gilmar Mendes.

A Meta 2, imposta pelo CNJ ao Judiciário, é a razão do acordo. O objetivo é julgar ainda este ano todos os processos distribuídos até de 31 de dezembro de 2005. Pelo termo assinado, os procuradores se comprometem a estimular acordos e práticas de conciliação para extinguir os milhões de processos de execução fiscal em tramitação em todo o país e permitir a recuperação mais rápida dos créditos em favor do estado. Seguno Gilmar Mendes, um terço dos 70 milhões de processos atualmente em tramitação no Brasil é de execução fiscal. Só em São Paulo, estima-se que existam 10 milhões de processos dessa natureza.

O presidente do Fórum Nacional de Procuradores-Gerais das Capitais, Jader Ferreira Guimarães, disse que o termo de cooperação dará maior agilidade às execuções em todo o Judiciário. “Essa iniciativa inovadora do CNJ está tratando de um tema muito importante para todas as capitais, pois todas enfrentam dificuldades com o julgamento de ações de execução fiscal. O CNJ está construindo um novo poder Judiciário no Brasil”, disse. Com informações da Assessoria de Imprensa do CNJ.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 19 de agosto de 2009, 0h19

Comentários de leitores

1 comentário

Conciliação pré-processual de dívida ativa

PM-SC (Advogado Autônomo - Civil)

Esclarecendo, esse sistema de conciliação, pelo que sei, não se acha ainda implantando no judiciário catarinense. Trata-se apenas de um trabalho publicado pelo Juiz Lenoar Bendini Madalena, e foi desenvolvido quando recentemente frequentou a Academia Judicial do TJSC.
De qualquer modo, com razão o Ministro Presidente do CNJ e o referido articulista, pois se trata de uma importante ferramenta para desafogar o Judiciário imerso num universo de processos em andamento no país.

Comentários encerrados em 27/08/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.