Consultor Jurídico

Atentado a balas

Motoqueiros atiram contra casa de juiz federal do Paraná

O presidente do Supremo Tribunal Federal e do Conselho Nacional de Justiça, ministro Gilmar Mendes, pediu ao diretor da Polícia Federal, Luiz Fernando Corrêa, providências na apuração do atentado à casa do juiz federal Luiz Carlos Canalli, ocorrido na madrugada desta sexta-feira (19/9).

Gilmar Mendes conversou mais cedo com o juiz, que é diretor do fórum da Justiça Federal de Umuarama, município localizado no noroeste do Paraná. Canalli relatou a ele os detalhes do atentado. Esta é a segunda tentativa de homicídio contra juízes federais ocorrida em sete meses na cidade. A primeira foi contra o juiz Jail Benites de Azambuja, que teve o carro baleado no dia 28 de fevereiro.

Canalli contou que foi acordado por tiros de pistola 9 mm disparados contra a fachada de sua casa. Testemunhas relataram que os dois autores do crime estavam em uma moto.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 19 de setembro de 2008, 19h54

Comentários de leitores

8 comentários

Será bastante complicado se todos os nossos Juí...

Pvgo (Bacharel - Previdenciária)

Será bastante complicado se todos os nossos Juízes que lutam por justiça tiverem que andar somente em carro blindado, com coletes à prova de balas e seguranças 24 horas. Será que o efetivo da Polícia local também não foi falho? Pois, me corrijam se estiver errado, pelo pouco conhecimento que tenho "Umuaram" não chega à 100.000 habitantes.

ao Kunzler Disse tudo! Realmente, é lamentáve...

Sargento Brasil (Policial Militar)

ao Kunzler Disse tudo! Realmente, é lamentável esse ocorrido. Mas,mostra muito bem como a violência campeia em nosso país e as inversões de valores cooperam de maneira acintosa com a ocorrência de fatos como esse. E lhe asseguro que realmente fugir não é crime tipificado no CPB, nem tampouco contravenção. Quanto ao que mais disse, concordo em número, grau e gênero.

É a pior "tríplice fronteira" do Brasil: Paragu...

Luiz Fernando (Estudante de Direito)

É a pior "tríplice fronteira" do Brasil: Paraguai-divisa com Mato Grosso, divisa com o Paraná, e um rio imenso a proteger os delinquentes. É só o arcebispo/Papa Lugo pôr ordem na casa dele que acaba tudo isso. Quando o Paraguai se tornar um país "normal", o Brasil melhora.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 27/09/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.