Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Pena cumprida

No mutirão carcerário no Maranhão, 71 presos foram soltos

O mutirão carcerário no Maranhão, promovido pelo Conselho Nacional de Justiça e pelo Tribunal de Justiça do estado, analisou 899 processos até terça-feira (28/10) em oito presídios de São Luís. O primeiro balanço do CNJ mostra que 71 presos provisórios foram soltos.

Segundo o juiz auxiliar do CNJ, Erivaldo Ribeiro, o mutirão não tem prazo para terminar. Ele seguirá até que os processos de 1.500 presos sejam analisados. De acordo com dados da CPI do Sistema Carcerário da Câmara dos Deputados, existem 5.258 presos para 1.716 vagas no Maranhão. Cerca de 40 juízes, 30 promotores e mais de 100 voluntários trabalham no mutirão.

Ribeiro diz que, após o mutirão, o CNJ fará um relatório com propostas para a melhoria do sistema carcerário no Maranhão.

O conselheiro Jorge Antônio Maurique, presidente da Comissão Provisória de Acompanhamento do Sistema Prisional do CNJ, afirma que o mutirão no estado “servirá de referência para o Conselho, já que, na análise dos processos, também está sendo apreciada a situação dos presos provisórios”. Para ele, as deficiências da Justiça e os problemas de estrutura carcerária encontrados no Maranhão não são muito diferentes dos de outros estados.

O corregedor-geral de Justiça do estado, Jamil Gedeon Neto, diz que a intenção é analisar a situação não só dos 1.500 processos previstos na etapa da iniciativa, mas dos mais de cinco mil presos. A expectativa é de que sejam beneficiados entre 20% e 30% da população carcerária.

Lição para a Justiça

O primeiro preso a ser solto foi Elpídio Martins Souza, de 26 anos. “Agora eu me sinto arrependido de tudo que fiz e nem penso em voltar a fazer. Agora quero mesmo é a minha liberdade, aqui não é local para ser humano nenhum", disse ao jornal Imparcial com alvará de soltura em mãos.

Condenado a cinco anos de prisão por tráfico de drogas, Souza cumpriu três anos a mais do que a Justiça determinou. “A cadeia serviu de lição para mim, mas o meu caso tem que servir de lição para o Estado e para a própria Justiça, pois eu cumpri três anos a mais do que eu deveria. Muita das vezes os direitos da gente não são reconhecidos”, diz.

Revista Consultor Jurídico, 31 de outubro de 2008, 0h00

Comentários de leitores

4 comentários

Tenho pena de vc Analucia. Continue atras do...

Defensor Federal (Defensor Público Federal)

Tenho pena de vc Analucia. Continue atras do seu "convenio", já que nao consegue passar no concurso da Defensoria.

Caro Pinheiro, vc matou a xarada, pois náo info...

analucia (Bacharel - Família)

Caro Pinheiro, vc matou a xarada, pois náo informatiza, afinal há muita gente recebendo para fazer este tipo de serviço manual. Basta ler o comentário do Sr. Observando, para constatar que a defensoria, por exemplo, usa presos e pobres para manter os seus privilégios. Em suma,defendem que para acabar com a fome e miséria na Etiópia é necessário que recebam mais salários. Em geral, recebem de R$ 7000,00 a 11.000,00 (há casos em que recebem até mais), mas melhoram apenas para eles, os pobres continuam mais pobres.

A informatização e disponibilização na internet...

Pinheiro (Funcionário público)

A informatização e disponibilização na internet dos processos de execução ajudaria. Qualquer cidadão poderia checar do computador de casa ou do palm top se há alguém preso além do que determina a sentença e avisar as autoridades. É inacreditável que, em 2008, o Judiciário ainda use autos de papel.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 08/11/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.