Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Maconha no quartel

Ex-soldado preso com droga pede para STF não aplicar lei militar

O pedido de vista do ministro Carlos Britto, do Supremo Tribunal Federal, suspendeu o julgamento de pedido de Habeas Corpus de ex-soldado do Exército condenado a um ano de prisão pelo porte de 3,8g de maconha. A Defensoria Pública pede a aplicação do princípio da insignificância e da proporcionalidade porque o ex-soldado Cícero Anderson Ferreira tinha pequena quantidade da droga, suficiente apenas para o consumo pessoal. O flagrante aconteceu em 2005 no quartel onde cumpria serviço militar obrigatório.

Seis votos foram proferidos antes da interrupção do julgamento. Cinco ministros rejeitaram o pedido, inclusive a relatora, ministra Ellen Gracie. Apenas o ministro Eros Grau foi favorável ao réu. Ainda não votaram os ministros Carlos Britto, Cezar Peluso, Marco Aurélio, Celso de Mello e Gilmar Mendes.

No pedido de HC, o defensor frisou que o porte não representava perigo para a corporação e que ele não deveria ser preso por ser usuário agora que, expulso do Exército, ele é considerado civil. Cícero Ferreira aguarda o final do processo em liberdade.

O amparo legal para o argumento da defensoria é a Lei 11.343/06 (Lei de Tóxicos), que afasta a pena de prisão para os usuários não-traficantes da droga. No artigo 28, a norma prevê que o consumidor será submetido à advertência, prestação de serviços à comunidade e a curso educativo.

Conforme a defesa de Cícero Ferreira, a Lei de Tóxicos deveria ser aplicada ao caso, e não a Lei Penal Militar, que abriria caminho para “severa reprimenda corporal para os usuários de entorpecentes, quando na realidade deveria aplicar medidas socioeducativas para o usuário, uma pessoa doente que necessita de tratamento médico”.

A ministra Ellen Gracie julgou que o porte da droga, mesmo para consumo pessoal, é prejudicial e perigoso nas Forças Armadas. Ela considerou a possibilidade de um julgamento favorável ao réu fragilizar as instituições militares e lembrou que a lei de tóxicos não revogou o artigo 290 do Código Penal Militar, que tipifica o crime cometido pelo ex-soldado.

A ministra explicou que “condutas que podem teoricamente ser consideradas irrelevantes penais para o Direito Penal comum não o são para o militar, devido à necessidade de preservação da hierarquia e da disciplina militar”.

Além disso, ela levantou hipóteses nas quais o uso da maconha poderia, de fato, perturbar a ordem e o trabalho militar. Entre os exemplos citados pela ministra, estão os perigos de um usuário de droga manejar armas de alto poder ofensivo, de colocar em risco a segurança de uma tropa ou de exercer controle de vôos sob efeitos da substância.

HC 94.685

Revista Consultor Jurídico, 31 de outubro de 2008, 0h00

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 08/11/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.