Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Planejamento estratégico

É hora de unificar as carreiras jurídicas integrantes da AGU

Por 

Unificação das carreiras jurídicas integrantes da Advocacia-Geral da União (Advogado da União, Procurador da Fazenda Nacional e Procurador Federal), a médio ou longo prazos, como única forma possível de gestão administrativa eficiente e futuro estável para Advocacia Pública Federal. Esse foi o desafio lançado pelo advogado-geral da União, ministro José Antonio Dias Toffoli, para a União dos Advogados Públicos Federais do Brasil (Unafe), no encerramento do segundo encontro nacional dos Advogados Públicos Federais em Natal/RN no dia 24 de outubro.

O ministro demonstra liderança, visão estratégica e coragem ao levantar a questão. Primeiro, porque urge racionalizar o gasto público e desempenho do papel institucional da AGU (maior unidade jurídica do Brasil), otimizar a gestão de recursos humanos e multiplicar a eficiência dos oito mil advogados públicos federais da ativa e dos serviços prestados aos cidadãos. Segundo, porque o Supremo Tribunal Federal e a Procuradoria-Geral da República (ADI 3.787/DF) acabam de reconhecer que as carreiras da advocacia pública da AGU possuem estrutura organizada de forma semelhante e partilham de interesses comuns, da mesma maneira como ocorre com os membros da magistratura e do Ministério Público, havendo, assim, vínculo corporativo entre as carreiras e existência de classe funcional única de âmbito nacional: a Advocacia Pública Federal. Terceiro, porque também STF e PGR reconhecem a constitucionalidade de unificação de carreiras pertencentes à mesma classe orgânica e com afinidade de atribuições (ADI´s 1.591-5/RS, 2.713/DF e 3.720/SP).

Pois bem, desafio aceito! Chegou a hora da Unafe erguer o estandarte da unificação das carreiras e abrir o debate sobre essa reorganização administrativa, essencial para consolidação da mais moderna e abrangente Função Essencial à Justiça: a Advocacia pública de Estado.

Trata-se de unir pessoas em busca da aceitação do consenso possível. A dialética, a ser construída, precisa seguir os princípios basilares de democracia, transparência, união e profissionalismo. O método a ser utilizado: tolerância, diálogo e perseverança.

O momento atual é ponto de partida para discussão do tema conflituoso. A consolidação da Unafe, maior entidade representativa da classe, e do Fórum da Advocacia Pública Federal, organismo composto pela reunião de outras sete entidades independentes, bem como a realização, pela Escola Superior da AGU, de dois seminários nacionais e cinco regionais sobre Advocacia Pública Federal e do congresso nacional de carreiras jurídicas de estado, para analisar e comemorar 20 anos de vigência da Constituição Federal, apaziguaram a guerra de interesses de irmãos contra irmãos, que existia no seio da AGU — desde sua criação há 15 anos, e possibilitaram, finalmente, abertura de forma oficial, pela primeira vez na história da Instituição, desse debate complexo, mas fundamental.

Há tempo de plantar e tempo de colher. A terra da Advocacia Pública Federal começa a ser arada agora através da formatação de planejamento estratégico proposto pela direção superior da AGU, em ato democrático, pioneiro e exemplar para todo o país, convidando seus membros e demais integrantes do sistema jurídico brasileiro a se manifestarem sobre Advocacia pública Federal e contribuírem na construção do futuro da instituição para os próximos oito anos. Identidade, missão, princípios e valores, objetivos, desafios, pontos fracos e fortes são apenas alguns dos elementos que estão submetidos à análise.

Advogado Público Federal, você foi desafiado. Pegue seus instrumentos, flexibilize seus conceitos e venha para lavoura. A Advocacia-Geral da União está em construção. Você também é trabalhador nesse campo. Perceba isso e faça sua parte, o tempo está favorável ao plantio.

Há quem diga que a história mais difícil de escrever é a da própria vida. Eu digo mais: a história mais desafiante e gloriosa de ser feita é a da construção coletiva. Todos os advogados públicos federais são autoridades responsáveis pela feitura de nossa casa. Aqui, há oportunidade histórica única: Nascer João-de-Barro e morrer Condor.

 é procurador federal

Revista Consultor Jurídico, 29 de outubro de 2008, 12h41

Comentários de leitores

7 comentários

A unificação interessa não só aos procuradores ...

danicamara (Advogado Autárquico)

A unificação interessa não só aos procuradores da carreira, como também ao país, que custeia estruturas triplicadas (um prédio para AU, outro da PRF, outro da PFN). Resta saber se interessa aos ocupantes de cargos de chefia a serem extintos ou às associações que não querem perder a "boquinha".

Prezado Murillo, Eu, pessoalmente, achava a ...

Carlos André Studart Pereira (Procurador Federal)

Prezado Murillo, Eu, pessoalmente, achava a unificação algo utópico. No entanto, hoje, com a conscientização (inclusive de Advogados da União e Procuradores da Fazenda Nacional) de que unidas (formal e materalmente)as carreiras terão maior facilidade para alcançar os seus pleitos, tal acontecimento passou a ser mais plausível. Deixemos, então, de preconceitos e vaidades, para, assim, viabilizar o nosso objetivo maior: VALORIZAÇÃO DA ADVOCACIA PÚBLICA, colocando-a no seu merecido lugar, já apontado pela própria Constituição da República. Isso dependo apenas de nós. Carlos André Studart Pereira Procurador Federal

O pleito dos advogados de empresas públicas ape...

DANILO LACERDA (Advogado Autárquico)

O pleito dos advogados de empresas públicas apesar de compreensível, pois traria uma melhor condição financeira aos seus integrantes, não é legítima e muitos menos legal. Não é legítima, pois a finalidade da unificação é uma melhor gestão dos recursos humanos e logísticos, caso estes profissionais viessem a integrar a AGU não poderiam atuar nas causas em defesa das pessoas jurídicas de direito público, posto que celetista não pode exercer atividade fim na administração pública, ou seja, não poderia haver um remanejamento ou mobilidade desse pessoal pelo chefe da procuradoria; e ainda, o governo não economizaria com os recursos físicos, pois não mantém estas procuradorias que são administradas com recursos das próprias empresas. Não é legal, pois como funcionários de pessoas jurídicas de direito privado, são regidos pela CLT, não sendo estatutários, e como já disse antes celetista não exerce atividade fim na administração pública, salvo quando ocupante de cargo de confiança. Já no caso dos procuradores do banco central é imperioso que os mesmo passem a integrar os quadros da AGU, inclusive em uma futura unificação, pois seria uma contradição em termos falar em unificação sem os mesmos estarem incluídos.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 06/11/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.