Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Venda de sentenças

Juíza Maria Cristina Barongeno é afastada pelo TRF-3

O Tribunal Regional Federal da 3ª Região (SP e MS) afastou a juíza Maria Cristina de Luca Barongeno de suas funções como titular da 23ª Vara Cível de São Paulo. Ela foi denunciada pelo Ministério Público Federal, ao lado de três membros do TRF-3, na Operação Têmis, que apura a venda de sentenças por juízes federais em São Paulo.

Segundo o blog do repórter Frederico Vasconcelos, é a segunda vez que a juíza é afastada. No dia 22 de setembro, a presidente do tribunal, Marli Ferreira, assinou o Ato 9.097, formalizando decisão do Órgão Especial em processo administrativo no qual foram apurados fatos ligados a decisões judiciais que supostamente favoreciam bingos.

No dia 8 de outubro, Marli assinou o ato 9118. Por esta decisão, ela foi afastada por causa de pedido de providências para apurar operações envolvendo os chamados "títulos podres", papéis emitidos pela União no início do século passado.

Esses títulos foram reconhecidos pela magistrada para sustar a cobrança de impostos devidos por empresas. Nos dois casos, o TRF-3 determinou que a juíza fique fora do cargo pelo prazo de 90 dias, prorrogável até o dobro, sem prejuízos dos seus vencimentos e suas vantagens.

No junho do ano passado, a Folha de S.Paulo informou que o MPF acusa a juíza Maria Cristina de ter avocado para si processo do frigorífico Friboi, do qual o seu pai, Joaquim Barongeno, é um dos advogados. Em 2002, a juíza concedeu liminar para a Friboi usar títulos emitidos em 1932 pela "Cie. Du Chemin de Fer Victoria a Minas", suspendendo a exigibilidade de tributos ou de contribuições previdenciárias da filial do frigorífico em Andradina (SP).

A liminar foi cassada em 2003 pela desembargadora Cecília Marcondes. Em dezembro de 2006, Maria Cristina deu sentença confirmando aquela liminar e determinou a atualização dos valores pela paridade franco-ouro. A jurisprudência do STJ determina que esses papéis não podem ser dados como garantia em execução fiscal.

Em outra operação, uma professora aposentada e uma comerciária, representadas pelo pai da juíza federal, cederam parte de apólices da dívida pública para empresas. Com esses títulos podres, as empresas conseguiram decisões de Maria Cristina para sustar a cobrança de impostos não pagos.

O MPF considerou inadequadas as decisões da juíza e afirmou que ela deveria ter-se declarado suspeita para julgar as ações da Friboi e da Gocil.

Juízes afastados

No dia 1º de outubro, o TRF afastou o juiz federal Djalma Gomes por causa das acusações na Operação Têmis. Ele ficará afastado por 90 dias, que podem ser prorrogados, sem prejuízo dos seus vencimentos. Os desembargadores Roberto Haddad, Alda Basto e Nery da Costa Júnior também foram denunciados pelo subprocurador-geral da República Francisco Dias Teixeira por formação de quadrilha, exploração de prestígio, tráfico de influência, prevaricação e corrupção.

Revista Consultor Jurídico, 24 de outubro de 2008, 14h49

Comentários de leitores

12 comentários

Juízes federais que decidem contrariamente aos ...

João Bosco Ferrara (Outros)

Juízes federais que decidem contrariamente aos interesses da fazenda pública são sumariamente afastados. Isso só comprova que a Justiça Federal tem de acabar. Constantemente os que defendem o calote estatal, a possibilidade de o Estado não honrar suas dívidas, costuma utilizar o sofisma do "rótulo odioso", como esse de tachar títulos da dívida pública como "títulos podres". Podres por quê? Porque foram emitidos há muito tempo e o governo atual não tem a menor intenção de honrá-los. Isso tem um nome: CALOTE! Não importa a longevidade do título. Ele deve ser pago. A não ser assim, quem vai querer comprar títulos de longo e longuíssimo prazo emitidos pelo governo, se depois de algumas décadas os governos sucessores os acusarem de títulos podres ou apócrifos só para não os resgatar? Se a dívida consubstanciada no título não foi atingida pela prescrição, como é o caso da maioria desses títulos chamados ilegitimamente de podres, o direito de crédito neles representado é plenamente exigível e compensável. Presto minha solidariedade aos juízes que tiveram a hombridade e a coragem de não se ajoelhar diante de argumentos mal-formados e exerceram a magistratura com independência e agora se vêem achincalhados com essa denúncia disparatada. Aliás, é impressionante como no Brasil as pessoas gostam de usar o rótulo odioso e pejorativo para infundir e difundir, por meio da mensagem subliminar que o rótulo odioso é portador, um preconceito e a ojeriza a respeito de algum assunto que lhes contraria os interesses. É assim também com as máquinas eletrônicas de diversão para adultos, criada pelos americanos, que as batizaram com o nome de “slot machines” (máquinas com fenda), e no Brasil receberam a alcunha de “caça-níqueis”. Uma coisa não tem a ver com a outra.

É... Do jeito que a coisa anda, se fecharem ...

Comentarista (Outros)

É... Do jeito que a coisa anda, se fecharem as portas do judiciário (a exemplo do que os asqueroros golpistas fizeram com o congresso nacional nos idos de 64, com o silêncio sepulcral do judiciário, que literalmente dormiu em "berço esplêndido" durante as duas décadas do regime criminoso) o povo aplaude...

É... Do jeito que a coisa anda, se fecharem ...

Comentarista (Outros)

É... Do jeito que a coisa anda, se fecharem as portas do judiciário (a exemplo do que os asqueroros golpistas fizeram nos idos de 64, com o silêncio sepulcral do judiciário, que literalmente dormiu em "berço esplêndido" durante as duas décadas do regime criminoso) o povo aplaude...

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 01/11/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.