Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Crime no ABC

Advogado quer que Nayara receba indenização de R$ 2 milhões

Contratado para defender a adolescente Nayara Silva, amiga da jovem assassinada Eloá Cristina Pimentel, o advogado Ângelo Carbone pretende processar o estado de São Paulo e pedir R$ 2 milhões de indenização para a família. Nayara foi ferida com um tiro no rosto no desfecho do seqüestro em Santo André (SP), na sexta-feira (17/10). A informação é do portal G1.

“Penso em R$ 2 milhões para cima. Os pais dela querem justiça”, afirmou Carbone na manhã desta quarta-feira (2/10). O advogado se baseou em, segundo ele, “falhas” que ocorreram durante o caso. “É um absurdo ela ter voltado (ao cativeiro). Uma loucura. Ela não tinha autorização dos pais. Quem fez isso vai ter de responder”, disse o advogado.

Carbone culpou a polícia por ter deixado que ela tomasse a atitude e acrescentou: “o Estado a colocou em uma situação em que quase morreu”.

Na ação, o advogado pedirá também que o governo arque com todas as despesas de tratamento psicológico e médico para Nayara. Segundo ele, a menina pode ter problemas na escola e no trabalho por causa do trauma sofrido.

O advogado afirmou que pretende levar a adolescente ainda na tarde desta quarta para depor. As declarações de Nayara são consideradas fundamentais no inquérito para que se saiba como foram os últimos momentos antes e depois da invasão do Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate), tropa de elite da PM.

O advogado, que assumiu o caso apenas na terça-feira (21/10), disse que o depoimento deve ser no fórum de Santo André, na presença de um promotor e do delegado. Uma psicóloga acompanhará tudo. “Não vai ter pressão. Ela não vai ficar seis horas sofrendo”, afirmou Carbone, que chamou Lindemberg Alves de “psicopata” e “assassino frio e calculista”.

Revista Consultor Jurídico, 22 de outubro de 2008, 13h00

Comentários de leitores

13 comentários

Na minha opinião o Advogado de Nayara está corr...

Edsom (Estudante de Direito)

Na minha opinião o Advogado de Nayara está correto em pedir indenização ao Estado. Realmente houve falhas por parte da polícia, que de forma alguma deve permitir que um refém volte ao local do cativeiro, o caso fica ainda mais complicado porque se trata de um menor. O Estado está sempre se omitindo e jogando a sua responsabilidade para os infratores, enquanto o Art. 144 C.F diz que "A segurança pública,dever do Estado..." A sociedade tem que sair do anonimato e se opor a omissão do Estado, vamos exigir nossos direitos! Art 1º C.F "Todo poder emana do povo..." Até quando viveremos como animais escondidos em "tocas" com medo dos predadores? Até quando veremos pais chorando a perda de seus filhos por conta do aumento progressivo da violencia?

Nayara deveria pedir indenização do pé-rapado L...

Nicoboco (Advogado Autônomo)

Nayara deveria pedir indenização do pé-rapado Lindenberg, e não querer se locupletar às custas do Estado. Ela resolveu adentrar novamente porque quis, esultice cuja culpa principal pode ser a ela mesma atribuída. Assumiu o risco e lá adentrou, ao invés de ter mantido contado apenas por telefone. É curioso como os "videntes do passado" e palpiteiros de plantão acham argumentos para colocar culpa na polícia. É fácil "prever o passado"!

.."afirmou Carbone, que chamou Lindemberg Alves...

futuka (Consultor)

.."afirmou Carbone, que chamou Lindemberg Alves de “psicopata” e “assassino frio e calculista”." ASSIM SENDO ELE DEVERIA ESTAR MAIS PREOCUPADO SE O "TAL" NÃO SAIRÁ DA CADEIA 'TÃO CEDO', NÃO É! ..afinal dizem ser ela a única testemunha de real importancia. Isso me fez recordar um pensamento: -'DIGA-ME COM QUEM ANDAS E TE DIREI QUEM ÉS..' O engraçado é que o "tal-perigoso-mortal" , já 'andava' em companhia 'delas' alguns anos de forma bem íntima! .. o que será que realmente aconteceu! Um dia quiçá saberemos ao certo.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 30/10/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.