Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Carteira de trabalho

OAB-SP decide na segunda se Pimentas Neves pode advogar

Por 

O Conselho Seccional da OAB de São Paulo se reúne na segunda-feira (13/10) para decidir se o jornalista Antonio Marcos Pimenta Neves tem direito ao registro de advogado. Ele se formou em Direito há 35 anos e só solicitou o registro depois que foi pronunciado por ter matado a também jornalista Sandra Gomide, sua ex-namorada. O crime aconteceu em agosto de 2000. Pimenta fez a solicitação à OAB-SP em 2002.

O pedido de registro era para ser decidido no dia 22 de setembro desse ano, mas o advogado do jornalista, José Alves de Britto Filho, pediu a retirada do processo da pauta. Ele explicou que, além de ter um compromisso no dia seguinte em Brasília — e que precisava se preparar para ele — “processualmente o ambiente na OAB-SP não estava propício”.

Na época em que Pimenta Neves se formou, não era obrigatório fazer o Exame de Ordem. Hoje, como o que está em discussão é a idoneidade moral de Pimenta Neves, a decisão cabe ao Conselho Seccional.

O jornalista foi condenado pelo crime de homicídio em maio de 2006. Inicialmente, a pena foi fixada em 19 anos e dois meses. O Tribunal de Justiça de São Paulo reduziu para 18 anos de prisão porque o réu confessou o crime e decretou a prisão de Pimenta Neves. Ele conseguiu um Habeas Corpus e aguarda o trânsito em julgado da sentença condenatória em liberdade. Em setembro, a 6ª Turma do Superior Tribunal de Justiça, ao analisar recurso contra a decisão que o condenou, decidiu que Pimenta deve cumprir pena de 15 anos de prisão.

Depois do assassinato de Sandra, Pimenta Neves foi à seccional paulista da Ordem dos Advogados do Brasil com um pedido de inscrição. Na época, a entidade examinou a questão e vários advogados se manifestaram contra a concessão do pedido, entre eles, o advogado Raul Haidar, que entendeu que Pimenta não tinha idoneidade moral. Mas não houve decisão.

A idoneidade moral é um dos requisitos para que um advogado se inscreva na Ordem. O profissional precisa fazer uma declaração de que não existe nada contra ele e que seu nome está limpo. A OAB entende a declaração como documento verdadeiro. Depois que o pedido já existe, qualquer pessoa da sociedade civil pode se opor ao pedido, alegando que a pessoa não tem idoneidade moral. No caso de Pimenta Neves, a primeira pessoa a se opor ao seu pedido foi o advogado Paulo Guilherme de Mendonça Lopes. Ele encaminhou à Ordem representação contra o pedido do jornalista.

Indenização

Nesse mês, Pimenta Neves foi condenado a pagar R$ 83 mil de indenização para o pai de Sandra Gomide e R$ 83 mil para a mãe pelo abalo moral causado. A decisão foi assinada pela juíza Mariella Ferraz de Arruda Nogueira, da 39ª Vara Cível de São Paulo. Além da indenização, a juíza manteve parte do bloqueio dos bens de Pimenta Neves como forma de “salvaguardar terceiros de boa-fé, evitando que adquiram bens que possam estar ou vir a estar comprometidos em demandas judiciais contra seus titulares”.

Na esfera cível, os pais de Sandra alegaram que ficaram doentes depois da morte da filha, tanto fisicamente quanto psicologicamente, tamanho o abalo moral sofrido. A defesa de Pimenta Neves argumentou que o jornalista também é vítima porque sofreu abalo psicológico e teve sua vida e imagem atacadas. E mais: que ele não teria de pagar indenização porque a dor não pode ser mensurada economicamente. Pimenta Neves ainda justificou que Sandra Gomide tinha atitudes não profissionais e que o pai da jornalista usou a imprensa para se vingar dele, o que se revelaria “inconsistente com a dor provocada por uma perda”.

A juíza não acolheu os argumentos. Ela considerou que Pimenta Neves confessou o crime e que houve sim atenuantes, mas, na esfera civil, “culpa levíssima é capaz de determinar a responsabilização”. A juíza afirmou que “doutrina e jurisprudência são unânimes quanto ao fato de que a morte de um filho gera presunção absoluta quanto à ocorrência do dano moral”.

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 8 de outubro de 2008, 18h39

Comentários de leitores

37 comentários

Gostei de você!Espero que a gente seja asmigos ...

Emanuella Castro (Bacharel)

Gostei de você!Espero que a gente seja asmigos virtuais. Você é muito educado. Obrigada! Durmir eu n durmo,mesmo. kkkkkkkkkkkkkkkkk... Um abraço!

Emanuella: Ok. Ok. Você venceu! Mas tam...

Raul Haidar (Advogado Autônomo)

Emanuella: Ok. Ok. Você venceu! Mas também é covardia! Em seus 2 últimos comentários os horários registrados são 03:53 e 03:45 !!! Nem o José Serra dorme tão pouco !!! Com 65 anos de idade, não consigo acompanhar tanta energia!!! rsrsrsrs... Mas se a OABSP julgar hoje o pedido do Pimenta Neves e se for favorável, vamos recorrer ! Tudo de bom prá você! Sucesso!

Caro Raul Haidar, ainda bem que estamos sendo h...

Emanuella Castro (Bacharel)

Caro Raul Haidar, ainda bem que estamos sendo honestos em colocar nome e sobrenome aqui. Mas apelidos também são bem vindos uma vez que nem todos querem ser identificados e não vejo problemas nisso, nem acho idiotas os apelidos, uma vez que o próprio site permite o uso. Em relação aos seus comentários... só lamento que há uma grande lacuna entre a liguagem escrita e a falada. O que é uma pena! Pois dar margem a várias conclusões que nem sempre são o que parecem. Mas comentários escritos servem para isso mesmo e não sou eu que vou dizer o contrário. Deixo o que de fato irá acontecer para quem de fato irá agir com justiça e ética: a OAB.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 16/10/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.