Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Eleições 2008

O partido da reeleição mostrou que é o mais forte nas capitais

O partido da reeleição mostrou toda sua força nas eleições municiapis de 2008. Todos os prefeitos que disputaram a reeleição ou venceram no primeiro turno, ou passaram para o segundo turno. Entre os 15 candidatos que já garantiram a eleição no primeiro turno, apenas Micarla de Souza, de Natal, não estava tentando a renovação do mandato. Outros sete prefeitos vão disputar o direito de continuar no cargo no segundo turno. E nas cinco capitais onde não há prefeito disputando o segundo turno é porque eles não se candidataram, caso de Belo Horizonte, Florianópolis, Recife, Rio de Janeiro e São Paulo.

Entre os partidos propriamente ditos, o PT venceu em maior número de capitais. O partido do presidente Luiz Inácio Lula da Silva elegeu seis prefeitos e colocou outros três candidatos para disputar o segundo turno. O PSDB, o mais frontal adversário dos petistas, elegeu apenas dois prefeitos e disputa mais dois postos no segundo turno. O PMDB é quem tem mais candidatos na corrida pelo segundo turno: depois de eleger um prefeito, terá seis candidatos concorrendo ao pleito do próximo dia 26.

Além do prestígio do PT, em grande parte transferido pelo presidente Lula, as eleições mostraram a força dos candidatos que disputam a reeleição. Dos 15 candidatos eleitos no primeiro turno, apenas um, Micarla de Souza, de Natal,já não está no cargo.

O DEM teve um resultado ambíguo: conquistou a vitória no colégio eleitoral mais cobiçado do país, a capital paulista, onde o prefeito Gilberto Kassab surpreendeu chegando em primeiro lugar para disputar o segundo turno com a ex-prefeita Marta Suplicy, do PT. Mas foi esta a única vitória dos democratas nas 26 capitais brasileiras.

O PT elegeu prefeitos em Fortaleza, Palmas, Recife, Rio Branco, Porto Velho, Vitória. O partido concorre ainda no segundo turno em São Paulo, Porto Alegre e Salvador. PSDB e PSB emplacaram dois candidatos. O PMDB, o PP e o PV elegeram apenas um.

Nos estados que terão segundo turno, o PMDB é a legenda que mais tem candidatos concorrendo. Tem candidatos em Belém, Belo Horizonte, Cuiabá, Florianópolis, Porto Alegre, Rio de Janeiro e Salvador. O PSB terá candidatos em Macapá, Manaus e Belo Horizonte. O PTB conseguiu levar dois candidatos para o segundo turno, enquanto DEM, PR, PP, PDT, PV e PCdoB continuam na disputa com um candidato cada. O candidato do PCdoB é o ex-juiz federal Flávio Dino, que disputa osegundo turno em São Luís com tucano João Castelo.

A apuração dos votos em São Paulo ficou paralisada durante mais de uma hora. Em entrevista coletiva, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministro Carlos Ayres Britto, explicou que como o número de boletins de apuração é muito grande e foram enviados numa velocidade acima da esperada foi necessário um “freio de arrumação”.

Segundo Ayres Britto, a eleição transcorreu sem nenhum incidente mais grave, sem nenhum fator de instabilidade institucional, de perturbação do processo eleitoral.

Confira o resultado das eleições nas capitais

Eleitos

Aracaju: Edvaldo Nogueira (PCdoB)

Boa Vista: Iradilson Sampaio (PSB)

Campo Grande: Nelsinho Trad (PMDB)

Curitiba: Beto Richa (PSDB)

Fortaleza: Luizianne Lins (PT)

Goiânia: Íris Rezende (PMDB)

João Pessoa: Ricardo Coutinho (PSB)

Maceió: Cícero Almeida (PP)

Natal: Micarla de Souza (PV)

Palmas: Raul Filho (PT)

Porto Velho: Roberto Sobrinho (PT)

Recife: João da Costa (PT)

Rio Branco: Raimundo Angelim (PT)

Terezina: Silvio Mendes (PSDB)

Vitória: João Coser (PT)


Segundo Turno

Belém: Duciomar Costa (PTB) 35% X José Priante (PMDB) 18%

Belo Horizonte: Márcio Lacerda (PSB) 43% X Leonardo Quintão (PMDB) 41%

Cuiabá: Wilson Santos (PSDB) 48% X Mauro Mendes (PR) 26%

Florianópolis: Dário (PMDB) 39% X Esperidião Amin (PP) 25%

Macapá: Camilo Capiberibe (PSB) 33% X Roberto Góes (PDT) 26%

Manaus: Amazonino Mendes (PTB) 46% X Serafim Corrêa (PSB) 23%

Porto Alegre: José Fogaça (PMDB) 43% X Maria do Rosário (PT) 22%

Rio de Janeiro: Eduardo Paes (PMDB) 31% X Fernando Gabeira (PV) 25%

Salvador: João Henrique (PMDB) 30% X Walter Pinheiro (PT) 30%

São Luís: João Castelo (PSDB) 43% X Flávio Dino (PCdoB) 34%

São Paulo: Gilberto Kassab (DEM) 33% X Marta Suplicy (PT) 32%


Revista Consultor Jurídico, 5 de outubro de 2008, 18h51

Comentários de leitores

4 comentários

Propaganda enganosa ! ! !

A.G. Moreira (Consultor)

Propaganda enganosa ! ! !

Em bom português então para quen ainda não en...

Richard Smith (Consultor)

Em bom português então para quen ainda não entendeu: somadas as populações dos estados aonde o PT ganhou, não se chega à METADE da população do estado de São Paulo, aonde a sua candidata, a desavergonhada e desqualificada levará um "nabo" proximamente. Uau! "Vitoriaça", não, PeTralhas, "jornalistas de serviço" e demais setores da imprensa ridiculamente pautada pelo PeTralhismo?!

Uns, PeTralhas e caloteiros, citam os "gigant...

Richard Smith (Consultor)

Uns, PeTralhas e caloteiros, citam os "gigantes" do "jornalismo de serviços", eu, por minha vez, ainda fico com o "tio" Reinaldo Azevedo - aliás 4º. lugar nas listas dos livros mais vendidos do Jornal do Brasil, Folha de S. Paulo e Estado de S. Paulo com o o seu brilhante "O País dos PeTralhas" - Ed. Record.: "A “FORMIDÁVEL” VITÓRIA DO PT... Nas capitais, o PT teve um desempenho formidável em, deixe-me ver: Porto Velho, Rio Branco, Palmas, Vitória, Fortaleza e Recife. Há pouco vi na TV um jornalista entusiasmado a dizer: “O PT sai na frente”... É mesmo? E ainda é bom notar: Luizianne venceu em Fortaleza, de novo, sem o apoio de Lula — o que já havia acontecido na primeira eleição. Exceção feita a Fortaleza (2,473 milhões) e Recife (1,550 milhão), as outras capitais têm, JUNTAS, uma população de 1,164 milhão de habitantes — pouco mais de UM DPECIMO da população de São Paulo. Em breve, saberemos o desempenho de cada partido no país como um todo. A tendência, é claro, é o PT crescer — como sempre acontece com os partidos que comandam o governo. Até ser substituído por outro, que também vai crescer. O que resta claro é que a força eleitoral de Lula, cantada em prosa em verso, capaz de varrer a oposição do mapa, vai dando ao PT, por enquanto, uma cara, assim, nortista-nordestina. O partido, sem dúvida, é bem mais forte em Rio Branco e Porto Velho do que em São Paulo ou Rio, não? Bem compatível com a legenda que transformou o Bolsa Família numa indústria". p.s. Haverá noite de autógrafos do autor amanhã (3ª.feira) às 19:00 hs. na Livraria Cultura do Conjunto Nacional, na Av. Paulista

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 13/10/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.