Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

À espera da sentença

Cunha Lima fica no cargo até decisão final da Justiça

Por  e 

O governador da Paraíba, Cássio Cunha Lima (PSDB), e seu vice, José Lacerda Neto, cassados na última quinta-feira (20/11) pelo Tribunal Superior Eleitoral, permanecerão no cargo até o julgamento de Embargos de Declaração ajuizados pelo PSDB no mesmo tribunal.

Por cinco votos a dois, os ministros decidiram conceder a liminar para suspender a decisão da casa que os cassou por abuso de poder econômico e político e por prática de conduta vedada à agente público. Entre outras acusações, o governador foi condenado por distribuir cheques de um programa social do governo à população durante o período eleitoral.

Os ministros entenderam que a aceitação do pedido feito em Medida Cautelar vai proteger o direito de Cunha Lima de permanecer no cargo enquanto recorre contra a cassação. O relator do processo, ministro Eros Grau, ficou vencido. Para ele, o cautelar era inviável porque o acórdão da decisão que confirmou a cassação sequer foi publicado. Explicou que não deveriam aceitar recurso contra decisão deles mesmos. “É um recurso inominável”, protestou.

Na fase preliminar, os sete ministros discutiram se conheciam ou não da cautelar. O ministro Ricardo Lewandowski abriu divergência, dizendo que deveriam conhecer e julgar o recurso, porque se não julgassem ninguém mais poderia julgar. Votaram com ele, os ministros Felix Fischer, Fernando Gonçalves, Marcelo Ribeiro e Arnaldo Versiani

“A cassação de um chefe do executivo, antes de se esgotar todos os recursos no TSE, representa um prejuízo e não parece razoável”, sustentou Lewandowski.

O ministro Versiani destacou que medida cautelar pode ser apresentada qualquer hora. Ou seja, não é preciso esperar a publicação do acórdão. Ele seguiu a maioria, mas ficou vencido parcialmente. Para o ministro, a liminar tinha de afastar a cassação até que fosse publicado o acórdão e só daí caberia recurso no Supremo Tribunal Federal.

Já Marcelo Ribeiro acrescentou que se Cunha Lima esperasse a publicação acórdão, ele não teria direito de recorrer, pois seria cassado imediatamente. Por conta da afirmativa, o ministro Eros Grau o alfinetou. Perguntou por que, na semana passada, ele votou pela cassação. “Confesso que não estava muito atento na ocasião, já que a jurisprudência não é neste sentido”, rebateu Marcelo Ribeiro.

Assim, ficaram vencidos o relator, ministro Eros Grau e o presidente do Tribunal, Carlos Ayres Britto. Joaquim Barbosa não participou do julgamento. Ele está de licença médica até o dia 8 de dezembro.

AC 3.100


 é repórter da revista Consultor Jurídico.

 é chefe de redação da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 27 de novembro de 2008, 21h29

Comentários de leitores

6 comentários

É o Poder Judiciário cuidando de se desmoraliza...

Fantasma (Outros)

É o Poder Judiciário cuidando de se desmoralizar. Como atribuir efeito suspensivo a uma decisão que não tem efeito suspensivo? Como aceitar a plausibilidade da alegação do Governador se o próprio tribunal entendeu diferente, cassando-o? Parecem desconhecer que além da urgência, a medida cautelar também deve ostentar alguma plausibilidade...

Caro Mauro, A João Pessoa q vc viu não tem nad...

Émerson Fernandes (Advogado Autônomo - Civil)

Caro Mauro, A João Pessoa q vc viu não tem nada a ver com Cássio, que é governador e não prefeito! A bem da verdade, o candidato do governador aprefeitura de João Pessoa teve pouco mais de 20% dos votos na última eleição... O atual prefeito de João Pessoa - que sucedeu o fiel aliado de Cássio, senador Cícero Lucena - e responsável pela melhoria dos serviços públicos é Ricardo Coutinho do PSB.

Estive em João Pessoa recentemente a trabalho, ...

Mauro Garcia (Advogado Autônomo)

Estive em João Pessoa recentemente a trabalho, um mês. Vi uma cidade organizadíssima, sem favelas, sem engarrafamentos, até pedintes se escasseavam nas ruas. O PMDB vai assumir agora. Esperem e verão que obra "maravilhosa". Deverão fazer o que fizeram aqui em Brasília. Criar dezenas de favelas com os tais programas de distribuição de lotes a quem prometer votar no governante bonzinho.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 05/12/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.