Consultor Jurídico

Notícias

Legítima defesa

Promotor Thales Schoedl é absolvido da acusação de homicídio

Comentários de leitores

319 comentários

Explicando "CARROÇAS VAZIAS": FALE, MAS FALE...

Mari (Outros)

Explicando "CARROÇAS VAZIAS": FALE, MAS FALE COM CONTEÚDO Esta história reflete o comportamento de muitas empresase pessoas que gostam de fazer muito barulho, mas que no fundo, no fundo nao demosntram ter muito conteúdo: Certa manhã, meu pai me convidou para dar um passeio no bosque. Eu aceitei com prazer. Depois de um tempo, paramos para descansar numa clareira. Após um breve silêncio, ele me perguntou: _ Além do cantar dos pássaros, você está ouvindo mais alguma coisa? Apurei os ouvidos por alguns segundos e respondi: _Estou ouvindo o barulho de uma carroça. _Isso mesmo- disse meu pai.- Uma carroça vazia... _Como pode saber que a carroça está vazia, se ainda nõa a vimos?- perguntei a ele. _Ora- respondeu meu pai- , é muito fácil saberque a carroça está vazia: quant mais vazia a carroça, mais barulho ela faz. (...) "O que podemos aprender com os gansos" (Alexandre Rangel)

Rá rá rá rá, curiosa essa página. Pergunto a vo...

Mari (Outros)

Rá rá rá rá, curiosa essa página. Pergunto a vocês (apesar de minha restrita particiapação), caros amigos, onde estão todos aqui? Diante dessa situação de recuo dos "digníssimos" seguidores do "Homem por um dia e 12 tiros em legítima defesa" (parece até nome de filme, né?!!) concluo: CARROÇAS VAZIAS TÊM UM PERÍODO DE VIDA CURTO!!!! Não poderíamos esperar menos, quem não tem argumentos que se cale!!!! "Cum nóis ninguém podóis!!!Viva, Viva, Viva!!!!"

Todos sabem que os publicistas do mundo inteiro...

rodolpho (Advogado Autônomo)

Todos sabem que os publicistas do mundo inteiro se repartem em dois grandes grupos: o grupo dos que afirmam que o Estado “é um mal necessário”, e o grupo dos que afirmam que o Estado “é um instrumento de civilização”. No Brasil, o Estado é uma grande e inquestionável DESGRAÇA. O atual Estado brasileiro foi desenhado pela Constituição de 1988, que já foi remendada tantas e tantas vezes, que já se pode jogá-la na privada e dar descarga. Não é a toa que a maioria dos publicistas brasileiros está clamando por uma nova Assembléia Constituinte. Só aqueles que não se dão ao trabalho de perscrutar, analisar e comparar as Constituições dos demais países é que não se dão conta da calamidade que é essa Constituição de 1988. Sem entrar em detalhes, basta mencionar a monstruosidade, o aborto, constituído pelo artigo 149, que arrombou a Constituição, inserindo no título da tributação, a para-fiscalidade, o que não é feito em país nenhum, em Constituição nenhuma do mundo. Mas aqui o que nos interessa nesse combate a essa pouca vergonha revoltante e abjeta, que foi a absolvição do assassino, promotor Thales Schoedl: aqui, o que nos interessa, é a tirania, a ditadura do Poder Judiciário e do Ministério Público, que foi criada pela Constituição de 1988. Uma tirania está implantada quando uma autoridade não responde pelos seus atos e pelos seus crimes, nem perante a sociedade, nem perante ninguém.

(Continuação 1) Na Constituição do Império, de...

rodolpho (Advogado Autônomo)

(Continuação 1) Na Constituição do Império, de 1824, o imperador podia matar, estuprar, roubar, praticar o crime que quisesse, pois a Constituição dizia que ele não respondia por nada perante ninguém, isto é, não podia ser processado, nem julgado, nem condenado, de maneira alguma. Isso estava disposto da maneira seguinte: ARTIGO 99 – “A pessoa do Imperador é inviolável, e sagrada: ele não está sujeito a responsabilidade alguma”. No presente caso, os 23 desembargadores do TJ Paulista teriam que ser expulsos da Magistratura e, cada um deles, pegar pena entre 10 a 20 anos de cadeia, por acobertarem o assassinato praticado por Thales Schoedl. Em nenhum país do mundo esses desembargadores teriam peito de fazer essa absolvição, pois, em todos os países do mundo, os juízes respondem criminalmente e civilmente pelas sentenças que prolatam. Basta examinar o Código Penal Argentino para ver que, qualquer juiz ou desembargador que prolatar uma sentença contrária à lei, pegará de 5 a 15 anos de cadeia, sem direito à aposentadoria e com expulsão da magistratura. Em todos os países realmente civilizados não existe esse criminoso “LIVRE CONVENCIMENTO DO JUIZ”. Só um povo enlouquecido é que pode dar aos juízes tão gigantesca e monstruosa soma de poderes. Por isso, só no Brasil isso acontece. Em qualquer país civilizado os juízes são obrigados a prestar contas dos erros que cometem. Aqui, no Brasil, se um médico erra numa cirurgia ou numa receita, ele responde criminalmente por isso, e é condenado a pagar pesadas indenizações.

(Continuação 2) O mesmo acontece com dentistas...

rodolpho (Advogado Autônomo)

(Continuação 2) O mesmo acontece com dentistas, engenheiros ou quaisquer outros profissionais. Os únicos que não respondem por nada, por nenhum de seus erros ou deslizes, são os juízes e os promotores, quando eles são os primeiros que têm que responder e irem para a cadeia, pois, nas mãos deles está o patrimônio, a liberdade e o destino das pessoas. A impunidade deles, juízes e promotores, está posta na Constituição com a palavra “INDEPENDÊNCIA”, que significa IMPUNIDADE. Nos Estados Unidos, qualquer promotor que denuncie uma pessoa sem provas sólidas perde o cargo, vai para a cadeia e paga indenizações gigantescas. O mesmo acontece nos países Europeus. Aqui no Brasil, os promotores denunciam a todos, a torto e a direito, sem prova alguma, e com escandalosa publicidade, sem nunca pagarem por isso, sem nunca irem para a cadeia. Tudo isso porque a Constituição de 1988 consagrou a impunidade absoluta de promotores e juízes. Se houvesse, pelo menos uma lei por abuso de autoridades, com ação privada e julgamento por júri, penalizando juízes e promotores com penas de 10 a 20 anos de cadeia, com expulsão dos cargos e sem direito à aposentadoria, então essa monstruosa e tirânica ditadura do Ministério Público e do Judiciário, iria para o ralo, seria extinta. Portanto, o órgão especial, os 23 desembargadores, escarraram na lei, no artigo 25 do Código Penal, e cuspiram na própria jurisprudência do Tribunal que, em todos os julgados afirmou: “Não existe legítima defesa se o acusado, armado, foi tomar satisfação com a vítima”.

(Continuação 3) Aqui, o acusado, o assassino c...

rodolpho (Advogado Autônomo)

(Continuação 3) Aqui, o acusado, o assassino covarde Thales Schoedl, embriagado, alcoolizado, foi tomar satisfação com os jovens Diego e Felipe, sobre a duvidosa alegação de que os mesmos teriam chamado a namorada dele de “gostosa”. Ressalte-se que o promotor tem poder e autoridade para dar voz de prisão em flagrante contra qualquer cidadão que, a critério dele, promotor, esteja cometendo uma contravenção ou um crime. Assim o assassino poderia acionar qualquer um dos patrulheiros da PM que estava no local, e dar voz de prisão para as vítimas, mas nunca, jamais, assassiná-las a tiros, como ele fez. E fez sabendo que elas estavam desarmadas! Pois, se elas estivessem armadas, elas teriam mostrado as armas no exato momento em que o Thales Shcoedl, o promotor assassino puxou a dele. Esse promotorzinho, completamente embriagado, alcoolizado, depois de uma noite de farra no luau, às quatro horas da madrugada, foi tomar satisfações com os jovens, e dirigiu um monte de desaforos, impropérios e insultos contra esses jovens. E, fazendo isso, prevalecendo-se e abusando covardemente de sua condição de “promotor público”, como os rapazes não se amedrontaram e nem se ajoelharam aos pés dele, ele fuzilou um deles, o Diego, e crivou de balas o outro, o Felipe. Mas foi um assassinato cuja pena deveria ser de 60 anos de cadeia, com a inaceitável agravante de ter sido praticada por um integrante do Ministério Público. A primeira sacanagem, a primeira sem-vergonhice, que prova a ditadura do Judiciário, foi que o Colégio de Procuradores afastou o Thales Schoedl do cargo, mas o Tribunal de Justiça, o sempre Tribunal de Justiça, anulou essa decisão e reconduziu o assassino ao cargo.

(Continuação 4) A desculpa esfarrapada do Trib...

rodolpho (Advogado Autônomo)

(Continuação 4) A desculpa esfarrapada do Tribunal baseou-se não no mérito, mas na formalidade, de que faltou quorum na votação que afastou o Schoedl do cargo, já que um dos procuradores que votaram pelo afastamento do Promotor assassino, era um suplente. Isso mostra que o Tribunal de Justiça dá gargalhadas diante da revolta ensurdecedora da opinião pública. Se fossem nos estados Unidos esses desembargadores iriam para a cadeia, mesmo porque lá eles não são nomeados, eles são eleitos. Se aqui os juízes fossem responsabilizados por suas decisões e sentenças, esses 23 desembargadores iriam para a cadeia, só pelo fato de terem reconduzido esse assassino ao cargo de promotor. Em todos os países do mundo o júri é sacramentado, mas no Brasil, o júri é desprezado, achincalhado, pelos tirânicos ditadores do Judiciário e do Ministério Público. A soberania do júri é cláusula pétrea na Constituição de 1988, artigo 5º, inciso XXXVIII, alínea c. Mas esse mesmo órgão especial do TJ Paulista, que agora está sendo alvo da revolta geral, do nojo, da repugnância, de toda a população brasileira, por ter absolvido esse monstro canalha, que é o promotorzinho Thales Schoedl, esse mesmo órgão especial cuspiu e escarrou em cima da Constituição Federal que garante a soberania dos veredictos do júri; do júri que declarou o Coronel Ubiratan, da Polícia Militar, culpado por crimes contra a humanidade, no caso do massacre do Carandiru, que ocasionou a morte de mais de trezentos detentos, inteiramente desarmados e indefesos.

(Continuação 5) O Coronel Ubiratan foi condena...

rodolpho (Advogado Autônomo)

(Continuação 5) O Coronel Ubiratan foi condenado a mais de 600 anos de prisão, mas esse órgão especial do TJ Paulista cuspiu na decisão do júri e absolveu o Coronel. A estupefação, a revolta e o nojo, contra esse órgão especial ocorreu, não apenas dentro do Brasil, mas no mundo inteiro, e a imprensa mundial publicou dias seguidos a notícia desse escândalo. Mas os desembargadores do órgão especial não estavam nem ai; davam gargalhadas, pois eles são intocáveis, são impunes, impunidade que não existe em país nenhum do mundo. Portanto, é de uma nova Constituição que nós precisamos, e lembrem-se, há dois modos de se fazer uma nova Constituição: uma Assembléia Constituinte ou um Poder Revolucionário. O Ministério Público e o Poder Judiciário deste país devem rezar para que a nova Constituição, que institua terríveis punições para crimes como esse que foi o acobertamento desse promotor, essa Constituição seja elaborada por uma Assembléia Constituinte, pois, se ela for feita e promulgada por um Poder Revolucionário, esses promotores, juízes e desembargadores, irão todos para um paredão de fuzilamento.

ATENÇÃO LEITORES E COMENTARISTAS DO CONJUR A...

PEREIRA (Advogado Autônomo - Civil)

ATENÇÃO LEITORES E COMENTARISTAS DO CONJUR A Previdência tem que ser mudada urgentemente, pois o país está falindo por causa dela. É preciso cortar aposentadorias e pensões indevidas e injustas, tais como, as das mulheres solteiras, maiores de 18 anos, que recebem a pensão de pais falecidos, funcionários públicos. Elas só perdem a pensão se se casarem e, essa barbaridade, estimula a “amigação”, que é condenada pela Igreja e pela Sociedade. É preciso acabar com isso. Completou 18 anos, perde a pensão. Da mesma maneira, todo o aposentado, funcionário público ou não, que tiver aposentadoria acima de 2 mil reais, deve perder a aposentadoria se vier a exercer qualquer atividade remunerável. Tal é o caso dos promotores e juízes aposentados, cujas aposentadorias, atualmente, estão acima de 20 mil reais, mas, 95% deles exercem a advocacia, depois de aposentados. Isso é uma pouca vergonha, uma safadeza, e deve ser proibido, urgentemente. E a lei deverá determinar que esses promotores e juízes só poderão exercer a advocacia se renunciarem à aposentadoria. Uma coisa ou outra. Mesmo porque as continuadas denúncias de tráfico de influências e descarada corrupção estão ai, à vista de todos, todos os dias. Aqui, no Conjur, há um enxame de promotores e juízes aposentados que se apresentam aqui como “advogados autônomos” ou quejandos, mas nunca como aposentados, e aqui, no presente caso, festejam a absolvição do repugnante promotor Thales Schoedl, atacam violentamente os comentaristas que se revoltam contra essa repulsiva e nojenta absolvição, e atacam a imprensa, que desnudou os crimes praticados por esse promotor Schoedl

(2) O último comentarista dessa corja de safad...

PEREIRA (Advogado Autônomo - Civil)

(2) O último comentarista dessa corja de safados, sem-vergonhas, que escondem que são promotores aposentados, é o tal de E-COELHO (Advogado Autônomo). É claro que ele é promotor aposentado, pois é notório e sabido que todos os advogados deste país, de norte a sul e de leste a oeste, têm ódio incontrolável contra todos os promotores. Isso ficou sobejamente estampado na recente e virulenta guerra por causa da “lista negra” com os nomes de promotores que desrespeitaram as prerrogativas de advogados. O Conjur publicou essa guerra e só não saiu porrada entre advogados e promotores porque ainda não foi inventada a porrada on-line. De modo que, se um advogado puxar o saco de um promotor pode ter certeza absoluta de que esse advogado é promotor ou é juiz aposentado. Ou, então, é descendente, ascendente, ou colateral, de promotor. O Thales Schoedl tem dois defensores: um deles é filho de um procurador do Ministério Público, e o outro é um juiz aposentado, que teria obrigação de renunciar à aposentadoria para poder advogar. Mas é claro que ele não vai fazer isso, a não ser que seja obrigado por lei. É uma escancarada demonstração de imoralidade, de ganância, um juiz aposentado saborear as delícias de todos os privilégios que mantém, mesmo sendo aposentado; deglutir uma imensa aposentadoria (mais de 20 mil reais); e ainda por cima invadir o mercado de trabalho do advogado. É essa a defesa do Schoedl: o filho de um procurador do Ministério Público e um juiz aposentado. Não é preciso dizer mais nada!

(3) Portanto, é absolutamente certo que o tal ...

PEREIRA (Advogado Autônomo - Civil)

(3) Portanto, é absolutamente certo que o tal do E-COELHO não é advogado. O que ele é, isto sim, é promotor aposentado, que exerce advocacia, sem ter para isso a mínima capacidade. As provas de que não tem capacidade alguma estão nas seguintes asneiras por ele postas neste Conjur: o E-COELHO disse que os advogados que defenderam o repugnante Thales Schoedl fizeram uma defesa brilhante; o E-COELHO atacou a imprensa e os jornalistas injuriando os mesmos e dizendo que eles são maliciosos, desonestos e arrogantes, pelo que pode ser processado por todos os jornalistas deste país, por injúria e calúnia, e, no cível, por danos morais. O E-COELHO, além de atacar a imprensa e os jornalistas, atacou a honra do morto, do falecido Diego Modanez, assassinado por esse covarde, esse verme, Thales Schoedl. O E-COELHO não foi testemunha presencial dos fatos. Ele diz que tem certeza da inocência do canalha, sem-vergonha Thales Schoedl porque ele disse que leu UMA PARTE, vejam bem, UMA PARTE, dos autos. Portanto, ele confessa que está sendo parcial, porque se só leu uma parte. O filósofo Hegel já disse: “a verdade é o todo e não uma parte”, viu, E-COELHO, seu monte de bosta, ignorante. Vá ler e se alfabetizar, seu merda. O E-COELHO disse que leu uma parte dos autos, mas que “a maioria da população não leu” (palavras dele), e “acreditou na notícia da famigerada rede”. Ele está se referindo à rede Globo. Como é que o E-COELHO sabe que a “maioria” da população nem leu e nem acompanhou o processo? Aqui é o Conjur, como é que ele sabe que a “maioria” aqui não leu e nem acompanhou o processo?

(4) Isso prova que ele é um retardado mental e...

PEREIRA (Advogado Autônomo - Civil)

(4) Isso prova que ele é um retardado mental e um analfabeto. Mas, esse merda desse E-COELHO ganhou o campeonato mundial da bundalhice, da merdice, daqueles que cagam pela boca, pois ele teve o descaramento de ameaçar os comentaristas daqui e de ameaçar a imprensa e os jornalistas, instigando o monte de bosta fedorenta, a bactéria doentia que é o Thales Schoedl, a processar todo mundo. Esse vagabundo desse promotor efeminado assassinou covardemente um jovem de 20 anos, desarmado, de reputação ilibada, assassinou esse jovem e não quer que ninguém abra o bico? Ninguém pode sequer se lamentar da morte? Esse bosta desse promotor deveria ser condenado à pena de morte! É inacreditável que surja neste espaço vermes, como esse E-COELHO, vermes imundos, que só podem ter nascido em uma zona, e nem sabem quem é o pai, para tripudiar, pisotear, covardemente, sobre a dor inconsolável, irremediável, da mãe e do pai do Diego Modanez, vítimas desse Estado odioso, em que os promotores se transformaram em Condes, Marqueses, nobrezas de sangue azul, que podem matar quem eles quiserem, como eles quiserem, onde eles quiserem, quando eles quiserem. Pois, segundo esse filho de uma meretriz de zona barata, segundo esse tal de E-COELHO, o verme canalha, imundo, pederasta, que é o promotorzinho de merda Thales Schoedl, teve sim o direito de matar o Diego, e inutilizar o Felipe, que está com uma bala alojada no fígado até hoje. Não houve defesa brilhante coisa alguma, houve maracutaia, pois o promotor de acusação não fez acusação nenhuma, e até mesmo desclassificou o crime, que era de homicídio qualificado, por ter sido praticado por motivo vil, e por não ter sido dada chance alguma de defesa à vítima assassinada.

(5) Essa acusação de mentira não acusou coisa ...

PEREIRA (Advogado Autônomo - Civil)

(5) Essa acusação de mentira não acusou coisa alguma, o que ela fez foi defender o acusado na audiência, perante os 23 desembargadores do órgão especial. A “defesa” transformou a vítima, Felipe, em bandido, perguntando, inclusive, se o Felipe, lá na festa, lá no luau, tinha consumido alguma bebida alcoólica. Porém, e ai está a sacanagem, a sem-vergonhice, a maracutaia, que prova a farsa e o teatro da pretensa e fingida “acusação”, essa acusação “não perguntou ao assassino canalha, Thales Schoedl, se ele tinha bebido lá na festa”. Aliás, não perguntou nada. Esse bosta desse E-COELHO, que faz troca-troca com o assassino canalha, que é o Schoedl, não respondeu jamais o argumento incontestável, a saber, de que, se os rapazes, as vítimas, tivessem abordado esse promotorzinho de merda, mas essas vítimas estivessem armadas com pistolas semi-automáticas, esse excremento desse promotor jamais teria puxado a arma dele, pois seria fulminado com no mínimo 20 tiros. Não houve legítima defesa coisa alguma. O promotorzinho arrogante, metido a besta, o Thales Schoedl estava com a cara cheia de bebidas alcoólicas, estava garantido pelo cargo de promotor, pois, se ele der voz de prisão a quem quer que seja, na rua, a polícia militar ou civil é obrigada a obedecer à ordem dele, a algemar os indivíduos e a levá-los para a cadeia. Ele não precisava atirar, jamais, pois tem essa autoridade. Portanto, não houve legítima defesa.

(6) Além disso, foi ele quem foi tomar satisfa...

PEREIRA (Advogado Autônomo - Civil)

(6) Além disso, foi ele quem foi tomar satisfações com os rapazes, quase adolescentes, jovens de reputação ilibada, reputação inatacável. Foi ele quem foi agredir verbalmente os rapazes, embora a namorada dele o agarrasse pelo braço para impedir que ele fizesse isso. Ele sabia perfeitamente que os rapazes não estavam armados e se aproveitou disso, pois bastaria que um, apenas um, dos rapazes puxasse uma arma e ele se cagaria de medo e não teria coragem de atirar. Imaginem, então, se diversos rapazes tivessem puxado armas-semi-automáticas! Esse verme desse E-COELHO, que não sabe quem é o pai dele, pois nasceu numa zona e é filho de uma prostituta, esse verme está convidado a comparecer pessoalmente perante os familiares, o pai e a mãe, do falecido Diego Modanez e, pessoalmente, perante eles, pronunciar as criminosas palavras que pronunciou aqui, e atacar a honra do jovem, covardemente assassinado pelo canalha, covarde, pederasta, Thales Schoedl. Vamos ver se você tem peito para isso, E-COELHO, seu bosta, nojento e analfabeto.

Em primeiro lugar, aqui neste site, no Conjur, ...

DANIELE (Outros)

Em primeiro lugar, aqui neste site, no Conjur, desde as 17h18min do dia 26 de novembro de 2008, até hoje - 06 de dezembro de 2008, às 07h36min - verifica-se a presença de 296 comentários (fora os meus de agora). Foram 126 votos a favor do inditoso argumento denominado “Legítimo Defesa”, utilizado pelo assassino Thales Ferri Schoedl; e foram 172 comentários a favor da ausência de culpa e passibilidade comportamental de Diego Mendes Modanez. Alguns dos argumentos aparentaram imparcialidade, mas na verdade todos sempre tenderam a um dos lados, nunca, nunca na perfeita neutralidade. Alguns deles, com ironia, satirizaram os veículos de informação em massa e, alguns outros, utilizando de argumentos sobre a anatomia de Diego, tripudiaram sobre sua pessoa, desvalorizando-a, chacoteando-a e trazendo à tona a absoluta certeza de que esses comentaristas são meros advogados com diplomas, por baixo preço, comprados. Pessoas cujas não são ninguém, e por isso se sujeitam à auto-titulações, como por exemplo: TJSP, Magistrado, Promotor de 1ª Estância, etc, etc, etc. Justamente por não terem conseguido alcançar nada que almejaram durante a vida, ficam lambendo o rabo desse assassino, pelo único desejo de uma promoçãozinha, pois assim poderiam ficar mamando nas tetas do governo e recebendo salário, às custas, repito, do meu bolso e do bolso dos pais do assassinado Diego.

Todavia, quero destacar um tipo de comentário a...

DANIELE (Outros)

Todavia, quero destacar um tipo de comentário aqui exposto várias vezes e, por quase todas as vezes, ignorado. O que algumas pessoas disseram (leia-se para “algumas pessoas”: integrantes da quadrilha de bajuladores do criminoso Thales Ferri Schoedl) foi algo do tipo (para o entendimento, excluam os erros gramaticais): (1) “A pessoas que condenam o Thales têm como argumento único, frágil e desprezível, o fato de que ele é promotor. Só isto.”, (2) “PELO SIMPLES FATO DE SER UM PROMOTOR”, (3) “tentem ler a Bíblia e lembrar as lições de Cristo. Acho que vocês as esqueceram.”, (4) “exercitou legítima defesa própria e de sua namorada, que poderia ter sido vítima de brutal assassinado e abuso sexual”, (5) “Se dois rapazes tentam agredir um outro, e, mesmo após os tiros para o alto e para o chão eles persistem no ataque, o resultado só podia ser este - seleção natural.” (...) Cinco raciocínios, os quais apresentam discrepâncias. Um a um, passo a explicar.

(1)e (2) - juntos, pois são similares - a funçã...

DANIELE (Outros)

(1)e (2) - juntos, pois são similares - a função do Promotor de Justiça, em síntese, é defender a sociedade e os interesses que lhe dizem respeito (meio ambiente, patrimônio público, ordem pública, segurança, etc), bem como os interesses das pessoas incapazes (crianças, adolescentes e adultos portadores de capacidade física/mental). Nos limites constitucionais, basicamente, a função dos promotores é defender a sociedade e fiscalizar a lei. Sabe-se, através dos autos, que todos os envolvidos no caso do dia 30 de dezembro de 2004. Todos, sem exceção, estavam alcoolizados. Se muito ou pouco, estavam. Primeiro motivo para o errôneo uso da arma no local, naquela data. Primeiro porque o álcool afeta a química no cérebro, alterando, por sua vez, os níveis dos neurotransmissores: “Neurotransmissores são mensageiros químicos que transmitem os sinais através do corpo, controlando os processos de pensamento, comportamento e emoções. Eles são excitatórios, o que significa que estimulam a atividade elétrica do cérebro, ou inibitórios, quando a reduzem.”

O álcool, no córtex cerebral – onde se dá o pro...

DANIELE (Outros)

O álcool, no córtex cerebral – onde se dá o processamento de pensamento e consciência – desinibe a pessoa, atrasa os processos de informações faciais, cognitivos e, principalmente, dificulta o ato da pessoa pensar claramente. As pessoas quando bebem têm problemas com o equilíbrio, coordenação e juízo. Primordial motivo por ele, Thales, não poder estar armado num local como aquele, numa data como aquela. Independentemente do porte legal, ele saiu sim para beber, com uma arma na cintura do bermudão, e como o previamente planejado, ingeriu álcool. Enquanto que os outros também tinham a presença de álcool no sangue, mas nada tinham de letal. A única coisa letal que, NA VISÃO “THALESNISTA”, poderia ter amedrontado o promotorzinho e o feito disparar 14 tiros da semi-automática, foi a aparência robusta dos jovens em questão. Lembrando que, neste caso, o físico robusto e de grande porte nada tinha a ver com “anabolizantes”, nem mesmo com o basquete (esporte o qual praticavam), mas por única e exclusivamente culpa da genética. Além do mais, para responder o 2º comentário sugerido, não estamos a questionar um bandidinho qualquer, mas um promotor público. Este cara não presta para o serviço que faz, não merece estar na posição em que está. Ele tem de ser preso.

(3)Sobre esse tipo de comentário, não são neces...

DANIELE (Outros)

(3)Sobre esse tipo de comentário, não são necessárias muitas prolongações. Basta, para a quadrilha de bajuladores, relembrarmos o 6º mandamento da Igreja Católica Apostólica Romana. (4)Veja bem, é impossível Legítima defesa não ser própria. Além de que, o verbo poder, conjugado no pretérito imperfeito do indicativo (“poderia”), só trouxe infelicidades para o comentário. Deixou-o vago, inútil, além de troncho. Pois expressa uma hipótese de algo que poderia ter ocorrido. Assim como o assassino Thales Schoedl poderia não ter saído com a arma de fogo. Não obstante, o que houve com Diego Mendes Modanez foi, indiscutivelmente, um BRUTAL ASSASSINATO. As pessoas aqui chegaram a comparar Diego e seus amigos com animais, disseram que o direito de um acaba quando começa o de outrem, citaram até comportamento da fauna. Que absurdo. Diego e seus amigos eram atletas e, para informar ao grupo que os calunia, no esporte têm-se sim regras de, mais que de convivência, de controle pessoal (acima citei o álcool como fator agravante, tenho consciência disso, e disse também que todos estavam alcoolizados, todavia, concluo com: os atletas não estavam armados numa noite de réveillon, ao contrário do promotorzinho assassino Thales Schoedl).

(5)O que a Teoria da Evolução propõe é a seleçã...

DANIELE (Outros)

(5)O que a Teoria da Evolução propõe é a seleção do indivíduo mais forte, correto. Porém, tal conceito não se encaixa no assunto presente. A Seleção Natural diz que o ambiente é quem seleciona as características que promovem a adaptação de determinada espécie no meio ambiente. O que as pessoas fazem hoje com a Teoria é banalizá-la e vulgarizá-la para explicar os delitos cometidos pelo ser humano. Explico. Na teoria da Teoria da Evolução, há a presença do sistema de Especiação, ou seja, há inicialmente uma população A. Dentro desta população A ocorre uma divisão, fazendo com que apareçam duas populações A. Em seguida, ocorre uma migração dessas duas populações A para locais de pressões ambientais diferentes: o chamado Isolamento Geográfico, o qual sofrerá a Alteração da Freqüência de Genes, ou seja, os genes que vão ser selecionados em um local serão diferentes dos genes selecionados na outra localidade. Porém, ambas ainda são da mesma espécie. Posteriormente as novas duas populações “A” sofrerão o chamado Isolamento Reprodutivo, o qual selecionará outros genes, proporcionando duas novas raças e, por conseguinte, duas novas espécies. Veja bem, Charles Darwin em A Origem das Espécies cita isso tudo e mais. A pessoa que fez tal comentário baseou-se apenas no “quem sobrevive é o mais forte”. Se você é capaz de encaixar isso no comportamento do criminoso Thales, aliás, generalizando, se você é capaz de dizer que quem está com uma arma na mão é o mais forte, então você é um nazista frustrado, um totalitarista furado, além de um analfabeto que não consegue interpretar e conhecimento científico e fica desfilando com esse discurso pronto de que quem sobrevive é o mais forte.

Comentar

Comentários encerrados em 4/12/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.