Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Acesso restrito

Inviolabilidade de escritórios de advocacia é proteção a clientes

Por 

A Lei 11.767/08, há pouco sancionada, não transformou o local de trabalho dos advogados em esconderijos onde produtos de crimes ou mesmo a prática de ilícitos tenham asilo inviolável. O asilo inviolável, a bem da verdade, traduz-se na integridade e privacidade da honra, da imagem e da residência dos cidadãos brasileiros, conforme ínsito nos incisos X e XI do artigo 5° da “Constituição Cidadã”, e que arredou da vida brasileira o medo de invasões na calada da noite, prática comum antes de o país atingir — finalmente — o Estado Democrático de Direito.

Parte da imprensa noticiou a sanção da mencionada lei como uma salvaguarda, um salvo-conduto para operadores do Direito, inscritos na OAB, se tornarem imunes à legislação pátria. Tal interpretação carece de fundamentação fática e, acima de tudo, jurídica.

A idéia disseminada pela imprensa é a de que os advogados, que possuem sua função social insculpida no artigo 133 da Lei Maior, tornar-se-ão inatingíveis, inalcançáveis em face de sua profissão, a exemplo do foro privilegiado de políticos.

Frise-se que existem profissões que se utilizam do chamado “sigilo profissional”, aí incluídos os médicos, dentistas, psicólogos etc. Sigilo também estendido aos profissionais do Direito inscritos na OAB e que possuem prerrogativas, direitos e deveres claros, elencados na Lei 8.906/94 (Estatuto da OAB). Lei que, além de outras disposições, prevê, no inciso II do artigo 7°, que são direitos do advogado “ter respeitado, em nome da liberdade de defesa e do sigilo profissional, a inviolabilidade de seu escritório...”.

Neste norte, tem-se que a lei sancionada não trouxe novidade, apenas transformou em “crime” a violação a escritórios de advocacia, e isso em benefício — saliente-se — dos clientes.

Portanto, conclui-se que o advogado que detenha produtos originários de condutas ilícitas, ou que tenha sido pego em flagrante de delito, será igualmente enquadrado no Código Penal, através de mandados de busca e apreensão em seu escritório e penalização por seus crimes.

 é advogado trabalhista e sócio do escritório Capella - Kincezski Advocacia e Consultoria Jurídica; presidente da Comissão de Moralidade Pública da OAB-SC; assessor jurídico da Secretaria Municipal de Saúde de Florianópolis.

Revista Consultor Jurídico, 25 de novembro de 2008, 0h00

Comentários de leitores

2 comentários

Muita conversa 'prá boi dormir', viu! O escrit...

futuka (Consultor)

Muita conversa 'prá boi dormir', viu! O escritório do profissional na advocacia deve ser inviolável sempre, senão estaremos buscando uma outra fórmula para a democracia, não obstante existirem alguns profisionais sem competência, não devemos nunca confundir a sociedade com o que devemos realmente defender, 'DIREITOS'!

Não o escritorio a proteção do cliente mais o A...

jose brasileiro (Outros)

Não o escritorio a proteção do cliente mais o ADVOGADO, entretanto a partir do momento que deixa de ser advogado, passa a ser socio do criminoso. A democracia vai para o saco.

Comentários encerrados em 03/12/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.