Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Portas fechadas

STF faz sessão secreta para julgar inquérito contra Medina

O Plenário do Supremo Tribunal Federal julga nesta quarta-feira (19/11), em sessão secreta, se recebe denúncia contra o ministro afastado do Superior Tribunal de Justiça Paulo Medina e mais quatro investigados por crimes contra a administração pública. O ministro é suspeito de ter participado de um esquema de venda de decisões judiciais.

Os autos chegaram ao STF em agosto de 2006 e, desde então, tramitam em segredo de Justiça. Em abril de 2007, o ministro Cezar Peluso deferiu pedido do procurador-geral da República e desmembrou o inquérito. Os acusados que não têm foro no STF tiveram o processo remetido para a 6ª Vara Federal do Rio de Janeiro, de onde se originaram as investigações.

No Supremo, permaneceram sob investigação, além do ministro do STJ, os desembargadores do Tribunal Regional Federal da 2ª Região José Eduardo Carreira Alvim e José Ricardo de Siqueira Regueira; o juiz federal do Tribunal Regional do Trabalho de Campinas (SP) Ernesto da Luz Pinto Dória e o procurador-regional da República João Sérgio Leal Pereira.

Em setembro deste ano, quando apresentou o processo para julgamento, o relator decretou a extinção da punibilidade com relação a José Ricardo de Siqueira Regueira, porque o desembargador morreu em julho, em conseqüência de uma infecção generalizada.

Ainda em abril do ano passado, a pedido do procurador-geral da República, Antônio Fernando de Souza, o ministro incluiu como investigado no processo o advogado Virgílio Medina, irmão do ministro Paulo Medina.

O ministro Paulo Medina foi acusado de negociar, por intermédio de seu irmão Virgílio, uma liminar para liberar 900 máquinas de caça-níqueis aprendidas em Niterói, no Rio de Janeiro, em troca de propina de R$ 1 milhão — como em todos os casos semelhantes, o processo baseia-se em interceptações telefônicas.

A Polícia Federal batizou a ação como Operação Hurricane e a deflagrou no primeiro semestre do ano passado. Foram presas 25 pessoas nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Bahia e no Distrito Federal. Entre os presos estavam juízes, bicheiros, policiais, empresários e organizadores do Carnaval do Rio.

INQ 2.424

Revista Consultor Jurídico, 18 de novembro de 2008, 11h54

Comentários de leitores

1 comentário

Xiiiii! Será? E quando é que esse "segredo...

Ticão - Operador dos Fatos ()

Xiiiii! Será? E quando é que esse "segredo" vai cair? Algum dia poderemos ter o prazer de ler o voto de cada um dos ministros? Quem sabe eles mandem gravar em vídeo e depois ponham no ar pela tv justiça. As razões para esse segredo devem ser as mais... Deixa prá lá.

Comentários encerrados em 26/11/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.