Consultor Jurídico

Comentários de leitores

5 comentários

Alto lá, colega! Vamos moderar a discussão. ...

Barchilón, R H (Advogado Autônomo - Civil)

Alto lá, colega! Vamos moderar a discussão. Como advogado de contencioso, que vive exclusivamente do trabalho no foro, posso dizer que o sacrifício não é pouco. Nesses 60 dias, mandado de pagamento só saiu porque a cliente foi lá, pessoamente, reclamar com os grevistas. Sou refém também em outros processos cujo andamento regular já teria liberado valores depositados. Sou eu quem liga pro Presidente da OAB para reclamar. Acho ótimo que tenha batido à porta do CNJ, porque está lá aberta pra isso e, quando não é o caso, o diz, como fez. Que bata em outra porta e tantas quantas forem necessárias para denunciar e pedir providências contra a paralisação de serviço público essencial e a leniência das autoridades responsáveis em tratar do problema; aliás, um megaproblema. Se fossem garis, já tinham resolvido.

O triste fim de um megalomaníaco. O quê a NOVA ...

Ricardo (Bacharel)

O triste fim de um megalomaníaco. O quê a NOVA OAB fez pela sociedade? Não bastasse o BBB, temos agora a NOVA OA BBB, um ROBERT querendo posar de bom moço, já tendo criticado a política de segurança do atual governador afirmando inclusive, que a classe policial usa de truculência; apoiou a passeata da maconha; chamou militares de torturadores e bacharéis de ignorantes. Só não justificou a utilização da verba do sindicato dos advogados. Presidente de seccional da OAB apresenta atestado de sanidade na posse? Será que ele vai sair da NOVA OAB em camisa-de-força? Acesse o link http://mnbd-rj.blogspot.com/ para ver o blog dos bacharéis.

Sim, há uma forma. Basta que os governantes do ...

Alzimar (Serventuário)

Sim, há uma forma. Basta que os governantes do nosso Estado cumpram as leis. Temos um Governador que passou parte do ano viajando e a outra parte preocupado em eleger o candidato a prefeito do RJ. Temos uma Assembléia Legislativa que só vota o que o Governador manda. Temos serventuários que possuem uma lei dizendo que a data-base é maio, mas ninguém cumpre esta lei. Tentamos negociar por mais de 4 meses, mas sequer éramos recebidos. Quatro meses. A greve não foi um ato de intransigência. Após 4 meses, o que deveríamos ter feito? Agradecer a falta de atenção e deixar pra lá? Ninguém gosta de greve, senhores. A greve é o último insturmento que temos para brigar por nossos direitos. Se no ano que vem, Lula disser à população que não haverá qualquer reajuste no salário mínimo, o que os senhores, advogados, farão? Ficarão ao lado do governante ou ao lado da população? Qual o papel da OAB? Lutar para que se cumpram as leis ou lutar para impedir um direito constitucional? Não precisaria de greve, se o Governador e a Assembléia Legislativa simplesmente cumprissem o seu papel. Será que é pedir muito? Quanto aos prejuízos à população, podem ter a certeza de que estamos fazendo de tudo para minimizar este efeito, fazendo todas as medidas urgentes, o que inclui as ações que envolvam vida, saúde e segurança (Alimentos, mandados de soltura e prisão, autorizações de sepultamento, ações envolvendo remédio e internação, religações de água e luz, etc.). Quem, então, está sendo intransigente? Não contávamos com o apoio da OAB, porque sabíamos, desde o começo, que, pelo perfil de seus dirigentes, este apoio não viria. Mas podiam pelo menos não atrapalhar. Ou se, querem participar, que o façam do lado certo e não a favor de quem descumpre a lei!

Com todo respeito as classes envolvidas, Não s...

Antonio Barça (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Com todo respeito as classes envolvidas, Não seria possível uma forma de conquistar seus direitos sem prejudicar tanto o jurisdicionado?

Para esse senhor, tudo e todos que não o agrada...

Alzimar (Serventuário)

Para esse senhor, tudo e todos que não o agradam não prestam. Primeiro, pagou matérias nos jornais do RJ, induzindo a população com mentiras, dizendo que os serventuários não estavam fazendo as medidas urgentes. Agora, só porque o CNJ deu uma reposta que não lhe agradou, sai berrando que o CNJ não presta e que era melhor não ter sido criado. E se a decisão lhe fosse favorável? Teceria loas ao CNJ? A sua visão depende de seus interesses? É lamentável que alguém com um discurso tão volúvel e interesseiro seja representante de uma categoria do porte da OAB. O que ele não diz é que os serventuários estão sim, e semnpre estiveram, fazendo as medidas urgentes, para não prejudicar a população com a qual ele finge se preocupar. O que ele não diz é que temos uma Lei aqui no RJ (Lei 4620/05), que diz, em seu artigo 16, que maio é o mês de reajuste dos serventuários e que, mesmo estando em novembro, até agora o Governador não deixou a Alerj votar o nosso reajuste, de míseros 7,3%, que sequer repõem a inflação do último ano, quanto mais as nossas perdas, acumuladas em mais de 35%. O que ele não diz é que a OAB, cujo estatuto diz, em seu art. 1°, que tem como objetivo defender o cumprimento das leis, preferiu se acovardar diante do Governador que descumpre as leis e atacar os serventuários, tentando inviabilizar o direito constitucional da greve. Greve que é legal e justa. É lamentável. A ação contra os serventuários já havia mostrado a verdadeira face desta liderança da OAB. A sua reação à decisão do CNJ não surpreende nem um pouco. Apenas confirma os resquícios de um tempo não muito distante, em que a democracia era sobrepujada pela arrogância de uma parcela que se achava dona da verdade. Lamentável. Triste. Deprimente. Muito deprimente!

Comentar

Comentários encerrados em 26/11/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.