Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Perdão para todos

Leia parecer da OAB de 1979 a favor da anistia ampla

Por 

No dia 24 de julho de 1979, o Conselho Federal da OAB se reuniu para votar parecer do então advogado Sepúlveda Pertence sobre a proposta do governo João Figueiredo para a Lei da Anistia. Os conselheiros votaram a favor do parecer que considerou a proposta fraca. Para os advogados, a anistia deveria ser mais ampla. Hoje, a OAB defende justamente o contrário: anistia restrita e a punição dos torturadores.

Em seu parecer em 1979, Sepúlveda Pertence, então futuro ministro do Supremo Tribunal Federal, criticou três pontos. Para ele, o parágrafo 2º do artigo 1º era uma “odiosa e arbitrária discriminação” ao excluir da anistia aqueles que já tinham sido condenados pelos crimes de terrorismo, assalto, seqüestro e atentado pessoal.

O artigo 3º também mereceu critica por condicionar o retorno de servidores públicos à existência de vaga e ao interesse da administração pública. O terceiro problema, segundo Pertence, era excluir da volta ao trabalho aqueles que foram afastados por improbidade (parágrafo 4º do artigo 3º).

Segundo Pertence, o projeto tinha um pecado mortal: “É a sua frontal incompatibilidade com um dado elementar do próprio conceito de anistia, ou seja, o seu caráter objetivo. Em outras palavras, o que o governo está propondo, com o nome de anistia, tem antes o espírito de um indulto coletivo do que uma verdadeira anistia”.

Pertence dizia que o governo queria apenas excluir da anistia os membros da oposição. “A grande maioria dos condenados pelas ações políticas armadas ocorridas há cerca de uma década foi recrutada nos estratos mais jovens do movimento estudantil e levada à prática de tais fatos sobre o clima de terror repressivo do Ato Institucional 5, da empolgação ostensiva do poder pela Junta Militar e de tantos outros episódios de arbítrio e de violência estatal”, afirmou na época.

Para Pertence, a exclusão desses condenados não tinha nada a ver com a apelação universal contra o terrorismo. Ele questionou se essa exclusão dos condenados era uma preocupação de não se ter a anistia das violências do regime militar. “Não há duvida, como acentua a justificação do projeto, que, se tivessem continuidade, os processos contra os não condenados iriam ‘traumatizar a sociedade com o conhecimento de eventos que devem ser sepultados em nome da paz’: entre eles, em primeiro lugar, os relativos à institucionalização da tortura aos presos políticos”, afirmou Pertence.

Segundo o advogado, “nem a repulsa que nos merece a tortura impede reconhecer que toda a amplitude que for emprestada ao esquecimento penal desse período negro de nossa história poderá contribuir para o desarmamento geral, desejável como passo adiante no caminho da democracia”.

A despeito das críticas da OAB, a lei entrou em vigor no mês seguinte. Esse documento de 1979 reveste-se de importância no momento em que a OAB começa campanha pela revisão da lei da anistia, defendendo, por exemplo, a punição dos torturadores.

A Ordem entregou Argüição de Descumprimento de Preceito Fundamental no Supremo Tribunal Federal para saber se crimes praticados por militares e policiais — como a tortura e desaparecimento — durante a ditadura estão cobertos pela lei de anistia. A ação questiona o parágrafo 1º do artigo 1º. Agora, a OAB avalia que a lei de 1979 não isenta militares envolvidos em crimes e deixa em aberto a possibilidade de nova interpretação que permita ao Brasil rever ações praticadas por agentes do Estado.

“A OAB entende que a lei tem por objeto, exclusivamente, anistiar os crimes comuns cometidos pelos mesmos atores de crimes políticos. Ela não abrange os agentes públicos que praticaram, durante o regime militar, crimes comuns contra opositores políticos, presos ou não”, sustenta a ação. A entidade entende que há uma notória controvérsia constitucional nessa lei.

O atual presidente da OAB, Cezar Britto, negou contradição. "O parecer atacava a Lei de Anistia porque ela excluía aqueles acusados de subversão e dava a entender que os torturadores estavam beneficiados”, respondeu.

Clique aqui para ler o parecer de Sepúlveda Pertence.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 16 de novembro de 2008, 0h00

Comentários de leitores

7 comentários

Chega de "juridiquês" em favor de covardes e as...

Comentarista (Outros)

Chega de "juridiquês" em favor de covardes e asquerosos torturadores assassinos de jovens, velhos e mulheres (entre as quais, algumas grávidas foram submetidas a sessões de choques elétricos em suas genitálias). CADEIA NELES! E enquanto a leizinha não é declarada nula (o que é uma questão de tempo, queiram alguns ou não), que os covardes torturadores do passado não ousem botar a fuça para fora de suas tocas, pois correm sérios riscos de serem hostilizados nas ruas pelos cidadãos de bem deste país (com cusparadas no rosto ou algo parecido, etc.). É isso, simples assim.

Ridículo mesmo é ver gente tentando justificar ...

Comentarista (Outros)

Ridículo mesmo é ver gente tentando justificar a atitude de asquerosos e covardes torturadores assassinos do passado, tomando como parâmetro uma patética e vergonhosa lei de anistia. Mas a leizinha está com os dias contados (seu completo sepultamento é uma questão de tempo), queiram as macaquinhas de auditório defensoras dos covardes torturadores assassinos ou não. E o resto é sofisma barato de papagaio de pirata.

O Direito é dinâmico e não inerte como alguns i...

seduvim (Outro)

O Direito é dinâmico e não inerte como alguns infelizmente pensam. Fico feliz em ver que a OAB evoluiu juntamente com o Direito moderno.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 24/11/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.