Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Raio-X do Judiciário

Judiciário de São Paulo reclama de orçamento em encontro do CNJ

Por 

A queixa quanto ao baixo orçamento do Judiciário paulista foi a tônica de mais um Encontro Regional do Judiciário, promovido pelo Conselho Nacional de Justiça nessa quinta-feira (6/11) em São Paulo. No encontro, o desembargador Antonio Carlos Munhoz Soares, vice-presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, afirmou que, sem dinheiro, só prática de gestão e inovações tecnológicas não resolvem o problema da Justiça. Munhoz Soares representou o presidente do tribunal, Roberto Vallim Belocchi.

O Conselho Nacional de Justiça está promovendo os encontros em diversas regiões do país com o objetivo de debater formas de modernizar a Justiça. Participaram do evento os conselheiros Andréa Pachá, Felipe Locke, Rui Stoco, Marcelo Nobre e Mairan Maia.

A abertura do encontro foi feita pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Gilmar Mendes, no comando também do CNJ. Ele fez questão de comparecer para enfatizar a importância da Justiça paulista, seu papel de liderança no contexto nacional e para homenagear o esforço da magistratura de São Paulo em enfrentar o enorme desafio de atender a crescente demanda por Justiça.

De acordo com o desembargador Munhoz Soares, a falta de orçamento compromete diretamente a prestação jurisdicional e a celeridade na tramitação dos processos. “Em São Paulo, infelizmente, há uma parêmia [breve alegoria] no lugar do orçamento. O clima político no estado está nublado”, desabafou.

A reclamação do desembargador é uma reação à proposta orçamentária de 2009 enviada recentemente à Assembléia Legislativa pelo governador José Serra. Ele reduziu em 40% o orçamento pedido pela Justiça. A proposta prevê para o tribunal um percentual de 4,22% do total do orçamento estadual, que é de R$ 116,1 bilhões. Desse total, estão reservados para o Judiciário R$ 4,9 bilhões. A solicitação do tribunal era de R$ 8,1 bilhões.

A presidente do Tribunal Regional Federal da 3º Região, Marli Ferreira, também criticou a pequena fatia do orçamento destinada à Justiça Federal em São Paulo. Reclamou também da falta de estrutura própria — 85% dos prédios são alugados. A desembargadora, no entanto, preferiu dar ênfase às práticas de boa gestão que implementou no tribunal.

Marli Ferreira foi buscar o conceito de administração pública para comandar o TRF-3. Criou o Banco de Talentos para valorizar e expandir o conhecimento de servidores. Promoveu reestruturação funcional, criou núcleo de gestão estratégica, implementou uma assessoria de estatística e informática, gestão ambiental e programas eletrônicos de gestão documental.

A desembargadora também falou, com orgulho, do Selo Verde que o TRF-3 recebeu da Vigilância Sanitária nacional, que é um reconhecimento pela sua preocupação com o meio ambiente e com a saúde. “Foi o primeiro tribunal do país a receber. Lá no meu tribunal, é proibido fumar”, explicou.

Calcanhar de Aquiles

O TJ paulista, maior tribunal do mundo com 17 milhões de processos em tramitação, também apresentou soluções. O assessor da presidência, juiz Cláudio Augusto Pedrassi, foi o responsável por mostrar as práticas inovadoras da corte. Segundo ele, o gigantismo do tribunal é, na verdade, o calcanhar de Aquiles. O tribunal tem uma distribuição, na primeira instância, de 25 a 30 mil processos por dia, com uma taxa de crescimento de 12 a 17% ao ano. A distribuição em segundo grau chega a 36 mil processos por mês, apontou o juiz.

Para lidar com a alta demanda, Pedrassi conta que o TJ-SP sentiu a necessidade de criar secretarias especializadas, para cuidar da estrutura organizacional, da administração, da tecnologia e do planejamento de gestão, entre outras. Na parte de recursos humanos, o foco do tribunal é promover cursos de capacitação para os servidores.

“Para evoluir, é preciso pensar grande e começar pequeno, com um modelo replicável e implementá-lo em larga escala”, ressaltou Pedrassi.

Pelo CNJ, a conselheira Andréia Pachá falou à revista Consultor Jurídico sobre os problemas apresentados pelo TJ-SP. “O tribunal tem se empenhado para resolver problemas crônicos, diferentemente de outros tribunais.” Para ele, esses encontros promovidos pelo CNJ são importantes justamente por dar a possibilidade de conhecer cenários como o tribunal de São Paulo.

“A grande preocupação do TJ paulista é com o novo Judiciário. Ele busca uma gestão eficiente e um atendimento célere. Tudo isso é o meio para se chegar aos fins”, disse o conselheiro Rui Stoco.

Falta de prática

O representante do Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo, juiz eleitoral José Joaquim Santos, não apresentou nenhuma prática de gestão da Justiça Eleitoral paulista. Segundo ele, por receio do Tribunal Superior Eleitoral, eles não ousam inovar. “Não temos muita liberdade para fazer mudanças estruturais. Não sabemos até onde os tribunais regionais podem avançar”, justificou.

  • Página:
  • 1
  • 2
  • 3

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 7 de novembro de 2008, 12h51

Comentários de leitores

2 comentários

Quem sabe delegando a apreciação de pedidos de ...

Thiago (Funcionário público)

Quem sabe delegando a apreciação de pedidos de tutela antecipada....

O problema da justiça é a má gestáo, pois os pr...

analucia (Bacharel - Família)

O problema da justiça é a má gestáo, pois os projetos "inovadores" ficam ilhados em pequenos grupos, pois o mais interessante é deixar acumular processos e ficar como vítima. No caso de SP basta um maior controle sobre a justiça gratuita e um ato regulamentando quais atos podem ser delegados aos servidores, pois embora previsto na Lei, os Juizes resistem em delegar e ficam despachando em vez de sentenciarem.

Comentários encerrados em 15/11/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.