Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Opressão no trabalho

Empresa é condenada por intimidar motorista depois de assalto

Após ser assaltado e agredido com socos, um motorista de caminhão da América Latina Logística Intermodal foi submetido a interrogatório por representante da empresa. Ele foi intimidado com um revólver. Como a empresa é reincidente nesta atitude, a 7ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho a condenou a pagar R$ 35 mil indenização por danos morais.

O motorista afirma que no interrogatório foi indiretamente acusado pela ocorrência do assalto. Afirmou que era responsável pela cobrança dos produtos entregues. Quando havia uma diferença nos valores, a empresa obrigava o motorista pagar o valor para poder sair de lá, “sofrendo verdadeiro cárcere privado”.

A indenização, estabelecida pelo Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (Rio Grande do Sul), refere-se não somente à humilhação pelo interrogatório, mas também a outras humilhações. A empresa, por exemplo, obrigava o motorista que chegava por último a andar com uma tartaruga embaixo do braço. Quem chegava atrasado também era golpeado com um pênis de borracha nas costas.

Os juízes do TRT consideraram que a intimidação e as outras situações caracterizavam dano moral por atentar contra a sua integridade psíquica. O tribunal ressaltou que o empregador, ao exercer o poder diretivo, não pode expor o trabalhador de forma depreciativa, “ainda que tente amparar essas atitudes em questões de ordem administrativa ou de controle de produtividade”.

A empresa recorreu ao TST, mas o ministro Ives Gandra Martins Filho, relator, manteve o entendimento do TRT. Para o ministro, independentemente dos motivos que justificariam os interrogatórios, a empregadora, responsável direta pela qualidade das relações e do ambiente de trabalho, deveria “observar critérios de razoabilidade e adotar medidas compatíveis com os direitos da personalidade constitucionalmente protegidos”.

AIRR 1304/2005-003-04-40.9

Revista Consultor Jurídico, 7 de novembro de 2008, 17h27

Comentários de leitores

1 comentário

Deveras acertada a decisão em comento. Lasti...

José Inácio de Freitas Filho. Advogado. OAB-CE 13.376. (Advogado Autônomo)

Deveras acertada a decisão em comento. Lastimável é ver que há empregadores que, sob o pálio do "estímulo de produtividade" aos funcionários [e até alegando "princípios de administração" de recursos humanos], utilizam-se de práticas vexatórias, humilhantes, que expõe ao ridículo o empregado que não atinge determinadas metas [algumas irrealizáveis, em verdade] fixadas, na quase totalidade dos casos, pela empresa. __________________________ José INÁCIO de FREITAS Filho Advogado [OAB/CE 13.376]

Comentários encerrados em 15/11/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.