Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Briga de versões

Associação defende juiz acusado de ameaçar promotor

O caso do promotor de Justiça de São João Del Rei (MG) que acusa um juiz de ameaçá-lo com arma de fogo durante uma audiência continua gerando reações. A Associação dos Magistrados Mineiros (Amagis) publicou nota em defesa do juiz Carlos Pavanelli Batista contestando a versão do promotor Adalberto de Paula Christo Leite.

A Amagis afirma que a Associação do Ministério Público (AMMP) divulgou uma versão “inverídica e fantasiosa” sobre o ocorrido. Na nota, ela ainda critica a atitude do promotor que, segundo ela, agrediu a honra do juiz, e afirma que tomará “as providências cabíveis” contra o promotor.

De acordo com relatos do promotor Adalberto de Paula Christo Leite, na audiência do dia 30 de outubro, o juiz Carlos Pavanelli Batista atirou um copo de água contra ele, sacou um revólver calibre 38 e apontou na direção do promotor. O juiz teria dito que mostrou a arma apenas para acalmar a sessão.

O promotor mineiro recebeu o apoio das associações nacionais e estaduais de membros do Ministério Público. A Associação Nacional dos Membros do Ministério Público (Conamp) e a Associação Mineira do MP (AMMP) também divulgaram nota de apoio a Adalberto Leite.

Leia a nota da Amagis

A Associação dos Magistrados Mineiros (Amagis) contesta e repudia, veementemente, as versões inverídicas e fantasiosas divulgadas pela Associação do Ministério Público (AMMP) e pelo representante do Ministério Público em São João del-Rei sobre o episódio envolvendo o magistrado Carlos Pavanelli Batista. Em vez de recorrer às vias recursais e legais do processo, apelaram para a distorção dos fatos e agressão à honra de um magistrado que, há 15 anos, só tem dignificado a magistratura mineira.

A Amagis irá tomar as providências cabíveis contra o promotor de Justiça, Adalberto de Paula Christo Leite, para que fatos dessa natureza não mais ocorram, preservando as boas relações entre a magistratura e o Ministério Público.

O magistrado já prestou esclarecimentos à sua Corregedoria, juntou documentos e depoimentos que ratificam a sua versão apresentada e repõem a verdade dos fatos.

Em respeito à instituição do Ministério Público, cuja importância reconhecemos para a sociedade, não exporemos perante a opinião pública como o fez o promotor, a versão do magistrado sobre os fatos, o que está sendo feito pelas vias próprias, inclusive perante à Corregedoria , a qual ele pertence e perante à Justiça.

Associação dos Magistrados Mineiros

Revista Consultor Jurídico, 7 de novembro de 2008, 21h37

Comentários de leitores

13 comentários

Onde está a versão do juiz? Quem deve não teme ...

augusto (Bacharel - Família)

Onde está a versão do juiz? Quem deve não teme a exposição de sua imagem. A verdade deve ser dita em qualquer lugar, em qualquer momento, e para quem quer que seja. O problema está aí, o corporativismo negativo, onde para resguardar este ou aquele, usam do direito e do poder para se buscar chegar ao fim desejado pela minoria por trocas de favores em detrimento da Justiça. Não estou culpando e dando o veridito, isto porque ainda não me compete, estou apenas em busca da verdade dos fatos que deverão aparecer para a Justiça dos homens tenha o respaldo que merece.

Enquanto no Brasil houver tanto corporativismo ...

Enos Nogueira (Advogado Autônomo - Civil)

Enquanto no Brasil houver tanto corporativismo não haverá nada isento. Quanto a lavar, algo que seja verdadeiro, ao conhecimento da imprensa,é importante, já que a imprensa tem forçado algumas autoridades a aplicar a lei. Se a versão do promotor é mentirosa por que não é noticiada a versão do juiz? Quanto a recorrer as vias "recursais", que são do próprio judiciário, não sei se teria tanto resultado. No entanto o que deve prevalecer é a verdade, seja qual for... Diante disso por que não se publica a versão do magistrado?

De uma forma ou de outra, publiquei minha opini...

imperadorzeros (Jornalista)

De uma forma ou de outra, publiquei minha opinião no www.irregular.com.br Carlos Henrique Mascarenhas Pires

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 15/11/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.