Consultor Jurídico

Notícias

Lei do grampo

Governo prevê novas regras para autorização de grampo telefônico

Por 

O anteprojeto de lei do governo que prevê novas regras para as interceptações telefônicas será apresentado, nesta quinta-feira (27/3), ao Legislativo. Pelas regras propostas após dois anos de análises, nenhuma escuta deve ultrapassar o prazo de 360 dias, a menos que seja feita para acompanhar um “crime continuado”. A CPI dos Grampos revelou que, no ano passado, 409 mil interceptações foram feitas no país, com ordem da Justiça, pelas operadoras Oi, TIM, Brasil Telecom, Telefônica, Vivo e Claro.

Para evitar vazamentos, as escutas telefônicas de operações policiais devem ser destruídas dois meses após o seu uso. A atual lei prevê essa prática somente com o material não usado pelos agentes da lei ou quando o caso é encerrado. E ainda: as autorizações para interceptações telefônicas continuam nas mãos de um juiz, mas o Ministério Público deve se manifestar sobre elas. A legislação atual descarta o MP. O pedido de grampo é feito diretamente pela autoridade policial ao juiz sem a opinião do Ministério Público.

A legislação atual também faculta ao delegado de Polícia a solicitação escrita ou oral diretamente à Justiça. Pelas novas regras, essa prática só será tolerada quando formalizada por escrito. O pedido verbal, de acordo com o anteprojeto, “poderá ser feito somente em casos excepcionais, em caráter de absoluta urgência”.

A lei de escuta em vigor é aplicada apenas aos crimes punidos com penas de reclusão (dolo). Isso descarta punição para os delitos cometidos por telefone, tais como ameaças. Mas o anteprojeto prevê que crimes culposos também podem ser investigados por grampos legais. Atualmente, o autor de escuta telefônica de posse de autorização judicial não está sujeito a controle. A nova lei quer controlar essas práticas.

 é repórter especial da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 26 de março de 2008, 15h34

Comentários de leitores

1 comentário

Quando a lei autorizava interceptação apenas po...

acs (Advogado Assalariado)

Quando a lei autorizava interceptação apenas por tres meses elas eram feitas por anos a fio e agora que são permitidas por um ano?interceptação por crime culposo?é o cumulo do absurdo.todos os crimes cometidos por quadrilha pressupõe permanência,logo,na pratica todos poderão ser escutados indefinidamente.No momento em que a sociedade está chocada com o conhecimento do fato de mais quatrocentas mil interceptações "legais"por ano no Brasil,o legislativo pretende ampliar ainda mais os limites indo contrariamente aos anseios populares,aliás como de costume.

Comentários encerrados em 03/04/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.