Consultor Jurídico

Comentários de leitores

63 comentários

Dogmático amigo Richard. Transcrevo abaixo o...

Mauro (Professor)

Dogmático amigo Richard. Transcrevo abaixo o versículo bíblico de II Timóteo 3.16 "Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção e para instrução na justiça". Creio que quando o APÓSTOLO Paulo menciona "Escrituras" refere-se à Bíblia hebraica, pois ele era um doutor da lei e profundo conhecedor do judaísmo e principalmente da hermenêutica e da produção literária judaica. E um judeu ortodoxo, mesmo tendo ele se convertido ao cristianismo, normalmente preteria a Septuaginta em relação à Bíblia hebraica. Creio que este foi um dos argumentos usados por Lutero. Se quiser comunicar-se comigo por e-mail é nogueira-mauro@uol.com.br. Os PeTralhas de plantão aqui no Brasil devem estar com saudades de você. Forte abraço.

Caro amigo Mauro: Nem poderia! pois pela hab...

Richard Smith (Consultor)

Caro amigo Mauro: Nem poderia! pois pela habitual afoiteza ao digitar mandei-lhe o endereco (estou fora do Pais e sem um teladoo ABNT) errado. E MONTFORT, com "T" (www.montfort.org.br). no mais, pegunto ao amigo: com que AUTORIDADE lutero fez isso? Sobre os demais temas ora abordados, principalmente as indulgencias (materia muito interessante e proveitosa para a nossa alma!) no site tambem tem Um sincero abraco.

E quanto ao site www.monfort.org.br acho que há...

Mauro (Professor)

E quanto ao site www.monfort.org.br acho que há algo errado neste endereço, pois não consegui acessá-lo.

Caro amigo ultra-dogmático-teimoso Richard. ...

Mauro (Professor)

Caro amigo ultra-dogmático-teimoso Richard. Lutero não eliminou diversos livros. Ele simplesmente, e com razão, determinou que o AT protestante é a Bíblia Hebraica, afinal, a Septuaginta, que é o AT católico, foi, como você mesmo disse, escrita em parte fora da terra santa. Entretanto, sua maior contribuição para o cristianismo foi a tradução das Sagradas Escrituras para o alemão em uma linguagem para o povo, e a criação da imprensa ajudou e muito a fazer chegá-la às mãos de qualquer que quisesse lê-la, pois, até então, a Igreja Católica a havia escondido do povo para que pudesse cobrar indulgências e praticar outras barbaridades sem cair em contradição com a revelação progressiva de um Deus de amor contida nas Sagradas Escrituras.

Caro amigo ultra-não-dogmático Mauro: Muit...

Richard Smith (Consultor)

Caro amigo ultra-não-dogmático Mauro: Muito engraçado o seu sofisma. Assim como os fariseus e doutores da Lei, lutero eliminou diversos livros, mas que continham referências que não se afinavam com a sua nova "doutrina" (vide Macabeus, acerca do Purgatório). Aqueles, pelo menos consideravam que Escrituras Sagradas não poderiam ser escritas fora da Terra Santa (A "Bíblia dos Setenta", ou Septuaginta, escrita em Alexandria pelos judeus da Diáspora), lutero por sua vez foi somente um manipulador oportunista mesmo, pois quem conferiu canonicidade aos livros da Bíblia foi a Igreja (daí o porque da afirmação: "Não é a Igreja que é filha da Bíblia, mas sim a Bíblia é que é filha da Igreja"), desde o seu início e até o século XIV, com a advento do "reformador". Um abração a você.

Ok, ultra-dogmático amigo Richard. Desisto de t...

Mauro (Professor)

Ok, ultra-dogmático amigo Richard. Desisto de tentar convencê-lo do óbvio. Aliás, esta é uma tarefa ingrata, pois como trata-se de algo óbvio os argumentos para demonstrá-lo normalmente não são convincentes. Apenas a título de informação, Lutero não chegou a tirar Tiago do cânone. Ele tirou apenas os apócrifos do AT, pois estes apareceram do nada na época da diáspora judaica e não constam na Bíblia Hebraica. Abraços e obrigado pela dica do site.

Caro Richard, Nada pessoal, mas a falácia d...

Eduardo (Advogado Sócio de Escritório - Tributária)

Caro Richard, Nada pessoal, mas a falácia de seus argumentos encontra-se na sua reliogiosidade, nunca pensou em transcender, ascender, ou mesmo descer deste mundo ilusionista que costuma viver. Há coisas além de Deus, mas é preciso coragem ou vontade, até mesmo indeferença serve para ver. Fica a dica!

Ah, desculpe, esqueci um tópico: todos os não...

Richard Smith (Consultor)

Ah, desculpe, esqueci um tópico: todos os não-batizados são pagãos, mesmo aqueles anteriores ao Sacramento. E o critério da "ignorância invencível", é claro, aplica-se somente aos existentes após o advento do Sacramento, pois os de antes NÃO PODERIAM tomar conhecimento de algo inexistente. É uma caracterização objetiva e exclusiva. Os anteriores foram remidos e libertados da mesma forma pelo Sacrifício e pela presença salvífica do Cristo, tudo de acordo com a suas obras materiais em acordo com a Lei Natural. Em pobre analogia: como poderia ser considerado "combatente da segunda guerra mundial" e assim galardoado, alguém que tivesse vivido e morrido antes dela? E os potenciais combatentes que não tiveram a oportunidade de se alistar e seguir para a guerra porque acabou o conflito? E os que não tiveram conhecimento do alistamento mas, certamente teriam correspondido a ele, com bravura e despreendimento? E ao mesmo tempo: e os covardes e refratários, que dele tiveram conhecimento, mas se negaram a atendê-lo. É mais ou menos assim. Como disse, pobre analogia porque o conflito teve uma duração determinada e a adesão e pertença à Igreja, não. Também sobre isso recomendo o referido site. Outro abraço.

Ih, o velho problema protestante da "Sola F...

Richard Smith (Consultor)

Ih, o velho problema protestante da "Sola Fide" criado pelo monge herético lutero. Não vou discutí-lo com você aqui amigo Mauro, pois este espaço não é para discussões religiosas ou teológicas. "A fé sem obras é morta" disse o Apóstolo Tiago em um livro componente da Bíblia Canônica e RETIRADO por lutero. Acerca deste e de outros assuntos, procure maiores informações no rigoroso site de apologética católica MONFORT (www.monfort.org.br). Aliás, muito interessante neste site é a crítica histórica ao recente filme "Lutero". Imperdível. Um abração.

Dogmático, amigo Richard, "a tua fé te salvou",...

Mauro (Professor)

Dogmático, amigo Richard, "a tua fé te salvou", ou seja, o que nos reconcilia a Deus é tão-somente a fé. O Batismo é uma profissão de fé daqueles que por livre e espontânea vontade confessaram o Senhorio de Jesus Cristo. É por isso que o batismo infantil não se sustenta biblicamente, mas apenas como um dogma católico. O Batismo bíblico, ao contrário do que você achou que considero, é uma ordenança de Cristo e por ser consequencia da fé não pode ser imemorial. Há mais uma gritante contradição em suas definições sobre o que é e o que não é ser pagão. Por que o não-selvagem que viveu antes da instituição do Batismo não é considerado "ignorante invencível" enquanto que o selvagem posterior a instituição do Batismo o é? Se o problema é o não alcance da evangelização, a razão cronológica ou de isolamento geo-cultural não faz diferença, e assim, ambos deveriam ser "ignorantes invencíveis" e serem incluídos na Igreja Universal. Considerar pagão alguém que não foi batizado porque viveu em uma época anterior à instituição do Batismo, além de ser gritantemente ilógico, não condiz com o caráter amoroso do Deus da Bíblia, que jamais deixará de considerar um filho seu alguém que foi, por uma questão cronológica, impedido de realizar o ato legitimador de tal prerrogativa. Abraços.

Caro Sennafred: Você é mais um daqueles qu...

Richard Smith (Consultor)

Caro Sennafred: Você é mais um daqueles que frui de todo um mundo impregnado por valores cristãos (misericórdia, proteção para os mais fracos, valorização da mulher, proteção à vida, etc.) e, "muy rebelde" se coloca contra ele. Em suma, para mim um "mau passarinho", daqueles que "fazem no próprio ninho". Você, muito "humanistica" e pagãmente deseja que sua esposa ou suas parentas abortem? Beleza! Encaminhe-as às "clinicas" que existem por aí e torça para que a polícia não apareça e que nenhum zeloso promotor, sabe? com essas caducas leis cristãs contidas no Código Penal não os enquadre, bem direitinho. Quanto ao mundo não ser cristão...bem, é uma meia-verdade ( = a uma inteir mentira!), pois ainda são muitos os que professam a sua fé em Jesus Cristo, verdadeiro Homem e verdadeiro Deus que morreu na Cruz pelos nosso pecados e para a nossa Salvação. Isso em que pese a existência de uns tantos outros como você ou que simplesmente "não estão nem aí". Mas que não me preocupa, porque o mesmo Jesus prometeu: "Pedro, tú és pedra e sobre essa pedra erigirei a MINHA Igreja e as portas do inferno não prevalescerão sobre ela". (dois mil anos lhe dizem alguma coisa?) Mas, é como dizia minha santa avózinha: "uns gostam dos olhos, outros da ramela"! Passar bem.

Caro amigo Mauro: É impressionante! Mas ...

Richard Smith (Consultor)

Caro amigo Mauro: É impressionante! Mas vamos lá: o Batismo, enquanto Sacramento, só surgiu pelas mãos de Nosso Senhor Jesus Cristo. Ele tem o condão de eliminar a culpa pelo Pecado Original (mas nãos os seus efeitos) e assim, reconciliar o batizando com Deus, numa filiação direta e "adotiva". Por causa disso, só é filho (adotivo, repita-se) de Deus quem é batizado. Os outros todos são criaturas de Deus (com alma e dignidade humana, sem dúvida) porém são pagãos. Todos eles, os nascidos antes de cristo e todos os outros não-batizados. Quanto aos selvagens e outras pessoas atingidas pela chamada "ignorância invecível" (como por nunca terem sido evangelizados, por exemplo) a Igreja prega o chamado "Batismo de desejo", no qual e justamente pela ausência de culpa, estariam essas pessoas incluídas na Igreja Universal (a Católica, é claro, não a do "bispo" macedo). Agora, se o amigo considera o Batismo, imemorialmente praticado na Igreja, como "ordenação", "lei de homens" (e portanto irretroativa), etc., fica muito difícil absorver o conceito, imagino. Um abraço.

Caro Radar: Licença dada.

Richard Smith (Consultor)

Caro Radar: Licença dada.

Prezado Sennafred, para o dogmático amigo Richa...

Mauro (Professor)

Prezado Sennafred, para o dogmático amigo Richard é muito difícil entender que o mundo não é cristão, ou melhor, católico.

Prezados, Por que o cristianismo é, para mui...

sennafred (Estagiário)

Prezados, Por que o cristianismo é, para muitos, considerado como um paradigma universal de ética? Não consigo compreender isso. Enquanto fé, não é uma questão de adoção pessoal? É como dizer que Jesus realmente nasceu no em Dezembro, no dia 25, curiosamente mesma época em que nasceram inúmeros Deuses das antigas religiões (como Dionísio, Orfeu, Apollo, entre outros). Enfim, sou pagão (politeísmo étnico, e não por não ser batizado...pratico o paganismo, assim como os candomblecistas também são pagãos em razão de seu politeísmo étnico) e não concordo com a supremacia dos valores cristãos, assim como outras pessoas que também não adotaram o cristianismo. Como fica o direito de minha esposa os minhas filhas, amigas e conhecidas(todas pagãs) de abortar, de escolher o que elas acharem melhor para as vidad delas? Se os cristãos não querem abortar, não abortem, mas não tentem decidir pelos outros o que é certo ou errado. Se eu quisesse ser cristão, não abortaria, mas eu não quero ser cristão, como muitas pessoas não querem. É difícil entender isso? É difícil entender que o mundo não é cristão?

Interessante, a parte o caso dos embriões, já q...

Eduardo (Advogado Sócio de Escritório - Tributária)

Interessante, a parte o caso dos embriões, já que o Estado é laico, porque outras convicções são obrigadas a sofrer a agressão visual das imagens degratandes de um cristianismo repulsante nas instituições públicas. O adorno, cristão, não é dos melhores, se é que pode ser considerado adorno, então pergunto: Se o Estado é laico, porque as instituições ainda não o são, em especial o judiciário, muitas vezes ornamentado com arte de péssimo gosto. Opa! é tabu ainda. rs.

Agradecido pela preocupação, sr. Smith. Mas...

Radar (Bacharel)

Agradecido pela preocupação, sr. Smith. Mas estou absolutamente calmo e saudável, para quem já conta 28 anos. Sem stress, com colesterol total bem inferior a 200 e P.A de 12 X 8. Se eu estivesse nervoso não falaria em profetas, mas em "bestas" do apocalipse. Quanto ao meu vocabulário, não se preocupe, está em franca expansão. E ainda não se iniciou a famosa derrocada dos neurônios, presumo. Se bem que não é exatamente um sinal de higidez mental responder às suas provocações. Preocupe-se consigo mesmo, pois, pela obstinação em censurar opiniões alheias, está claro que o senhor é bem mais que ocioso. Vá descobrir e tratar sua estranha psico-procto-patologia. Agora, licença, tenho mais o que fazer.

COMPLEMENTANDO: ... litígios anteriores a el...

Mauro (Professor)

COMPLEMENTANDO: ... litígios anteriores a ela que continuam tramitando na justiça.

Caro amigo não-relativista Richard. Eu é que...

Mauro (Professor)

Caro amigo não-relativista Richard. Eu é que confesso que não entendo o seu raciocínio: "Se não se batizou por ser anterior ao advento do SACRAMENTO (insisto, porque assim o viu a Igreja Católica, por dois mil anos e ainda vê), se por falta de alguém que o fizesse ou por culpa própria (recusa) é questão de circunstância que não desnatura o fato objetivo." A circunstância desnatura sim o fato objetivo (se é que podemos apreender objetivamente um fato). Se assim não for, então, Aristóteles poderia ter sido um padre três séculos antes da existência do cristianismo, o que é um absurdo. E como ficam os índios da América que até o descobrimento não tiveram contato nenhum com o cristianismo?? Como podem ser considerados pagãos se sequer sabiam o que deveriam fazer para deixarem de ser pagãos?? Se sequer sabiam que existiam pessoas que eram pagãs e outras que não eram?? Trata-se do processo histórico e não da aprovação de determinada lei que poderá ou não, conforme decisão de quem compete, valer para os litígios anteriores a ela. Aliás, diga-se de passagem, fato objetivo é uma questão bastante subjetiva.

Calma, Radar, calma! Não fique nervoso e g...

Richard Smith (Consultor)

Calma, Radar, calma! Não fique nervoso e gastando aí o seu vocabulário. "Stress" mata, rapá!

Comentar

Comentários encerrados em 25/03/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.