Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Hora da recompensa

Colômbia pagará recompensa a desertor que matou líder das Farc

A agência de notícias Associates Press, em Bogotá, informa que o ministro da Defesa da Colômbia, Juan Manuel Santos, disse que o governo irá pagar uma recompensa ao desertor Pablo Montoya que matou Ivan Ríos, um dos líderes das Farc (Forças Armadas da Colômbia). O guerrilheiro desertou o grupo depois de matar Ríos e se apresentou às autoridades colombianas com a mão do líder, cartões de memória do computador e documentos.

Ele receberá uma parte da recompensa de US$ 2,7 milhões (cerca de R$ 4,5 milhões), afirmou o ministro da Defesa.O ministro disse que o resto do dinheiro será dividido entre três informantes que deram informação ao Exército sobre a localização de Ríos. A recompensa era, inicialmente, para informações que levassem à captura do líder guerrilheiro.

De acordo com a agência de notícias, após o assassinato de Ríos houve uma acalorada polêmica no país se o pagamento da recompensa iria encorajar outros rebeldes a cometer homicídio. Alguns colunistas disseram que pagamentos do tipo seriam com dinheiro sujo de sangue, informa a reportagem.

O anúncio da morte de Ríos, no dia 7 de março, foi um mais duro golpe para as Farc, uma semana depois da ação militar colombiana que matou o número dois da guerrilha, Raul Reyes, em território colombiano.

O desertor, Pablo Montoya, disse ter matado Ríos para se defender, porque temia que Ríos planejasse sua execução. Montoya atirou em Ríos, cujo nome real era Manuel Jesus Muñoz, e em sua namorada, enquanto dormiam. Logo depois deixou o acampamento com os arquivos eletrônicos, passaporte e com uma mão de Ríos, para apresentar ao Exército.“O caso de Ivan Ríos nos mostra a deterioração da moral das Farc", afirmou o ministro da Defesa à Associates Press.

Por fim, a agência informou que alguns juristas colombianos sugeriram que, em vez de ser recompensado, Montoya deveria ser alvo de uma investigação por assassinato. O presidente Álvaro Uribe afirmou no início desta semana que “um país de leis não deve encorajar massacres".

Revista Consultor Jurídico, 15 de março de 2008, 11h53

Comentários de leitores

14 comentários

Gostei dessa, amigo Nicoboco, do título ao "f...

Richard Smith (Consultor)

Gostei dessa, amigo Nicoboco, do título ao "fessô" (embora e4xista muito método nesse "alopramento") e da da sufestão. Muito embora, a canalha elegíaca ao Coma-Andante e ao excelso regime cubano, não queira ir para lé de jeito nenhum, senão por um pouco de tempo, a desfrutar as praias de Varadero e os hoteis pagos em moeda forte, por exemplos e com granolina pública, claro! Um abração.

CAro Richard Smith, deveríamos mandar esses esq...

Nicoboco (Advogado Autônomo)

CAro Richard Smith, deveríamos mandar esses esquerdóides pterossauros pra Cuba, o que acha?

Armado do Prado: deveria o sr. ser chamado de A...

Nicoboco (Advogado Autônomo)

Armado do Prado: deveria o sr. ser chamado de Armando AloPrado... melhor, nao?

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 23/03/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.