Consultor Jurídico

Sem meias palavras

Desembargadores alfinetam Lula e Suplicy no Contraponto

Os desembargadores Ruy Coppola e Renato Sartorelli, do Tribunal de Justiça de São Paulo, são os entrevistados dessa semana no Contraponto. Eles prometem que na entrevista não haverá meias palavras. Coppola e Sartorelli darão as mais diversas “alfinetadas” no senador Eduardo Suplicy, na Polícia Federal e no presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva.

Ruy Coppola e Renato Sartorelli falam também de egoísmos, prodigalidades, liberalismo, conservadorismo e nepotismo. O Contraponto vai ao ar nos seguintes horários: segunda-feira (10/3), às 20h — TV Justiça; terça-feira (11/3), às 9h — TV Justiça; quinta-feira (13/3), às 22h30 — TV Aberta de São Paulo; sábado (15/3), às 12h30 -—TV Justiça.





Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 9 de março de 2008, 0h01

Comentários de leitores

12 comentários

Estranho esse anúncio prévio de que os entrevis...

Sérgio Wilian Annibal (Procurador do Estado)

Estranho esse anúncio prévio de que os entrevistados alfinetarão determinadas personalidades políticas, dentre elas o Presidente da República. Seria essa atitude coerente e esperada de magistrados, no caso desembargadores?

Uma pena que o Des. Renato Sartorreli não possa...

Marco Grandis (Advogado Associado a Escritório)

Uma pena que o Des. Renato Sartorreli não possa ser sabatinado e alfinatado...

Sem tecer nenhum juízo de valor mais aprofundad...

Sumyk (Advogado Associado a Escritório - Administrativa)

Sem tecer nenhum juízo de valor mais aprofundado acerca de nossos representantes políticos, gostaria de propor uma simples comparação. Nesta década, temos visto mais denúncias e acusações direcionadas a qual dos três poderes? Em qual proporção? A meu ver, o Executivo é o "campeão" desta ingloriosa disputa, sendo alvo de denúncias sem fim, escândalos absurdos e outros indícios de roubalheira. Diante deste cenário dantesco, nós, cidadãos de classe média, fiéis cumpridores de nosssas obrigações fiscais, ainda temos que sofrer injúrias a nossa inteligência por partidários do governo, que afirmam que as denúncias são todas infundadas, e atribuem sua origem ao desgastado bordão marxista da "elite dominante e predadora que não suporta ver um operário no poder agindo contra seus interesses". Seria cômico se não fosse trágico! Ao menos ainda restam incólumes alguns bastiões de lucidez dentro deste pesadelo, a exemplo do Ilustre Professor Copolla, merecedor de nossos aplausos.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 17/03/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.