Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Conflito em discussão

Reunião na OAB-SP na sexta discute crise na América Latina

Em reunião extraordinária, marcada para sexta-feira (7/2), às 15h30, em São Paulo, o Conselho de Colégios e Ordens de Advogados do Mercosul (Coadem) vai discutir a crise entre a Colômbia, o Equador e a Venezuela, deflagrada com a morte do subcomandante das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia), Raul Reyes.

O presidente nacional da OAB, Cezar Britto, propôs a primeira reunião extraordinária do Conselho, desde que foi criado. A idéia foi acolhida pelo presidente do Coadem, o advogado brasileiro Sérgio Ferraz.

O Coadem foi criado em abril de 1993 e aglutina os Colégios de Advogados da Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Equador, Paraguai, Peru e Uruguai. São membros observadores os Colégios da Colômbia, Equador e Guiana. O objetivo principal é a promoção da defesa da ordem jurídica, do Estado Democrático de Direito e dos direitos humanos, entre outras ações.

A entidade visa também o auxílio no desenvolvimento das legislações nacionais. A intenção é harmonizar as normas jurídicas e a participação ativa na construção do direito comunitário do Mercosul.

Confirmaram participação no debate, os principais representantes dos países integrantes, inclusive os da Colômbia e do Equador. A Venezuela não integra o Coadem. A reunião ocorrerá na sede da OAB de São Paulo.

Revista Consultor Jurídico, 6 de março de 2008, 0h01

Comentários de leitores

2 comentários

Faço esta intervençäo para recomendaruma modifi...

João pirão (Outro)

Faço esta intervençäo para recomendaruma modificaçâo do 1º parágrafo desta notícia. Acho mais pertinente dizer:"(Coadem) vai discutir a crise entre a Colômbia, o Equador e a Venezuela, deflagrada PELA INCURSÀO EM TERRITÓRIO EQUATORIANO, EMBORA TENHA TIDO COMO ESCOPO a morte do subcomandante das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia), Raul Reyes". nâo vamos tapar o sol com uma peneira. O que está em discussáo em a inavasáo de uma instituiçáo oficial de um país sobre o outro, e que supostamente era repudiado na OEA (agora náo)... Disculpem os acentos.. "

O primo do Collor, falastrão por excelência e p...

Comentarista (Outros)

O primo do Collor, falastrão por excelência e paladino da "justiça" mais morosa e improdutiva do planeta, levou um "piteco" de um iletrado alcoólatra e foi obrigado a se calar (como não poderia deixar de ser). De quebra, vai ter que se explicar aos petistas... No insignificante país vizinho, o demente-júnior Uribe, fantoche-marionete do demente-mor yankee, está levando sua republiqueta - berço do narcotráfico mundial - ao suicídio coletivo, pois quando a guerra estourar, cada país-vizinho certamente "abocanhará" um pedacinho de seu território. Foi asssim no passado e a história certamente se repetirá, com o Sapo Barbudo, mais uma vez, sendo consagrado herói por ter aumentado nossas fronteiras.. E quem viver verá! Por outro lado, o demente-júnior bem que poderia deixar suas sandices de lado e fazer algo que realmente trouxesse dividendos ao seu país, ou seja: Produzir folhas de coca trangênica, única cultura rentável em sua insignificante republiqueta das bananas. E os compradores, filhotes de proveta do demente-mor, certamente gostariam da novidade e pagariam bem por ela... Mas o dementezinho preferiu, com sua bravatazinha de quintal, enterrar de vez sua carreira e o futuro de seu insignificante país. De quebra, certamente "refundará" sua republiqueta, mudando-lhe o nome para "Latrina Bolivariana da Colômbia" ou algo parecido... Ele só não contava, obviamente, com a desaprovação unânime de seus vizinhos, haja vista que até mesmo países tradicionalmente "baba-ovos" dos yankees desaprovaram duramente sua sandice bélica (como o Chile, por exemplo). E o desafio continua: Alguém acredita que os bravos guerreiros yankees virão defender, em plena selva amazônica, uma republiqueta miserável (sem petróleo, etc.) apenas pela "amizade"?

Comentários encerrados em 14/03/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.