Consultor Jurídico

Propaganda irregular

Padre recorre ao TSE contra multa por propaganda irregular

O padre Antônio Júlio Feliciano Paiva, conhecido na Paraíba como Padre Júlio, recorreu ao Tribunal Superior Eleitoral contra a decisão que o condenou a pagar R$ 21 mil por fazer propaganda eleitoral em período proibido pela legislação.

A decisão do Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba foi tomada no julgamento de uma Representação ajuizada pelo Ministério Público contra a Rádio Sociedade de Soledade e o padre. De acordo com o MP, Padre Júlio usou o programa que tinha na rádio para fazer propaganda de diversos candidatos do PMDB às eleições proporcionais e majoritárias. O TRE paraibano decidiu aplicar multa apenas ao padre porque o espaço utilizado foi comprado da rádio.

No recurso apresentado ao TSE, o padre questiona a tempestividade da Representação do Ministério Público Eleitoral. De acordo com o recurso, a Representação foi ajuizada “passados quase dois meses do prazo estabelecido pelo TSE para questionar essa atitude”. A defesa do padre reuniu jurisprudência que comprovaria que o TSE fixou em 48 horas o intervalo de tempo para se questionar propaganda eleitoral realizada na programação normal de rádio. O processo será relatado pelo ministro Cezar Peluso.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 3 de março de 2008, 13h10

Comentários de leitores

1 comentário

Coisa mais ridícula! Padre se metendo em p...

Richard Smith (Consultor)

Coisa mais ridícula! Padre se metendo em política, ainda mais partidária. Contraria as leis da Igreja e se expõe à suspensão e até, dependendo do caso, à excomunhão.

Comentários encerrados em 11/03/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.