Consultor Jurídico

Dinheiro do BNDES

Paulinho da Força será investigado pelo Supremo

O Supremo Tribunal Federal acolheu pedido do procurador-geral da República, Antonio Fernando de Souza, na quarta-feira (28/5), e instaurou inquérito contra o deputado Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força (PDT-SP). O objetivo é investigar o envolvimento do deputado em suposto esquema de desvio de recursos do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).

O MPF recorreu ao Supremo porque, por sua condição de deputado federal, Paulinho só pode ser investigado com autorização da Corte. Ainda não foi designado relator para o caso.

O processo, inicialmente, foi distribuído para a ministra Ellen Gracie sob a alegação de que ela já teria relatado ações sobre o assunto. A ministra informou, porém, que o caso envolvendo o BNDES era diferente do que ela havia cuidado e devolveu o processo para a distribuição.

A Operação Santa Tereza, deflagrada pela Polícia Federal no dia 24 de abril, investiga o envolvimento de empresários, advogados e servidores públicos em “prostituição, tráfico de pessoas, fraudes em financiamentos do BNDES e lavagem de dinheiro”. De acordo com a Polícia Federal, há dois financiamentos do BNDES sob suspeita liberados no início do ano — um no valor de R$ 130 milhões para a prefeitura de Praia Grande, outro de R$ 220 milhões para as Lojas Marisa.

No último dia 2, o juiz substituto Márcio Ferro Catapani, da 2ª Vara Federal Criminal de São Paulo, especializada em crimes financeiros e lavagem de dinheiro, aceitou denúncia e abriu processo contra 13 investigados na operação.

Conselho de Ética

Um processo por quebra de decoro parlamentar também foi protocolado, na terça-feira (27/5), contra Paulinho no Conselho de Ética da Câmara. Ainda não foi designado relator para o caso.

Em nota divulgada no mesmo dia, Paulinho disse que está sofrendo “implacável perseguição política” e pediu que o Conselho de Ética abrisse um processo para que ele pudesse se defender.

Com informações do portal G1




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 30 de maio de 2008, 14h44

Comentários de leitores

4 comentários

Basta analisar o patrimônio receita federal, só...

Bira (Industrial)

Basta analisar o patrimônio receita federal, só isso. Riqueza aparente não se sustenta frente a uma avaliação de bens e consumo, inclusive de parentes. Mas parece que não há vontade.

EM TEMPO. RETIFICANDO: Este "Pelêgo", eu sem...

Pirim (Outros)

EM TEMPO. RETIFICANDO: Este "Pelêgo", eu sempre desconfiei!!!

Este "Pelêgo", jamais em algum dia, sempre dele...

Pirim (Outros)

Este "Pelêgo", jamais em algum dia, sempre dele desconfiel!!! A gota d'agua se deu, no ano de 2001, quando o mesmo, em nome dos de todos os trabalhadores, fez acôrdos "espúrios" com o Ministro Francisco Dornelles (FHC) na elaboração da "famigerada" LC 110/01 (FGTS), que permite o "esbulho do patrimônio do trabalhador pelo governo"! Tem-se noticias que naquela época, o mesmo levou algo por fora por conta "dessa traição aos trabalhadores", pois a CUT se retirou da mesa da "patifaria", não aceitou com o esbulho com o dinheiro do trabalhador! E agora taí: A DEMONSTRAÇÃO DO SEU CARÁTER "SEMPRE" ARRUINADO!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 07/06/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.