Consultor Jurídico

Comentários de leitores

4 comentários

Penso que a grande maioria dos internos, não co...

joao wellington leoncio de abreu (Advogado Autônomo)

Penso que a grande maioria dos internos, não consegue alterar suas atitudes e também a forma de refletir sobre a ociosidade em que se encontram dentro sistema prisional, que ao invés de recuperar os presos, apenas os degrada, os corrompe. Já não é de agora que especialistas vêem alertando os nossos governantes, da necessidade de se criar outras medidas socioeducativas, visando uma melhor ressocialização dos internos após o cumprimento da pena, pois este sistema atual é bastante desorganizado, e favorece a uma reciclagem do preso, para pior.

Essa medida deverá evitar que continuemos envia...

futuka (Consultor)

Essa medida deverá evitar que continuemos enviando alguns 'indivíduos' aos "cursinhos do crime" esse sim deveria ser o nome a ser batizado as carceragens no brasil, pois além de se encontrar em precáríssimas condições, não servem para o que se destinam. Reitero que a medida da utilização de uma tornozeleira eletrônica para monitorar o 'indivíduo' fora das carceragens,etc, vai ficar muito melhor

O reconhecimento, do culto promotor de justiça ...

Rossi Vieira (Advogado Autônomo - Criminal)

O reconhecimento, do culto promotor de justiça e professor de importante fundação , de que o sistema penitenciário está falido é bom sinal em dias atuais. Pouquíssimas autoridades públicas falam sobre o assunto. Na verdade tal reconhecimento impõe que os presos, sob a perspectiva de crime de tortura psicológica, deveriam ser libertados. A realidade aqui adotada no século XXI e adotada nos USA desde o século passado, quanto ao uso de metodologia eletrônica, deve ser vista com bons olhos se houver boa fiscalização e boa licitação de produtos. Eu pessoalmente, voz isolada, preferiria que os regimes de liberdades provisória e condicional, bem como os regimes de penas diferenciados fossem monitorados sob a confiabilidade do próprio preso. A pulseira não impedirá o cometimento de novos crimes. E dependendo do sistema a ser adotado não impedirá a fuga. No mais, repita-se, é excelente ver o Dr. Roberto Porto, expoente do Ministério Público paulista, reconhecer a falácia do Estado. Um bom começo. Otávio Augusto Rossi Vieira, 41 Advogado Criminal em São Paulo.

O artigo do Professor Roberto Porto...

hammer eduardo (Consultor)

O artigo do Professor Roberto Porto é digno de se colocar num quadro na parede , ao menos dos mais lucidos. O sistema prisional aqui ja esta falido a algumas decadas e defasado completamente em vista do grau de sofisticação da bandidagem , a cada dia eles tem mais direitos numa situação que se configura como uma afronta adicional a sua vitimas. Dentro dos absurdos do sistema prisional brasileiro , temos algumas situações que nem na Finlandia seriam aceitaveis como por exemplo a tal "visita intima" ou o ainda descontrolado acesso a telefones celulares que a Imprensa mostra a exaustão mas os ditos "responsaveis" continuam a fazer ouvido de mercador aos fatos, só mesmo aqui no Brasil. Claro que toda essa verdadeira "festa" devidamente coroada pelo regime progressivo que permite que apos o cumprimento de uma parte pequena da pena o "incompreendido social" seja novamente colocado na rua para ameaçar a Sociedade que no final das contas , subvenciona atraves de seus suadissimos impostos este verdadeiro teatro do absurdo. Ah sim , Eu ja sei da cantilena padrão da tchurma de sempre, "esta previsto na lei , ou se mudam as leis etc etc etc". Isto Eu nem discuto , afinal ja estamos quase numa verdadeira guerra civil e ainda temos os que defendem a manutenção deste absurdo em que os que são encarcerados , na realidade vão para um verdadeiro MBA pago as nossas custas. Que venham agora os discursos bonitinhos que servem para adormecer rapidamente a boiada. Pobre Brasil, ate quando?

Comentar

Comentários encerrados em 28/05/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.