Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Acelerador penal

Infelizmente não tiveram coragem de acabar com a prisão especial

Editorial da Folha de S.Paulo

É positivo o balanço das mudanças na legislação penal aprovadas anteontem na Câmara dos Deputados. As peças mais importantes são os projetos de lei que alteram o Código de Processo Penal. Eles já passaram pelas duas Casas legislativas e seguem para sanção presidencial. De um modo geral, tentam dar celeridade aos procedimentos sem sacrificar o direito de defesa dos réus.

As mudanças mais significativas dizem respeito ao Tribunal do Júri. A maior novidade é o fim do segundo julgamento automático nos casos em que a pena é maior ou igual a 20 anos. Essa era uma relíquia dos anos 40, quando as sentenças raramente superavam tal marca, mas que se tornou contraproducente diante da multiplicação e do agravamento dos crimes. Nunca houve muito sentido em anular um júri apenas porque a sentença proferida pelo juiz era tida por dura.

Menos vistosos, mas também relevantes, são a unificação das audiências — hoje elas são três, uma para os réus, uma para as testemunhas de acusação e outra para as de defesa-, a eliminação do libelo acusatório -uma redundância em relação à acusação inicial- e o enrijecimento das regras para adiar julgamentos. Manobras como a ausência de réu solto no dia do juízo já não produzirão efeitos protelatórios.

Simplificações que não prejudiquem o direito de defesa são sempre bem-vindas, embora mudanças no rito não operem milagres. O aumento da demanda pela Justiça, o que redunda em acúmulo de processos, é uma variável difícil de equacionar. É provável, portanto, que na prática as alterações não produzam aceleração na medida desejada.

Outro ponto importante do pacote diz respeito à produção de provas. A nova regra determina que provas ilícitas não poderão ser usadas em juízo. Abre-se a possibilidade, no entanto, de validar algumas provas derivadas da evidência ilícita, desde que a acusação demonstre que foram obtidas por fonte independente e lícita. A expectativa é que o uso diligente dessas inovações legais resulte na diminuição das anulações de processos.

Parte das medidas ainda precisa passar pelo Senado. É o caso da criação de novos tipos penais, como o seqüestro-relâmpago e a facilitação da entrada de celulares em presídios, cuja criminalização é necessária. É preciso, porém, cuidado na fixação das penas, para que não se quebre a proporcionalidade entre os delitos, objetivo visado pelo Código Penal. A previsão de 10 a 17 anos para seqüestro-relâmpago parece exagerada. A pena mínima supera aquela que o legislador reservou para o homicídio doloso (6 a 20), um crime capital.

Lamentavelmente, os parlamentares não tiveram coragem de acabar com a famigerada prisão especial, garantida para os portadores de diploma superior, essa que é uma das mais anti-republicanas invencionices da legislação brasileira.

[Editorial publicado na Folha de S.Paulo, desta sexta-feira, 16 de maio]


Revista Consultor Jurídico, 16 de maio de 2008, 11h45

Comentários de leitores

10 comentários

O problema da prisão especial não é o fato dela...

Victor (Estudante de Direito - Criminal)

O problema da prisão especial não é o fato dela ser válida somente na fase processual, mas sim o de ser exclusiva dos portadores de diploma de curso superior e outras pessoas "ilustres". Se valesse também em caso de condenação, seria brincadeira.

Brilhante a intevenção do Ilustre ANTONIO CÂNDI...

Jesiel Nascimento (Advogado Autônomo - Criminal)

Brilhante a intevenção do Ilustre ANTONIO CÂNDIDO DINAMARCO. Devo ressaltar que a mídia se opõe a prisão especial apenas para fazer coro ao politicamente correto ou conveniência momentânea. Srs. a prisão especial não é deferida "de ofício", mas alguém conhece alguma pessoa da mídia que ao ser preso não tenha se apressado em apresentar o diploma de curso universitário para fugir da cela comum?

Quem escreveu a baboseira na FOLHA DE SÃO PAULO...

acdinamarco (Advogado Autônomo - Criminal)

Quem escreveu a baboseira na FOLHA DE SÃO PAULO nunca leu o Código de Processo Penal. Lamentável !!! acdinamarco@aasp.org.br

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 24/05/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.